Ásia Central

China e Uzbequistão inauguram túnel ferroviário de 19,2 km


Em visita no Uzbequistão, o presidente da China, Xi Jinping, e o presidente uzbeque, Islam Karimov, inauguraram o túnel ferroviário Qamchiq nesta quarta-feira (22/06). O túnel, que atravessa as montanhas Qurama e foi construído e financiado por Pequim, tem 19,2 km de extensão e vai da capital Tashkent a Namangan. A obra é considerada um marco da iniciativa chinesa “One Belt, One Road” de uma nova rota da seda na Ásia Central.

Xi Jinping e Islam Karimov. Foto: Xinhua / Li Tao.

Anúncios

Atentados no Afeganistão deixam mais de 23 mortos


Nesta segunda-feira (20/06), pelo menos 23 pessoas morreram no Afeganistão após uma série de atentados terroristas. Duas explosões ocorreram na capital Cabul. Uma deixou 14 mortos -todos nepaleses que trabalhavam como seguranças na embaixada canadense-. Outra matou um segurança e tinha como um alvo um político local, que ficou ferido. O Talibã assumiu a autoria dos dois atentados. Uma terceira bomba explodiu na província de Badakhshan, causando pelo menos 8 vítimas fatais. O Talibã afirmou que não foi responsável por este ataque.

Foto: EPA

Forças do Afeganistão e do Paquistão trocam tiros na fronteira


Neste domingo (12/06), forças do Afeganistão e do Paquistão trocaram tiros na fronteira entre os dois países. O incidente ocorreu no entreposto de Torkham, o mais movimentado da fronteira entre os dois países, com 15 mil pessoas o cruzando diariamente. A mídia afegã afirma que não houve nenhuma morte. A relações entre os dois países está tensa, com o Afeganistão acusando o Paquistão de acolher militantes extremistas em seu território. Islamabad também impôs um procedimento mais rigoroso para a obtenção de vistos para entrar em território paquistanês, o que desagradou o governo afegão.

Foto: Sgt. Ryan Matson (U.S. Armed Forces)

Afeganistão anuncia acordo de paz com grupo militante Hezb-e-Islami


Nesta quarta-feira (18/05), o Afeganistão anunciou um acordo de paz com o grupo militante Hezb-e-Islami. Este é o segundo maior grupo insurgente do país, apenas atrás do Talibã. Acordo deve ser assinado nos próximos 30 dias. Entre as medidas acordadas, estão: a retirada do Hezb-e-Islami da lista negra de organizações terroristas e das sanções da Organização das Nações Unidas e dos Estados Unidos; libertação de presos ligados ao grupo; repatriação de seus refugiados. O grupo militante abriu mão de sua posição firme contra a presença de forças estrangeiras no país, aceitando somente as “boas-vindas à retirada de tropas estrangeiras” no acordo.

Foto: H. Sabawoon / Anadolu Agency / picture-alliance

Ataque suicida do Talibã deixa pelo menos 28 mortos em Cabul


Nesta terça-feira (19/04), um ataque suicida deixou pelo menos 28 mortos e 327 feridos no centro de Cabul, capital do Afeganistão. O Talibã assumiu a autoria do atentado. O grupo explodiu um caminhão em frente a uma agência de segurança do governo e depois a invadiu, trocando tiros com as forças governamentais.

Foto: Rahmat Gul / AP

 

Talibã inicia ofensiva contra Kunduz


O Talibã lançou uma grande ofensiva na província de Kunduz, no Afeganistão, nesta quinta-feira (14/04). Diversos ataques foram realizados contra forças do governo em diversos distritos, inclusive contra a capital de Kunduz. Apesar de alguns postos e estradas tomados pelo grupo, autoridades afegãs afirmaram que a situação está sob controle.

Imagem: Al Jazeera

Irã recebe primeiro lote do S-300 da Rússia


Os primeiros lotes do sistema de mísseis S-300 chegaram da Rússia no Irã, afirmou o ministro das Relações Exteriores deste país nesta segunda-feira (11/04). O negócio, estimado em US$ 900 milhões, foi retomado após o fim das sanções internacionais à Teerã. O S-300 é um sistema de defesa antiaérea de longo alcance. Agências de notícias russas afirmam que o transporte das armas será realizado via Mar Cáspio.

Jaber Ansari, Ministro das Relações Exteriores do Irã Foto: EPA

Armênia e Azerbaijão anunciam cessar-fogo na região de Nagorno-Karabakh


Nesta terça-feira (05/04), a Armênia e o Azerbaijão anunciaram um cessar-fogo após quatro dias de conflitos na região de Nagorno-Karabakh. Assim, as atividades militares dos dois países e de outros grupos armados interromperam suas operações. Cerca de 46 pessoas morreram nos confrontos.

Foto: AP

Conflito armado entre Armênia e Azerbaijão por Nagorno-Karabakh entra em seu terceiro dia


Confrontos entre forças da Armênia e do Azerbaijão na região de Nagorno-Karabakh chegaram ao terceiro dia nesta segunda-feira (04/04). As duas partes se acusam de ter iniciado o conflito na noite de sábado. O Azerbaijão ameaçou invadir com todas suas forças a capital da região caso a Armênia não pare de atacar os assentamentos azerbaijaneses. Já o presidente armeno, Serzh Sargsyan, afirmou que caso conflito aumente de proporção, o país reconhecerá a independência de Nagorno-Karabakh.

Foto: AP

Jornal turco muda linha editorial após intervenção estatal


Após intervenção estatal na sexta-feira (05/03), o Zaman, o maior jornal da Turquia e que fazia oposição ao presidente Recep Tayyip Erdogan, mudou sua linha editorial para uma pró-governo. A publicação deste domingo (06/03) foi considerada por muitos como clara propaganda do governo. Centenas de pessoas protestaram contra a medida e foram reprimidas pela polícia. O governo afirma que ação não é de sua responsabilidade, já que a ação foi decretada pela Justiça.

Foto: A. Altar/ Getty Images/ AFP

China e Tajiquistão aprofundam cooperação em Defesa


Nesta segunda-feira (29/02), a China e o Tajiquistão aprofundaram a cooperação na área de Defesa. Destaca-se o aumento da cooperação no combate ao terrorismo na Ásia Central. O presidente tajiquistanês, Emomali Rahmon, considera que a ajuda chinesa é fundamental para a estabilidade da região e para a resolução de crises, como a do Afeganistão.

Emomali Rahmon (E) e Xi Jinping  (D). Foto: Ng Han Guan-Pool/ Getty Images

Emomali Rahmon (E) e Xi Jinping (D).
Foto: Ng Han Guan-Pool/ Getty Images

Talibã ataca infraestrutura de energia entre Afeganistão e Uzbequistão


Nesta terça-feira (26/01), o Talibã explodiu uma linha de transmissão de energia elétrica que conectava Uzbequistão à capital do Afeganistão, Cabul. O ataque teria sido uma reação à uma grande operação realizada por Forças de segurança do país para retomar territórios controlados pelo grupo. Assim, foi demonstrada a vulnerabilidade da infraestrutura energética afegã, principalmente suas conexões com a Ásia Central.

thediplomat_2016-01-26_21-17-34-386x257

Foto: Wikimedia Commons / Igor.

As crescentes relações securitárias entre China e Cazaquistão


Em artigo publicado na revista The Diplomat, Samuel Ramani analisa a recente aproximação da China e do Cazaquistão na área securitária. Os dois países aprofundaram suas relações em outubro do ano passado com o encontro dos ministros da Defesa, continuando uma aproximação que ocorre desde 1996 — com a criação dos Cinco de Xangai. Astana tem interesse em aumentar a cooperação com Pequim para diminuir sua grande dependência para com a Rússia.

thediplomat_2015-12-23_14-16-49-386x257

Foto: Reuters / Lintao Zhang.

Pivô israelense para a Ásia Central?


Em artigo publicado na revista The Diplomat (02/12), Evan Gottesman analisa o pivô israelense para a Ásia Central. A presença russa na Síria e a aproximação dos países asiáticos do Irã levaram Israel a melhorar as relações com os países da União Econômica Eurasiática (UEE), principalmente com a Rússia e com o Cazaquistão, entrando em uma zona de livre comércio com o bloco em novembro deste ano.

Foto: n.i.

Rússia e seu plano para combater o terrorismo na Ásia Central


A Rússia propôs durante encontro da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) em outubro uma força tarefa conjunta para proteger a fronteira dos países membros, a maioria sendo parte da Ásia Central. O presidente russo, Vladimir Putin, alertou sobre os perigos representados pela crise no Afeganistão e pelo retorno dos jihadistas que lutam pelo “Estado Islâmico” para a região.

Foto: Presidential Press and Information Office.

O aprofundamento das relações entre Coreia do Sul e Uzbequistão


Em artigo publicado na revista The Diplomat no início de setembro, o analista Samuel Ramani averigua a crescente relação entre a Coreia do Sul e o Uzbequistão. Aproximação se deu por interesses econômicos, principalmente no setor energético, e por afinidade cultural e normativa. Para Ramani, Seul poderia se tornar uma alternativa a Rússia ou China para os países da Ásia Central.

Foto: publika.uz

EUA, Rússia, China e seus pivôs asiáticos


Confira aqui artigo publicado no Núcleo de Estudos e Análises Internacionais – IPRI/Unesp pela Mestranda Bruna Bosi Moreira sobre os pivots asiáticos dos Estados Unidos, Rússia e China. Nos últimos anos, as três potências têm direcionado suas atenções para a Ásia, e em especial a Ásia Central. Isso leva ao entrecruzamento das políticas externas dos países, que criam padrões de cooperação e competição, fundamentais para entender as dinâmicas regionais e globais de poder.

Mapa: n.i.

Mapa: n.i.

 

O que aconteceu com a economia do Turcomenistão?


Em artigo publicado na revista The Diplomat na semana passada, Casey Michel analisa o que aconteceu com a economia do Turcomenistão. O país parecia ser um dos poucos da Ásia Central a resistir a crise econômica causada pelos baixos preços do petróleo e desvalorização das moedas locais. Porém, o “Tigre da Ásia Central” recentemente está se desfazendo do seu sistema de bem-estar social, mostrando que não estava imune aos problemas internacionais como se imaginava.

Foto: Flickr / deepphoto.

Cazaquistão entra na OMC


Após 20 anos de negociações, o Cazaquistão será o próximo membro da Organização Mundial do Comércio (OMC). A iniciativa faz parte dos planos do presidente Nursultan Nazarbaev de transformar o país em um grande ator global, mediador de conflitos internacionais, e de sediar o planejado banco de urânio pouco enriquecido. Nazarbaev também almeja que o Cazaquistão se torne uma das 30 maiores economias do mundo até 2050 e a entrada do país na OMC seria um passo para atingir esse objetivo.

Foto: Shuttershock.com

Foto: Shuttershock.com. 

Rússia decreta o fechamento de rota da OTAN


Em declaração feita no dia 15/05, o primeiro-ministro russo Dmitri Medvedev assinou um decreto que determina o fechamento da Rede de Distribuição do Norte (NDN, da sigla em inglês). A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) utilizou a NDN para fornecer suporte à guerra no Afeganistão desde 2008. Embora a resolução do Conselho de Segurana das Nações Unidas que permitia a passagem pela região tenha expirado no final do ano passado, o fechamento oficial da rota ainda tem peso geopolítico significativo nas relações entre a Rússia e a OTAN, especialmente no contexto de tensão acerca da situação na Ucrânia.

Mapa: BBC

Mapa: BBC.

Questão da Crimeia pode acentuar divisões no Cazaquistão


A anexação da Crimeia pela Rússia pode estar acentuando divisões internas no Cazaquistão, que possui considerável população de origem russa no norte do país. Já há quem demonstre preocupação com o país da Ásia Central tornar-se a próxima Ucrânia, ainda que não haja indícios de uma ameaça iminente neste sentido. Assim como no país do leste europeu, o alinhamento estratégico do governo do Cazaquistão é um elemento fundamental para que haja disputa geopolítica na região.

O presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev Foto: Alexei Filippov / AP

O presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev
Foto: Alexei Filippov / AP

Índia e Quirguistão realizam primeiro exercício militar conjunto


Forças especiais da Índia e do Quirguistão realizaram exercícios militares conjuntos nas proximidades de Bisqueque, capital quirguiz. É a primeira vez que forças indianas participam de exercícios do tipo na região. Cerca de 100 soldados quirguizes e 30 indianos participaram de operações que simulavam o combate a grupos armados em zonas montanhosas. O evento é simbólico da crescente presença da Índia na Ásia Central.

Mapa: Enciclopédia Britannica.

Mapa: Enciclopédia Britannica.

Os impactos da Nova Rota da Seda sobre Xinjiang


A importância geopolítica da Nova Rota da Seda na relação entre as grandes potências é clara, dada a emergente presença chinesa na Asia Central. A região do país que mais deverá integrar-se nas rotas de comércio e prosperidade da Ásia Central é Xinjiang. Pequim espera que o crescimento econômico promovido pela Nova Rota da Seda esfrie tensões na região, como a ameaça do terrorismo.

Foto: Pete Niesen / Shutterstock.com

Foto: Pete Niesen / Shutterstock.com

A Ásia Central e a parceria Rússia-Índia


Na tentativa de balancear os Estados Unidos no sistema internacional, a Rússia tem interesse em aprofundar a sua cooperação com Índia e China, formando um “triângulo estratégico” asiático. Nesse contexto, a Ásia Central se torna uma região fundamental, pois os três países têm aí interesses em conflito. Anthony Rinna argumenta que a situação na região favorece uma aproximação entre Rússia e Índia a despeito das relações com a China.

Foto: Kremlin

Foto: Kremlin

O “Plano Marshall” da China?


A China comprometeu-se a disponibilizar US$ 40 bi em um fundo para a Nova Rota da Seda, visando a resolver gargalos de infraestrutura na Ásia e promover o desenvolvimento de vários países da região, bem como propôs a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura com o mesmo intuito. Dingding Chen argumenta que essas iniciativas se assemelham com o Plano Marshall realizado pelos EUA no pós-Segunda Guerra Mundial na Europa, mas que vão, na verdade, muito além, pois têm escopo praticamente global e não exigem contrapartidas políticas.

Mapa: Xinhua.

As novas rotas da seda propostas pela China. Mapa: Xinhua.

(mais…)

Embaixador dos EUA no Quirguistão revive retórica da Guerra Fria


Comentários excessivamente honestos do embaixador dos Estados Unidos no Quirguistão revivem a retórica da Guerra Fria e sublinham a importância do Quirguistão na disputa geopolítica pela Ásia Central. O embaixador afirmou que as relações do país com a Rússia estariam “prejudicando sua democracia” e teceu críticas à mídia quirguistanesa pró-Rússia.

O parlamento do Quiguistão Foto: Shutterstock.com

O parlamento do Quiguistão
Foto: Shutterstock.com

(mais…)

China promete 40 bilhões de dólares para Nova Rota da Seda


A China prometeu gastar 40 bihões de dólares na criação da Nova Rota da Seda, ligando novamente o comércio por terra entre China, Ásia Central, Oriente Médio e Europa. Xi Jinping afirmou que o projeto deve resolver gargalos de infraestrutura asiática e promove os interesses de vários países da região.

Foto: Reuters / Stringer

Foto: Reuters / Stringer

(mais…)

Rússia deve ampliar sua presença militar nos países da antiga URSS


Chefe da aeronáutica russa revelou a abertura de uma nova base aérea na Bielorrússia, além de expansões de bases já existentes na Armênia e Quirguistão. Estes anúncios sinalizam um aumento da presença militar russa nos países da antiga URSS, que já fazem parte da Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

Foto: Vladimir Nikolsky / Reuters

Foto: Vladimir Nikolsky / Reuters

(mais…)

Rússia intensifica presença na Ásia Central


Com a retirada total de tropas da OTAN do Afeganistão até o fim desse ano, a Rússia passou a intesificar sua presença na região. Temendo aumento do narcotráfico e de ações terroristas, Moscou vem reforçando laços econômicos e securitários não apenas com Cabul, mas também com Quirguistão, Tadjiquistão e Cazaquistão.

Reunião OTCS. Foto: Kremlin.

Reunião OTCS. Foto: Kremlin.

(mais…)

O Grande Jogo no Cazaquistão


A Rússia vem tentando adquirir maior influência sobre a Ásia Central, especialmente no Cazaquistão. Contudo, mesmo após a criação da União Econômica Eurasiana, o presidente cazaque, Nursultan Nazarbayev, procura estabelecer laços mais profundos com a China para reduzir sua dependência de Moscou.

Nursultan Nazarbaev e Vladimir Putin. Foto: Genya Savilov / AFP / Getty Images.

Nursultan Nazarbayev e Vladimir Putin. Foto: Genya Savilov / AFP / Getty Images.

(mais…)