Arábia Saudita

Atentados terroristas na Arábia Saudita


No domingo (03/07) e nesta segunda-feira (04/07), ocorreram dois atentados terroristas na Arábia Saudita, na cidade de Jidá e em Medina, respectivamente. Ambos foram de pequenas proporções devido à ação policial saudita. O primeiro visava uma mesquita ao lado do consulado dos Estados Unidos na cidade e deixou dois policiais feridos. O segundo aconteceu em um estacionamento ao lado da mesquita de Maomé, o segundo lugar mais sagrado do islamismo, e causou a morte de pelo menos dois oficiais. Cerca de dois milhões de muçulmanos visitaram a cidade nas últimas semanas devido ao Ramadã, mas nenhum fiel teria sido atingido. Além de Medina e Jidá, dois homens-bomba também teriam atacado a cidade de Qatif nesta segunda-feira. Suspeita-se que esses ataques terroristas tenham sido perpetrados pelo “Estado Islâmico”.

Explosão em Medina. Foto: Al Arabyia / Twitter.

Armamentos que CIA e Arábia Saudita enviam para rebeldes sírios acabam no mercado negro


Armamentos enviados pela Agência Central de Inteligência (CIA) e pela Arábia Saudita para rebeldes sírios tem sido desviados e vendidos no mercado negro, afirmaram oficiais dos Estados Unidos e da Jordânia. As armas seriam enviadas para a Jordânia, que abriga campos de treinamento de rebeldes sírios que combatem o governo de Bashar al-Assad. Porém, os equipamentos, desviados por oficiais jordanianos, acabariam no mercado negro e vendidas para criminosos e contrabandistas (que revenderiam as armas em outros países).

Foto: Lucas Jackson / Reuters

Arábia Saudita aprova plano de reforma econômica para reduzir dependência do petróleo


A Arábia Saudita anunciou nesta segunda-feira (25/04) que aprovou o plano de reforma econômica para reduzir a dependência do petróleo. O plano, com o nome de “Visão Saudita 2030”, prevê privatizações, redução de subsídios e a venda de ações da gigante estatal Saudi Aramco.  Além disso, também é previsto a criação de um fundo de US$ 2 trilhões para estimular o investimento no país. O governo ainda pretende investir na mineração e no desenvolvimento nacional de uma indústria de Defesa.

Foto: Press Tv

EUA e Conselho de Cooperação do Golfo prometem maior cooperação


Nesta quinta-feira (21/04), realizou-se um encontro entre o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC, em inglês) e os Estados Unidos. Segundo o presidente norte-americano Barack Obama, os países do GCC -Omã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Qatar, Bahrein e Kuwait- concordaram em aumentar seus esforços no combate ao grupo “Estado Islâmico” e na reconstrução do Iraque. O encontro também foi marcado por desacordos sobre a relação dos EUA com o Irã.

Foto: K. Lamarque / Reuters

Países exportadores de petróleo não conseguem acordo para congelar a produção


Neste domingo (17/04), 18 países não conseguiram atingir um consenso sobre o congelamento da produção de petróleo. Representantes dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e de países como a Rússia se reuniram com o fim de acalmar os mercados internacionais. A principal razão do desacordo sobre o congelamento seria a recusa do Irã de participar na medida, já que sua produção vem aumentando após o fim das sanções internacionais.

Foto: Ibraheem Al Omari / Reuters

Cessar-fogo no Iêmen é respeitado em seus primeiros dias


Teve início neste domingo (10/04) o cessar-fogo entre as partes do conflito no Iêmen. Segundo o enviado especial da ONU para o país, Ismail Ould Cheikh Ahmed, até esta segunda-feira (11/04), o acordo foi respeitado pelas forças do governo, pelos Houthis e pela coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita. Apenas pequenas violações foram registradas, especialmente na cidade de Taiz. Segundo Ahmed, o sucesso do cessar-fogo é fundamental para as negociações de paz, que iniciam no dia 18 de abril.

Foto: Hani Mohammed / Associated Press

Arábia Saudita e Egito construirão ponte sobre o Mar Vermelho


A Arábia Saudita e o Egito concordaram em construir uma ponte sobre o Mar Vermelho, anunciou o rei saudita Salman bin Abdulaziz al Saud na última sexta-feira (08/04). Anúncio se deu durante encontro do presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, com o monarca na cidade do Cairo. O local previsto para a ponte que conectará os dois países não foi revelado, mas estima-se que será sobre o golfo de Aqaba. Também foram anunciados 17 acordos de investimentos e memorandos de entendimento entre os países.

Foto: Fayez Nureldine / AFP / Getty Images

Pela primeira vez desde 2011, aumentam os gastos mundiais em Defesa


Os gastos militares em todo o mundo aumentaram 1% em 2015, segundo um relatório do Instituto de Estudos da Paz em Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês) divulgado nesta terça-feira (05/04). Este é o primeiro aumento desde 2011. No total mundial, quase 1,7 trilhão de dólares foram gastos. Os Estados Unidos e a China possuem os maiores orçamentos – 596 bilhões de dólares e 215 bilhões de dólares, respectivamente. A Arábia Saudita ultrapassou a Rússia, chegando ao terceiro lugar.

Foto: A. Dehez / DPA/ picture-alliance

Arábia Saudita anuncia plano para reduzir dependência financeira do petróleo


A Arábia Saudita anunciou, nesta sexta-feira (01/04), um plano para diminuir sua dependência econômica do petróleo. Segundo um príncipe saudita, o plano prevê vendas de ações da gigante petrolífera Saudi Aramco e a criação de um fundo de investimento público de cerca de US$ 2 trilhões -o que seria o maior fundo do mundo. Riad busca a reestruturação da economia após queda dos preços internacionais do petróleo, maior fonte de receita do país.

Príncipe Mohammed bin Salman Foto: Charles Platiau / Reuters

Pelo menos 65 civis mortos no Iêmen após ataques aéreos de coalizão saudita


Pelo menos 65 pessoas morreram e 55 ficaram feridas no Iêmen após ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita nesta terça-feira (15/03). Os bombardeios ocorreram em um mercado popular na província de Hajja, localizada 123 quilômetros ao noroeste da capital Sanaa e atualmente controlada pelos Houthis. Além disso, cerca de 23 soldados Houthi e 14 do governo morreram também nesta terça-feira em combates pelo país.

Foto: Fahad Shadeed / Reuters

Arábia Saudita e Rússia concordam em congelar produção de petróleo


Na terça-feira (16/02), a Arábia Saudita e a Rússia, além de Qatar, Kuwait e Venezuela, chegaram a um acordo para congelar a produção de petróleo se outros grandes produtores aceitarem o mesmo. A medida busca aumentar o preço da mercadoria globalmente. O Irã não se comprometeu a congelar sua produção, enquanto o Iraque demonstrou-se favorável.

88307273_88307194

Foto: Reuters.

Turquia continuará a atacar curdos sírios e planeja intervenção com Arábia Saudita


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta quarta-feira (17/02) que os ataques de artilharia contra posições curdas na Síria não serão interrompidos. Os Estados Unidos e outros países já pediram pelo fim das operações, que já duram vários dias. Ainda, Ancara considera uma intervenção em conjunto com a Arábia Saudita na Síria. Riade já anunciou o envio de caças para bases aéreas turcas.

bn-lw558_1228si_m_20151228174419

Erdogan. Foto: Yasin Bulbul / Associated Press.

OCI declara apoio à Arábia Saudita em conflito com Irã


A Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), maior organização muçulmana do mundo, declarou nesta quinta-feira (21/01) apoio à Arábia Saudita em seu conflito diplomático com o Irã, acusando este de apoiar terroristas e intervir em outros países. Teerã, que integra a OIC, considerou a declaração inaceitável e acusou organização de apoiar o “terrorismo de Estado” saudita.

Iranian protesters chant slogans during a rally against the execution of Sheikh Nimr al-Nimr in Saudi Arabia, after Friday prayers in Tehran

Foto: Reuters / Raheb Homavandi.

Arábia Saudita considera vender ações de empresa estatal de petróleo


A Arábia Saudita considera a venda de ações de sua empresa estatal petrolífera, a Saudi Aramco. Abertura deve ser gradual, iniciando com cerca de 5% das ações. A Saudi Aramco é a maior empresa do setor do mundo, extraindo sozinha mais de 10 milhões de barris por dia — mais do que os Estados Unidos inteiro —. A empresa, sozinha, pode influenciar grandemente os preços internacionais dos hidrocarbonetos.

20160109_map504

Foto: Getty Images.

EUA complica-se cada vez mais para explicar aliança com Arábia Saudita


David E. Sanger analisa, em artigo publicado no jornal The New York Times (04/01), as relações dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, que têm sido marcadas por crescentes divergências nos últimos anos. Os EUA mantêm a aliança por razões estratégicas e econômicas, mesmo com os sauditas violando direitos humanos e buscando uma política que causa ainda mais instabilidade regional. Situação dificulta jusitificar a existência da parceria.

05diplo-web1-master675

Foto: Khalid Mohammed / AP.

A falsa guerra ao terror da Arábia Saudita


Em artigo publicado no Project Sydicate com tradução do jornal Estadão (05/01), Brahma Chellaney critica o apoio da Árabia Saudita a diversos grupos terroristas pelo mundo e sua ideologia radical, o wahabismo. Segundo o autor, os países ocidentais, mesmo combatendo o terrorismo, fazem vista grossa para a política saudita devido à suas reservas petrolíferas.

obama-us-saudi-arabia_horo-1-e1396027024834-635x357

Foto: AP / Pablo Martinez Monsivais.

Empresas turcas devem competir pelo mercado de defesa saudita


Segundo oficiais turcos, empresas de defesa da Turquia estão buscando ganhar diversos contratos na Arábia Saudita. A companhia FNSS, produtora de veículos blindados, compete para ganhar a licitação no valor de US$ 10 bilhões para o reino sunita. Riade também teria demonstrado interesse no tanque Altay, fabricado pela Otokar, e no drone ANKA, produzido pela TAI. Esses potenciais contratos foram discutidos na visita do presidente turco Recep Tayyip Erdogan à Arábia Saudita no dia 31 de dezembro.

Foto: SPA / AFP.

 

Irã acusa Arábia Saudita de atacar sua embaixada no Iêmen


A embaixada do Irã no Iêmen foi atingida “deliberadamente” por um ataque aéreo saudita nesta quarta-feira (06/01), segundo Teerã. O bombardeio feriu membros da equipe diplomática iraniana. A coalizão liderada pela Arábia Saudita afirmou que denúncia será investigada. Episódio deve tensionar ainda mais as relações entre os dois países.

2fad858800000578-0-image-a-117_1452166198885

Foto: Reuters.

Arábia Saudita rompe relações diplomáticas com Irã após ataque à embaixada


A Arábia Saudita anunciou, nesta segunda-feira (04/01), o rompimento das relações diplomáticas com o Irã. Medida se deu após iranianos terem atacado, no sábado (02/01), a embaixada saudita em Teerã em protesto contra a execução de um líder xiita por autoridades sauditas. O Sudão e o Bahrein também romperam os laços diplomáticos com o Irã em solidariedade à Riade, enquanto os Emirados Árabes Unidos rebaixaram a representação diplomática em Teerã.

e7b6f720b8464101979b9ba4d61e53dc_18

Foto: Al Jazeera.

Arábia Saudita anuncia corte de gastos e aumento do preço do combustível


A Arábia Saudita anunciou, nesta segunda-feira (28/12), o corte de gastos no orçamento para 2016 e um aumento de 40% no preço do combustível doméstico. O país teve um déficit de US$98 bilhões em 2015 — 15% do PIB — e assim diminuiu o orçamento para o próximo ano em 14%. O “bônus” dado à população pelo Rei Salman quando assumiu o trono e a guerra no Iêmen estão entre as principais causas dos gastos — combinados com a queda no preço do petróleo.

bn-lq964_1211oi_j_20151211034605

Foto: Reuters.

Mulheres votam e são eleitas na Arábia Saudita


Pela primeira vez na história, mulheres puderam votar e serem votadas na Arábia Saudita, em eleições municipais realizadas neste domingo (13/12). Pelo menos nove candidatas foram eleitas. As candidatas totalizaram 979 dos 6.917 políticos inscritos. Por outro lado, apenas 10% dos votantes eram do sexo feminino — devido aos obstáculos impostos às mulheres na Arábia Saudita —.

018915190_30300

Foto: picture-alliance / dpa.

Oposição e rebeldes sírios concordam em juntar-se para negociar com o governo de Assad


Nesta quinta-feira (10/12), rebeldes e oposicionistas sírios pela primeira vez concordaram em juntar-se em uma única entidade para negociar com o governo de Bashar al-Assad em um possível processo de paz. Reunião em Riade, capital da Arábia Saudita, durou cerca de dois dias e foi palco de grandes disputas entre membros mais moderados e os islamistas. Um dos maiores e mais radicais grupos rebeldes, o Ahrar al-Sham, bastante próximo da Al-Qaeda, chegou a abandonar as reuniões em desagrado. Todos concordaram que Assad deve deixar o poder em qualquer processo de paz e que a Síria deve se tornar um país democrático e plural.

Foto: Abdulmonam Eassa / AFP / Getty Images.

Firmado acordo para resolução da guerra na Síria


Rússia, Estados Unidos e mais 15 países, entre eles Irã, Arábia Saudita e Turquia, chegaram a um acordo neste sábado (14/11) sobre a resolução do conflito sírio. Plano envolve passos como negociações entre governo e oposição mediadas pela ONU; um cessar-fogo entre os beligerantes (grupos terroristas Al-Nusra e “Estado Islâmico” não estão incluídos); elaboração de uma nova constituição em até seis meses; e eleições livres sob a nova constituição fiscalizadas pela ONU até março de 2018 (18 meses).

1200x-1

Foto: Thomas Trutschel /Photothek.

Arábia Saudita bombardeia MSF no Iêmen


Nesta terça-feira (27/10), um hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Iêmen foi alvo de um bombardeio por parte da Força Aérea da Arábia Saudita. Segundo a própria organização, médicos e pacientes encontravam-se nas instalações alvejadas. É o segundo hospital da MSF atingido por ataques aéreos em outubro.

Foto: AP / Hani Mohammed.

Arábia Saudita e França negociam navios e satélites


A França e a Arábia Saudita anunciaram semana passada (14/10) que iniciaram conversas sobre a compra de navios e satélites de comunicação e espionagem franceses, além da instalação de um centro de pesquisa naval. Os dois países também devem cooperar na área de energia nuclear.

Foto: Kenzo Tribouillard /AFP.

A falta de objetivos da Arábia Saudita no Iêmen


Confira aqui a análise de Neil Partrick do think tank Carnegie Endowment publicada este mês sobre a aparente falta de planos mais concretos da Arábia Saudita com relação ao conflito no Iêmen, confirmada, segundo o autor, pela mudança de discurso do porta-voz oficial do exército saudita acerca dos objetivos dos bombardeios aéreos. A Arábia Saudita tem se preocupado muito mais com o Iêmen do que com outras regiões em conflito no Oriente Médio, como a Síria e o Iraque, e parece apostar todas as suas fichas em manter o presidente Hadi no poder como forma de garantir seus interesses no país. Para o autor, isso, somado à insistência em um discurso que culpa o Irã pelos problemas no Iêmen, podem ser grandes erros estratégicos, especialmente em um momento em que a intervenção no país parece estar pesando nas contas públicas da Arábia Saudita.

Mapa: CNN.

Bombardeios no Iêmen atingem festas de casamento


Bombardeios realizados na semana passada pela coalizão de países árabes liderada pela Arábia Saudita atingiu uma casa onde acontecia uma festa de casamento, em cidade perto da capital, deixando 23 civis mortos. Em menos de uma semana, esse foi o segundo ataque que acabou por atingir um casamento no país, o que inflou as críticas com relação às ações militares da coalizão.

Foto: Pakistan Today.

Anistia Internacional condena bombardeio de civis no Iêmen


Na semana passada, a Anistia Internacional lançou um relatório condenando fortemente os bombardeios realizados pela coalizão árabe no Iêmen, que estariam tornando necessária a evacuação de cidades e até mesmo de regiões inteiras no país. De acordo com a organização não governamental, esse tipo de situação demonstra uma total ausência de distinção entre alvos civis e militares por parte dos agressores, o que traz à tona uma importante discussão sobre direitos humanos no conflito. O relatório é o resultado de treze investigações de campo de bombardeios realizadas na cidade de Sa’da desde março deste ano.

Foto: Times of Israel / YouTube.

Arábia Saudita cita alternativa militar para conflito sírio


Em encontro na ONU na terça-feira (29/09), o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel Al-Jubeir, disse que existe uma alternativa militar para a crise na Síria para forçar a saída de Bashar al-Assad. Segundo ele, a alternativa seria mais destrutiva e demorada, mas poderia ser a única saída caso Assad não aceite se retirar do poder. Al-Jubeir ainda criticou a presença iraniana no país.

Foto Bryan R. Smith / AP.

Iêmen: Houthis divididos


O artigo de Michelle Ghabrial publicado na Foreign Affairs analisa os efeitos dos bombardeios sauditas no Iêmen, que acentuaram as divisões do país e dentre os rebeldes Houthis. Estes, desde que tomaram o poder, vêm perdendo apoio popular devido à corrupção, erros econômicos, falhas burocráticas e perseguições políticas.

Foto: AP / Hani Mohammed.

Foto: AP / Hani Mohammed.