Ásia-Pacífico

Voto obrigatório e redução de desigualdades


Confira aqui a matéria de Aamna Mohdin que discute os problemas atuais das democracias ocidentais, principalmente a pouca participação em eleições de voto facultativo e o alto número de eleitores desinformados, e os méritos do voto obrigatório como ferramenta para combatê-los. Segundo pesquisas mostradas pela autora, o voto obrigatório aumenta o número de eleitores informados e, não só isso, reduz desigualdades de gênero e sociais.

Países com voto obrigatório. Mapa: CIA World Factbook via Quartz.

Anúncios

Força Aérea dos EUA declara F-35 “pronto para combate”


Nesta terça-feira (02/08), a Força Aérea dos Estados Unidos declarou que seu esquadrão de caças F-35A estão “prontos para combate”. Isso significa que a Força já pode enviar os caças multifuncionais de quinta geração para missões de batalha em qualquer lugar do mundo. Os primeiros F-35 operacionais, 12 aeronaves, pertencem ao 34º Esquadrão de Caças, localizado no estado de Utah nos EUA. Críticos apontam que a declaração da Força Aérea é mais uma medida de marketing do que verdadeiramente operacional, uma vez que ainda existem vários problemas.

Foto: Paul Holcomb / Força Aérea dos EUA.

EUA, Índia e Japão realizam exercício militar conjunto no Pacífico


Na última quinta-feira (09/06), teve início o exercício militar conjunto Malabar, realizado pelos Estados Unidos, Índia e Japão. O evento deve durar até dia 17 e ocorrer em águas japonesas e no Mar das Filipinas. O exercício conta com uma fase no mar e outra na costa. O primeiro tem como objetivo aumentar as capacidades de guerra antissubmarino,  defesa aérea e operações interdição marítima. A Marinha dos EUA enviou, dentre outros navios e submarinos, o superporta-aviões USS Nimitz. O Malabar teve início em 1992 como um exercício bilateral entre EUA e Índia, com o Japão se tornando participante permanente em 2015.

Foto: U.S. Navy

A ascensão da China e os seus impactos para o leste asiático


Confira aqui a dissertação do pesquisador do ISAPE, Athos Munhoz Moreira da Silva, sobre a ascensão da China e os seus impactos para o leste asiático. Com base em uma análise histórica da ascensão chinesa, o trabalho trata da alteração fundamental na polaridade e na polarização regionais, com implicações em âmbito global. Constata-se que, diante da rivalidade estratégica entre Estados Unidos e China, os demais atores regionais buscam manter sua autonomia e margem de manobra entre as duas potências. Consideram-se três possíveis perspectivas para o leste asiático: uma hegemonia chinesa sem ocorrência de guerra central; o acirramento das tensões entre Pequim e Washington, com possibilidade de guerra central; e a concertação e criação de mecanismos de governança entre os atores regionais, podendo ser anárquica — sem líderes aparentes — ou hierárquica — condomínio de potências —.

Imagem: East by Southeast.

Por que os Estados Unidos suspenderam o embargo de armas ao Vietnã?


Em artigo publicado pela RAND, Scott Warren Harold (25/05) analisa as razões que levaram os Estados Unidos a suspenderem o embargo de armas letais ao Vietnã. Para o autor, medida faz parte de uma estratégia regional de Washington. Dentre os principais motivos estão: o rebalanceamento regional, com o governo Obama procurando melhorar as relações com os países da Ásia-Pacífico; o esforço dos EUA de liberalizar o sistema político e econômico de Hanoi, facilitando a entrada no acordo TPP; a busca por melhorar as capacidades militares (especialmente navais e aéreas) dos países do Sudeste Asiático, a fim de aumentar a venda de armas e a capacidade destes de defesa e consciência de situação; e auxiliar o Vietnã a se armar contra a assertividade chinesa no Mar do Sul da China.

Foto: Carlos Barria / Reuters

EUA encerram embargo de armamentos ao Vietnã depois de 50 anos


Nesta segunda-feira (23/05), os Estados Unidos suspenderam o embargo à venda de armas para o Vietnã. Anúncio se deu durante visita do presidente dos EUA, Barack Obama, ao país. A restrição de vendas de armas vigorou por cerca de 50 anos. A suspensão do embargo, segundo oficiais estadunidenses, faz parte do caminho da normalização das relações com o Vietnã. Obama também deve promover o Acordo de Parceria Transpacífico na região (TPP, em inglês).

Foto: C. Barria / Reuters

A polaridade sob a perspectiva dos conceitos operacionais: o caso do A2/AD e da Air-Sea Battle


Confira aqui a monografia do pesquisador do ISAPE, Guilherme Henrique Simionato dos Santos, sobre a relação entre os conceitos operacionais de Antiacesso e Negação de Área (A2/AD) e de Air-Sea Battle (ASB ou Batalha Aeronaval) e a polaridade no Sistema Internacional. Um dos fatores-chave para esta é a inexpugnabilidade, i.e. a capacidade de um país manter a sua soberania frente a qualquer agressão externa. O trabalho mostra que a inexpugnabilidade da China se dá através de seu processo de modernização militar focado no A2/AD, mas que, em contrapartida, os Estados Unidos desenvolveram a ASB, cujo objetivo é garantir o acesso estadunidense à região do Leste e Sudeste Asiático a despeito do A2/AD chinês. Dessa forma, a ASB seria uma estratégia não declarada de primazia, pois prega a destruição da rede de informações e de mísseis da China, negando a Pequim uma capacidade de retaliação.

Foto: Marinha dos EUA.

Austrália e Singapura intensificam cooperação bilateral em defesa


Na última sexta-feira (06/05), Austrália e Singapura anunciaram uma série de medidas para intensificar sua cooperação bilateral em defesa. Singapura deve investir 2,25 bilhões de dólares na ampliação de instalações militares no nordeste australiano, que são atualmente usadas para treinamento das Forças Armadas singapurenses, e, em troca, a Austrália permitirá o aumento do número de tropas de Singapura em treino de 6 mil para 14 mil. Fora isso, também estão previstos exercícios militares conjuntos, maior compartilhamento de inteligência, intercâmbio de pessoal militar e civil e um canal de discussão sobre temas securitários e regionais. Isso tudo faz parte das iniciativas da parceria estratégica abrangente firmada entre os dois países em 2015.

Foto: Marinha dos EUA via The Diplomat.

EUA deve remover embargo de armas para o Vietnã


Conforme matéria da revista Foreign Policy, os Estados Unidos devem remover o embargo de armas em voga contra o Vietnã desde a guerra entre os dois países, finda em 1975. Ainda que o embargo tenha se flexibilizado há dois anos para permitir a venda de armamentos relacionados à “segurança marítima”, o seu fim oficial permitiria que Hanói comprasse artigos estadunidenses de alta tecnologia tais como radares e aeronaves de monitoramento. Medida serviria para reaproximar ambos em um contexto de crescente disputa entre EUA e China no pacífico ocidental. Entretanto, ainda há forte oposição interna nos EUA, que reclamam da situação dos direitos humanos no Vietnã principalmente.

Foto: KHAM / AFP / Getty Images via Foreign Policy. 

Ilhas Salomão perderam cinco ilhas por mudanças climáticas


Segundo estudo da Austrália, o arquipélago do país insular Ilhas Salomão já perdeu cinco de suas ilhas devido ao aumento do nível do mar causado pelas mudanças climáticas. Outras seis ilhas estariam sofrendo de forte erosão. Essas 11 ilhas não eram habitadas, embora possuíssem vegetação e recifes de tamanho significativo. A pesquisa foi baseada em estudo de imagens aéreas e de satélite feitas entre 1947 e 2014 e em entrevistas com moradores locais salomônicos.

Foto: picture-alliance / robertharding / M. Runkel via DW.

Japão testa com sucesso caça de quinta geração


Na última sexta-feira (22/04), o protótipo de caça de quinta geração do Japão, o X-2 “Shinshin”, realizou seu primeiro voo com sucesso. Avião contará com capacidade stealth. Assim, o Japão é o quarto país (depois dos EUA, Rússia e China) a testar um caça stealth desenvolvido nacionalmente. O projeto X-2 custou até agora US$332 milhões, existe há 10 anos e é realizado por um consórcio de 220 empresas, com a Mitsubishi sendo a líder.

Foto: Japan Air Self-Defense Force

Coreia do Norte testa com sucesso míssil balístico lançado de um submarino


A Coreia do Norte realizou neste domingo (24/04) um teste com o míssil balístico KN-11, lançado de um submarino da classe Sinpo. Segundo militares da Coreia do Sul, o míssil voou 30 quilômetros e caiu no Mar do Japão. O teste representou um avanço em relação aos anteriores, pois além do sucesso do lançamento, o míssil utilizou combustível sólido. O Conselho de Segurança da ONU repudiou o teste e afirmou que ele viola diversas resoluções.

Foto: KCNA

Partido do governo da Coreia do Sul perde a maioria do Parlamento


Em eleições legislativas realizadas na Coreia do Sul nesta quarta-feira (14/04), o partido da presidente Park Geun-hye, o Saenuri, perdeu a maioria do Parlamento. Ele conseguiu 122 dos 300 assentos, muito menos do que era previsto. O partido de oposição Minjoo teve 123 parlamentares eleitos, enquanto o Partido do Povo obteve 38. É a primeira vez em 16 anos que a oposição controla a maioria do Parlamento.

Foto: Ed Jones / AFP / Getty Images

Japão adquire 30 veículos de assalto anfíbio


A Força Terrestre de Autodefesa do Japão (JGSDF, em inglês) receberá 30 novos veículos de assalto anfíbio AAV7A1 RAM/RS. Estes serão produzidos pela BAE Systems nos Estados Unidos. A empresa também fornecerá apoio técnico e treinamento para a JGSDF. Tóquio pretende montar uma brigada anfíbia de resposta rápida para defender suas diversas ilhas até 2017.

Imagem: BAE Systems

Coreia do Norte dispara míssil de curto alcance, segundo Seul


A Coreia do Norte realizou um teste com um míssil de curto alcance nesta terça-feira (29/03), afirmaram militares da Coreia do Sul. Projétil teria sido disparado da cidade costeira de Wonsan e percorrido 200 quilômetros. O míssil teria caído em território norte-coreano, já que o objetivo era testar sua precisão.

Foto: Yonhap

 

Japão inaugura radar no Mar do Leste da China


Nesta terça-feira (29/03), a Força Terrestre de Autodefesa do Japão começou a operar uma nova estação de radar na ilha de Yonaguni, no Mar do Leste da China. A estrutura militar fica 100 quilômetros ao leste de Taiwan e 150 quilômetros ao sul das ilhas Senkaku/Diaoyu, disputadas com a China. O novo radar permitirá o monitoramento de atividades no Mar do Leste e a interceptação de comunicações de alta frequência.

Foto: Kyodo

Rússia enviará sistema de mísseis para as Ilhas Curilas e planeja nova base naval


A Rússia enviará sistemas de mísseis de defesa costeira para as Ilhas Curilas. Anúncio foi realizado pelo ministro da Defesa do país, Sergei Shoigu, na última sexta-feira (25/03). Além dos mísseis e de drones, Moscou também planeja expandir a infraestrutura militar no arquipélago, inclusive com a construção de uma base naval. O Japão, que reivindica a soberania sobre algumas ilhas, protestou contra a possibilidade de uma base naval russa no arquipélago. 

Foto: Vyacheslav Oseledko / AFP / Getty Images

Em referendo, Nova Zelândia rejeita trocar bandeira


De acordo com resultados preliminares anunciados nesta quinta-feira (24/03), a maioria dos eleitores da Nova Zelândia preferiu a manutenção da atual bandeira a trocá-la.  A comissão eleitoral do país divulgou que aproximadaemnte 57% dos eleitores votaram contra a mudança, que removeria a Union Jack (símbolo do Reino Unido) da bandeira. Decisão é  tida como uma derrota para o primeiro-ministro John Key, que chamou o estandarte atual de relíquia colonial.

Atual bandeira neo-zelandesa. Foto: M. Melville / AFP / Getty Images.

Coreia do Norte realiza testes com míssil balístico


Nesta sexta-feira (18/03), a Coreia do Norte realizou testes com mísseis balísticos de médio alcance. Informações são de autoridades militares sul-coreanas. O primeiro míssil, provavelmente da classe Rodong, voou 800 quilômetros e caiu no mar. Já o segundo se desintegrou em pleno voo. O Japão protestou contra o ato e reforçou a segurança na região do teste.

Foto: KCNA/ Reuters

Força Aérea de Autodefesa do Japão revela novo cargueiro


Nesta terça-feira (15/03), a Força Aérea de Autodefesa do Japão (ASDF, em inglês) revelou seu novo avião cargueiro, o C-2. A aeronave ainda se encontra em desenvolvimento e deve substituir o C-1 -que possui uma capacidade de carga 4 vezes menor que o novo modelo-. O projeto teve início em 2001 e contabilizou cinco anos de atraso e custos muito além do planejado. A ASDF planeja incluir a compra de 3 C-2 ainda no Ano Fiscal de 2016.

Foto: Kyodo

A nova lei antiterrorismo da Coreia do Sul ameaça a democracia


Em artigo publicado na revista The Diplomat (09/03), Geoffrey Fattig questiona as políticas antidemocráticas da presidente sul-coreana Park Geun-hye. Além da perseguição de partidos de oposição e jornalistas com base em leis de segurança nacional, o governo de Park aprovou recentemente uma lei antiterrorista, que ameaça ainda mais as liberdades democráticas do país. As agências de inteligência da Coreia do Sul, que já possuem grande controle sobre as informações da Internet,  aumentaram seus poderes de interferência e fiscalização sobre outros meios de comunicação. A oposição teme que medida possa ser usada para intimidação política. A lei foi aprovada no início de março com a justificativa de combater a espionagem da Coreia do Norte e impedir atentados terroristas.

Foto: Cheong

Japão e Filipinas aprofundam cooperação em Defesa


O Japão e as Filipinas assinaram um acordo nesta segunda-feira (29/02) e aprofundaram a cooperação em Defesa. O tratado estabelece parâmetros para a aquisição (compra ou doação) de equipamentos militares, transferência de tecnologia, exercícios militares conjuntos e desenvolvimento tecnológico conjunto. É a primeira vez que Tóquio assina um acordo do gênero com um país do Sudeste Asiático.

Foto: U.S. Marine Corps

China opõe-se à instalação de sistema antimísseis dos EUA na Coreia do Sul


Nesta terça-feira (16/02), a China expressou ser contrária ao envio de um sistema antimísseis (THAAD, em inglês) dos Estados Unidos para a Coreia do Sul. Estes iniciaram conversas para o envio após testes nucleares e de mísseis balísticos realizadas pela Coreia do Norte. Assunto foi o principal tema do diálogo estratégico entre autoridades chinesas e sul-coreanas, realizada em Seul.

thediplomat_2015-04-02_13-32-23-386x216

Foto: US Missile Defense Agency.

Malásia fecha mais compra de armas em 20 anos com os EUA


No início de fevereiro, a Malásia anunciou a maior compra de armas dos Estados Unidos em mais de 20 anos. Seis helicópteros de ataque leve MD 530G devem ser entregues, junto com um pacote customizado de armas, entre o final deste ano e 2017.

thediplomat_2016-02-02_11-37-57-386x257

Foto: MD Helicopters.

Presidente de Taiwan visita ilha disputada no Mar do Sul da China


Nesta quinta-feira (28/01), o presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, visitou uma ilha disputada no Mar do Sul da China. Segundo Taipei, a visita a Taiping — também conhecida como Itu Aba — serviu para reafirmar sua soberania sobre o território. A ilha já possui um hospital, uma pista de pouso e um porto recentemente modernizado. Os Estados Unidos e o Vietnã criticaram a atitude, Washington ainda avisou que não se envolveria em disputas territoriais de Taiwan na região.

2625

Foto: David Chang / EPA.

China e EUA concordam em impor novas sanções à Coreia do Norte


A China e os Estados Unidos concordaram, nesta quarta-feira (27/01), em apoiar novas sanções contra a Coreia do Norte por seu recente teste nuclear no âmbito do Conselho de Segurança da ONU. Porém, o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, alertou para que medidas não aumentem a tensão na região. Wang ainda afirmou que a China já faz todo o possível para desnuclearizar a península coreana.

Foto: n.i.

Na Austrália, movimento republicano ganha força


Governantes de sete dos oito estados e territórios da Austrália assinaram nesta segunda-feira (25/01) uma declaração de apoio ao Movimento da República Australiana e defenderam que o país se torne uma república até 2020. Segundo pesquisas recentes, a maioria dos cidadãos defendem a ideia. A Austrália é uma monarquia constitucional e tem como soberana a rainha britânica, Elizabeth II, que possui o poder de dissolver o Parlamento.

019002480_30300

Foto: Getty Images / AFP / M. West.

China adverte Taiwan contra separatismo


Em comunicado divulgado neste domingo (17/01), o governo chinês advertiu ser “resolutamente contra qualquer forma de atividade separatista visando à independência de Taiwan”. Pequim anunciou que manterá os princípios de integridade territorial e de soberania, além de continuar seguindo o Consenso de 1992 — que estabelece a política de uma só China. Publicação ocorreu dia depois da líder oposicionista Tsai Ing-wen vencer as eleições presidenciais.

018516232_30300

Foto: Getty Images / AFP / P. Lin.

Suprema Corte das Filipinas considera constitucional acordo que aumenta presença militar dos EUA no país


A Suprema Corte das Filipinas considerou, na terça-feira (12/01), constitucional o novo tratado securitário com os Estados Unidos que permite maior presença militar deste no país. Uma manifestação contrária à presença militar dos EUA no país ocorreu durante a sessão da Corte. Acordo assinado em 2014 permite forças estadunidenses estabelecer construções com suprimentos para operações na região e aumenta seu acesso a bases filipinas.

f-usphil-a-20160113-870x586

Foto: Reuters.

O pivô asiático da Rússia


O pivô da Rússia para a Ásia é analisado em artigo publicado na revista The Diplomat (05/01) por Richard Weitz. Este considera que as relações russas com a região ainda são muito dependentes das áreas energética e securitária (e.g. venda de armamentos), apesar das tentativas de Moscou de aumentar sua influência política e econômica. Entre os principais problemas desse pivô estariam a falta de uma estratégia geral para a região Ásia-Pacífico, falta de liderança multilateral, a preferência pela Europa e falta de uma orientação exportadora da economia russa.

thediplomat_2016-01-05_13-22-20-386x238

Foto: Pr.