Alemanha

Alemanha e Polônia estabelecem centro de controle conjunto de submarinos


A Alemanha e a Polônia anunciaram um memorando de entendimento para estabelecer um centro de controle operacional conjunto de seus submarinos. Anúncio ocorreu no final de junho (28/06). As forças dos dois países, somadas, contam com 11 submersíveis, com seis submarinos classe 212A na frota alemã, e cinco embarcações na Marinha polonesa. O centro ficará instalado em Glucksberg, na Alemanha. Varsóvia também pretende conectar seus submarinos ao sistema de controle de transmissões militares alemãs.

Foto: Balazs Koranyi / Reuters

Anúncios

Alemanha promete apoiar reconhecimento da China como economia de mercado


Nesta segunda-feira (13/06), a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, anunciou que irá mediar negociações com líderes europeus para reconhecer a China como uma economia de mercado. Merkel se encontra em visita oficial à Pequim. Caso reconhecida pela Organização Mundial do Comércio, produtos chineses teriam maior acesso à economias ocidentais. A medida também reduziria consideravelmente a possibilidade de aplicação de medidas protecionistas contra a economia chinesa. A China e Alemanha também assinaram acordos no valor de 2,7 bilhões de euros e cooperações em diversas áreas.

Foto: W. Zhao / Reuters

Parlamento alemão reconhece massacre armênio como genocídio


Na última quinta-feira (02/06), o parlamento alemão — também conhecido como Bundestag — reconheceu o massacre turco às populações armênias ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial como um ato de genocídio. A resolução gerou um deterioramento das relações diplomáticas bilaterais entre Alemanha e Turquia, já abaladas pela atual crise de refugiados. Por um lado, o governo turco respondeu fortemente alegando que a atitude do Bundestag estaria manchando a imagem do país através de decisões irresponsáveis e solicitou o retorno de seu embaixador para a realização de consultas. Por outro, o governo alemão buscou amenizar a situação, declarando que as relações bilaterais de amizade são extremamente importantes para o país.

Foto: n.i.

Aumentam em 40% crimes violentos e de ódio cometidos pela extrema direita na Alemanha


Nesta segunda-feira (23/05), o governo da Alemanha anunciou que houve um aumento de 44% em 2015 de crimes motivados por posições de extrema direita. Em 2015, foram registrados 1.485 crimes dessa natureza, 456 a mais do que em 2014. O Ministério do Interior ainda afirmou que os “crimes de ódio” (como racismo e perseguição religiosa) aumentaram 77% no mesmo período, com mais de 10 mil casos registrados. Ataques contra abrigos de refugiados também aumentaram cinco vezes, sendo 90% deles motivados por posições de extrema direita.

Foto: Friebe / SDMG / dpa / picture-alliance

Alemanha aprova subsídios para carros elétricos


Nesta quarta-feira (18/05), o governo da Alemanha aprovou o programa de “incentivo ambiental” para a compra de carros elétricos no país. A partir deste mês, compradores de carros puramente elétricos receberão um subsídio direto de até 4 mil euros e isenção de impostos. Carros híbridos também terão subsídios. Os custos do programa, que serão divididos entre o governo federal alemão e a indústria automobilística, somam 1,2 bilhão de euros. Segundo membros do governo, o programa é vital para a manutenção da liderança alemã na indústria automobilística no futuro.

Foto: S. Prautsch / dpa / picture-alliance

União Europeia incentiva utilização de energia nuclear, Alemanha questiona o plano


A Comissão Europeia pretende incentivar o uso de energia nuclear nos países europeus, divulgou nesta terça-feira (17/05) o jornal alemão Spiegel OnlineDiversos políticos da Alemanha -que prometeu abandonar a energia nuclear até 2022- criticaram o plano da União Europeia por ser tratar de uma “energia perigosa”. Entre as razões do órgão europeu para defender a medida estão a  manutenção da supremacia tecnológica no setor, reduzir a dependência do gás importado da Rússia e diminuir a emissão de gás CO2.

Foto: S. Puchner / dpa / picture-alliance

Alemanha e EUA rejeitam que existe um golpe de Estado no Brasil


Nesta quarta-feira (18/05), representantes dos Estados Unidos e da Alemanha rejeitaram a classificação do processo de impeachment no Brasil como golpe. Segundo o representante interino dos EUA na Organização dos Estados Americanos (OEA), Michael Fitzpatrick, instituições democráticas foram respeitadas, e afirmou que o foco da OEA deve ser a Venezuela. O diplomata americano foi o único da organização a rechaçar abertamente a noção de que o processo de destituição de Dilma Rousseff seja um golpe. Já o governo alemão considerou que processo respeitou a Constituição.

Foto: E. Sa / AFP / Getty Images

A industrialização da guerra: perfil de força, gestão do estado e mudança no regime de acumulação de capital (1850–1950)


Confira aqui a monografia do pesquisador do ISAPE, João Arthur da Silva Reis, sobre a industrialização da guerra e seus impactos no perfil de força, na gestão do Estado e na mudança do regime de acumulação de capital dos países centrais ao Sistema Internacional de 1850 a 1950. O trabalho trata de que maneira a evolução no perfil das forças armadas, notadamente dos EUA e da Prússia/Alemanha, a partir da industrialização da guerra, impactou na ascensão do industrialismo e na consolidação do regime de acumulação fordista/keynesiano de meados do século XIX até o século XX, passando pela Guerra Civil dos EUA, Guerra Franco-Prussiana e as duas Guerras Mundiais.

Mulheres trabalhando em fábrica de munições no Canadá durante a Primeira Guerra Mundial. Foto: n.i.

Alemanha aumentará efetivo das Forças Armadas pela primeira vez em 25 anos


A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, anunciou nesta terça-feira (10/05), que será aumentado o número de efetivos das Forças Armadas (Bundeswehr) do país. Até 2023 o governo alemão pretende incorporar 14,3 mil soldados e 4,4 mil civis. Desde 1990 a Alemanha passava por cortes sucessivos de efetivo da Bundeswehr, perdendo cerca de 550 mil militares e funcionários civis. Ao anunciar a medida em Berlim, von der Leyen afirmou que “Precisamos acabar com um processo permanente de atrofia e diminuição da Bundeswehr. Acabar com o limite máximo fixo e flexibilizar a estrutura de pessoal. É tempo de a Bundeswehr voltar a crescer”. Atualmente a Alemanha participa de 16 missões no exterior e também aumentou a sua presença em aliados da OTAN na Europa oriental.

Von der Leyen. Foto: M. Kappeler / dpa / picture-alliance via DW.

Vazam documentos do TTIP que mostram pressão dos EUA à UE


Documentos confidenciais tornados públicos pelo Greenpeace nesta segunda-feira (02/05) revelaram que os Estados Unidos pressionaram a União Europeia (UE) a aprovar a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP). Com base nos documentos, a imprensa alemã nota que Washington ameaçou barrar os esforços para facilitar a exportação de automóveis europeus para os EUA. O objetivo seria forçar a UE a consumir produtos agrícolas americanos, considerados de maior risco ambiental. Além disso, os documentos mostram ainda que os EUA estariam tentando vetar a exigência da UE de que os painéis de arbitragem corporativos sejam públicos, e não sigilosos, como querem os estadunidenses.

Foto: picture-alliance / dpa / J. Boerger.

Dinamarca prorroga controles de fronteira com a Alemanha


Nesta segunda-feira (02/05), o governo da Dinamarca anunciou a prorrogação de controles fronteiriços com a Alemanha até o dia 2 de junho. A decisão de estender por mais um mês os cerca de 15 pontos de travessia é uma tentativa de conter o fluxo de migrantes. Na semana passada, a Dinamarca também informou que planeja enviar 125 membros da Guarda Nacional para ajudar a controlar os pontos de passagem na fronteira.

Foto: Imago / nordpool.

Lavagem de dinheiro na Alemanha chega a 100 bilhões de euros por ano


Um estudo encomendado pelo Ministério das Finanças da Alemanha mostrou que esquemas de lavagem de dinheiro no país envolvem 100 bilhões de euros todo o ano. A quantia é o dobro da originalmente estimada. Segundo o estudo, maioria dos esquemas correspondem a compras de produtos luxuosos, como iates e joias.

Foto: Fotolia / Agite Leim Ane

Milhares protestam contra acordo de livre-comércio entre EUA e União Europeia


Neste sábado (23/04), milhares de pessoas protestaram na Alemanha contra o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês). Os protestos ocorreram na cidade de Hanover, onde o presidente dos EUA, Barack Obama, deve promover o TTIP junto com a chanceler alemã Angela Merkel. Segundo os opositores ao tratado, ele diminuiria os padrões ambientais e sociais europeus. Uma pesquisa divulgada esta semana revelou que um em cada cinco alemães são contra o TTIP, enquanto 18% dos norte-americanos rejeitam o acordo.

Foto: E. Vidal / Reuters

Tribunal da Alemanha considera parte de lei antiterrorismo inconstitucional


Nesta quarta-feira (20/04), uma lei antiterrorismo da Alemanha que concede amplos poderes de vigilância ao Departamento Federal de Investigações (BKA) foi considerada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional Federal. Segundo o julgamento, os direitos fundamentais dos cidadãos podem ser atingidos por ações das autoridades de vigilância. As atribuições e justificativas do BKA para vigiar suspeitos seriam vagas demais ou amplas demais, faltando transparência e controle jurídico. A corte listou uma série de restrições para que a legislação atual continue sendo aplicada até que uma nova seja aprovada, no máximo até junho de 2018.

Foto: DPA / picture-alliance

Kuwait compra 28 caças da Eurofighter


Nesta terça-feira (05/04), o Kuwait confirmou a compra de 28 caças Typhoon do consórcio Eurofighter – composto pelo Reino Unido, Alemanha, Espanha e Itália-. Os aviões contarão com um sistema de radar avançado, desenvolvido pela EuroRADAR. O negócio é baseado em um acordo firmado entre a Itália e o Kuwait em setembro. O contrato também prevê o apoio logístico e treinamento de pilotos.

Foto: Alberto Pizzoli / AFP / Getty Images

Alemanha recebeu número recorde de imigrantes em 2015


O Departamento Federal de Estatísticas da Alemanha (Destatis) afirmou nesta segunda-feira (21/03) que a Alemanha recebeu um número recorde de imigrantes em 2015.  Segundo o órgão, a imigração líquida de estrangeiros chegou a 1,14 milhão no ano, o que representa uma alta de 49% em comparação com 2014. O Destatis registrou em 2015 a chegada de cerca de 2 milhões de imigrantes à Alemanha. No mesmo ano, 860 mil estrangeiros deixaram o país.

Foto: C. Bilan / DPA/ picture-alliance

KMW inaugura sede industrial no Brasil


Nesta quarta-feira (09/03), foi inaugurada em Santa Maria (RS) a sede industrial da KMW, empresa alemã do ramo de defesa, no Brasil. O evento também contou com a entrega oficial de 8 viaturas blindadas antiaéreas GEPARD. Veículos, modernizados em solo brasileiro, serão utilizadas nos Jogos Olímpicos. A empresa também mantém um Contrato de Suporte Logístico (CSL) para a frota de blindados Leopard 1A5BR utilizados pelo Exército Brasileiro.

Foto: DefesaNet

Itália representa oposição à Alemanha dentro da UE


Em artigo publicado na Foreign Affairs (22/01), Andrea Mammone discute a ascensão da Itália como uma oposição à hegemonia da Alemanha na União Europeia. Roma, sob a liderança do primeiro-ministro Matteo Renzi, possui um discurso antiausteridade, defendendo maior flexibilidade nos gastos públicos. Além disso, a Itália também pede uma melhor distribuição das responsabilidades sobre refugiados que chegam ao continente, contrapondo-se a posições alemãs e oferecendo alternativas.

matteo-renz-e-angela-merkel-300x199

Foto: ANSA.

A questionável política de refúgio da Alemanha


Em comentário no jornal junge Welt, Jörg Tiedjen critica a atual política de concessão de refúgio da Alemanha, que considera que Marrocos, Tunísia e Argélia, entre outros, são Estados seguros e, portanto, não se concede o status de refugiado a cidadãos oriundos destes. O autor nota que a Alemanha e demais países da União Europeia fazem vista grossa para as graves violações de direitos humanos e perseguições que ocorrem especialmente no Marrocos.

Foto: Reuters / Stringer.

Curdos vendem armas alemãs no mercado negro


Segundo relatos da imprensa alemã publicados na quinta-feira (21/01), combatentes curdos estariam vendendo armamentos alemães no mercado negro. As armas foram enviadas pela Alemanha para auxiliar no combate ao “Estado Islâmico”. Os soldados teriam vendido suas armas após não terem recebido seus salários por vários meses devido à difícil situação econômica do Iraque. Haveria indícios que algumas dessas armas tenham ido parar na mãos de grupos terroristas.

018997046_30300

Foto: picture-alliance / Bundeswehr / S. Wilke.

Polônia convoca embaixador alemão após críticas à reforma da mídia


Nesta segunda-feira (11/01), a Polônia requisitou a presença do embaixador da Alemanha para uma reunião no Ministério do Exterior, após “comentários antipoloneses” de políticos alemães ao governo de Varsóvia. As críticas focaram-se principalmente nas legislações implementadas pelo partido Lei e Justiça (PiS),  que ameaçam a liberdade de imprensa no país. A União Europeia deve discutir nas próximas semanas a possibilidade de impor sanções à Polônia, em razão da suposta quebra de princípios democráticos.

Foto: B. Czerwinski / EPA / Picture-alliance.

Alemanha registra onda de ataques contra estrangeiros


A cidade de Colônia (Köln), no oeste da Alemanha, registrou uma série de agressões contra estrangeiros na noite de domingo (10/01). Dois paquistaneses foram hospitalizados e um sírio teve ferimentos leves. A principal suspeita da polícia é que atos foram realizados por “grupo de justiceiros” que teriam se organizado pela rede social Facebook para se vingar de crimes sexuais ocorridos na noite de ano-novo. No sábado, a polícia de Colônia dispersou uma manifestação violente de extremistas de direita, que protestavam contra as agressões ocorridas na virada do ano.

018970450_30300

Foto: dpa.

Alemanha testa reator nuclear que pode revolucionar setor energético


Nesta quinta-feira (10/12), a Alemanha testou pela primeira vez o reator de fusão nuclear Wendelstein 7-X, que levou 19 anos para ser concluído. Os estudos são conduzidos pelo Instituto Max Planck de Física do Plasma (IPP), em Greifswald, cidade no nordeste do país. O Wendelstein 7-X, maior reator de seu tipo no mundo, custou 1 bilhão de euros para ser construído e demandou 1,1 milhão de horas de trabalho. A tecnologia de fusão nuclear utiliza átomos de hidrogênio para formar hélio e, conforme o IPP, um grama de hidrogênio poderia gerar 90 mil quilowatts-hora de energia — a mesma quantidade produzida pela combustão de 11 toneladas de carvão — com a produção de quantidades significativamente menores de lixo atômico.

Foto: S. Sauer / dpa / picture-alliance.

Qual a razão da participação da Alemanha no combate ao EI?


Em artigo publicado na Deutsche Welle (04/12), o jornalista Marcel Fürstenau questiona a efetividade do envio de militares alemães para combater o grupo “Estado Islâmico”. Apesar de ser movida por solidariedade à França, a Alemanha agora participa de uma guerra para a qual não há argumentos convicentes, nem políticos nem militares.

256701

Foto: Robin Manhart.

Parlamento alemão aprova missão militar de combate ao EI


O Bundestag (parlamento alemão) aprovou na última sexta-feira (06/12) uma missão militar para combater o grupo “Estado Islâmico” na Síria. Estão previstos o envio de seis caças de reconhecimento, uma fragata para ajudar na proteção do porta-aviões francês na região e até 1.200 militares. Porém, Berlim não participará de ataques aéreos conduzidos por outros países. Medida ainda precisa ser ratificada pelo Bundesrat (senado).

018894867_30300

Foto: Reuters / H. Hanschke.

Debate “Novo papel da Alemanha: derrotada em 1945, dona da Europa em 2015”


O ISAPE convida a todos e todas para participarem do debate sobre o novo papel da Alemanha na Europa atual com os professores Paulo Visentini e José Miguel Martins. O evento ocorrerá nesta segunda-feira (22/11) a partir das 18h e 30min no Clube de Cultura de Porto Alegre (Ramiro Barcelos, 1853). O debate terá como base uma entrevista com o demógrafo francês Emanuel Todd, cuja tradução pode ser encontrada aqui. A atividade é uma promoção do ISAPE em parceria com o Núcleo de Estratégia e Relações Internacionais (NERINT). Entrada franca.

Palestra Alemanha v20112015

 

Governo alemão admite não saber quantos refugiados já foram acolhidos


O governo da Alemanha admitiu que desconhece o número exato de refugiados acolhidos pelo país desde o início da atual crise de refugiados. Segundo o representante do Ministério do Interior, Ole Schröder, as autoridades governamentais alemãs não dispõem de “um panorama geral sobre o número de requerentes de asilo em centros de acolhimento”. Oposição caracterizou o desconhecimento como “vergonhoso” e um grande empecilho para a formulação de políticas de refúgio.

Foto: J. Koch / Getty Images.

Alemanha e China estreitam relações bilaterais


Em visita à Pequim nesta quinta-feira (29/10), a chanceler alemã, Angela Merkel, aprofundou a cooperação entre seu país e a China. O Banco de Investimento em Infra-estrutura Asiático (AIIB, em inglês), a internacionalização da moeda chinesa e maior cooperação com a União Europeia foram alguns dos temas discutidos. Também foram firmados acordos em diversas áreas, principalmente em assuntos econômicos e diplomáticos.

Foto: Xinhua/Li Tao

Alemanha pode enviar policiais para a Eslovênia para ajudar com refugiados


Nesta terça-feira (27/10), um jornal alemão afirmou que a Alemanha deve enviar policiais para auxiliar a Eslovênia a lidar com o fluxo de refugiados. No entanto, a Polícia Federal da Alemanha afirma já estar sobrecarregada de funções em seu próprio país. Mais de 70 mil refugiados entraram na Eslovênia após a Hungria fechar, em meados deste mês, sua fronteira com a Croácia, forçando os migrantes a procurar uma nova rota.

Mapa: DW / Eurostat / Frontex.

Alemanha apoia entrada da Turquia na UE em troca de cooperação com a questão dos refugiados


A chanceler alemã, Angela Merkel, em visita à Istambul, afirmou neste domingo (18/10) que aceleraria o processo de admissão da Turquia à União Europeia se esta cooperasse para conter o fluxo de refugiados para a Europa. Anteriormente, Merkel se mostrou contrária a entrada do país na organização, baseada em violações de direitos humanos e da liberdade de imprensa pelo governo turco.

Foto: Bulent Kilic / AFP / Getty Images.