Barack Obama

Com empate, Suprema Corte dos EUA anula reforma em políticas de imigração de Obama


Na última quarta-feira (23/06), a Suprema Corte dos Estados Unidos bloqueou um projeto federal de reforma nas políticas de imigração proposto por Barack Obama em 2014, ao permanecer empatada (4 votos contra e 4 a favor). Empate ocorreu, porque o Senado, controlado pelos republicanos, recusa-se a votar a nomeação de um novo juiz feita por Obama. Tendo isso em vista, as decisões das esferas inferiores ficam valendo e a minirreforma imigratória é bloqueada. O programa de Obama, instituído através de uma Ordem Executiva, seria composto de duas fases elaboradas para aliviar as políticas de deportação de imigrantes ilegais no país. A decisão traz novamente à tona o debate quanto às políticas de imigração estadunidenses, constantemente tratadas nas campanhas presidenciais de Hillary Clinton e Donald Trump.

Sede da Suprema Corte dos EUA. Foto: n.i.

Anúncios

Líder do Talibã é morto em ataque aéreo dos EUA no Paquistão


Nesta segunda-feira (23/05), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, confirmou a morte do líder do Talibã. Akhtar Mansour foi morto em um ataque aéreo realizado no sábado (21/05) por um drone dos EUA na fronteira com o Paquistão. Obama pediu que o Talibã se una às conversas de paz. A morte de Mansour deve desencadear uma nova disputa pela liderança do grupo. O Paquistão afirmou que o ataque dos EUA violou sua soberania, já que foi realizado em seu território e sem aviso prévio.

Foto: AFP

 

Obama visita Cuba e discute democracia, direitos humanos e o fim do embargo


Neste domingo (20/03), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou em Cuba para uma visita de três dias. É a primeira visita de um presidente norte-americano ao país em 88 anos. Em uma reunião e em uma entrevista coletiva, Obama e Raúl Castro, líder cubano, abordaram a reaproximação diplomática e temas como democracia e direitos humanos. Segundo o presidente dos EUA, o respeito aos direitos humanos são importantes, mas afirmou que cabe ao povo cubano definir seu futuro. Obama ainda declarou que o embargo vai acabar, mas não tem certeza de quando isto ocorrerá.

Foto: Ramon Espinosa / AP

Obama nomeia juiz moderado para a Suprema Corte


Nesta quarta-feira (16/03), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou Merrick Garlandcomo juiz da Suprema Corte. Considerado um juiz moderado, Garland vai substituir o conservador Antonin Scalia, que morreu em fevereiro. O Senado ainda precisa aprovar a nomeação para o cargo vitalício, porém os republicanos já declararam que não aceitarão a indicação de Obama.

Foto: K. Lamarque / Reuters

Em último discurso ao Congresso, Obama defende diplomacia multilateral


Em seu último discurso ao Congresso sobre o estado da União na semana passada, o presidente dos EUA, Barack Obama, deu um balanço geral de seus sete anos de governo e perspectivas para o futuro. Obama defendeu a regulação de grandes empresas, a tolerância religiosa e ideológica, reformas eleitorais e a continuidade de programas de saúde. Em termos de política externa, defendeu a liderança estadunidense e citou os sucessos da diplomacia multilateral no acordo nuclear com o Irã, no acordo climático de Paris e a retomada de relações com Cuba. Ainda defendeu os ataques aéreos contra o grupo “Estado Islâmico” e rejeitou a ideia intervenção com tropas terrestres. O presidente também frisou que os aliados dos EUA devem assumir um papel maior em sua própria defesa para que Washington não se torne “policial do mundo”.

President Obama Delivers His Last State Of The Union Address To Joint Session Of Congress

Foto: Evan Vucci – Pool / Getty Images.

Obama reforça cooperação com Brasil na COP 21


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou nesta segunda-feira (07/12) para a presidente do Brasil, Dilma Rousseff para tratar da coordenação dos dois países na 21ª Conferência do Clima (COP 21), realizada em Paris.  Os dois líderes conversaram sobre temas relativos à diferenciação de metas para países desenvolvidos e em desenvolvimento, além de outras questões. Ambos reforçaram a cooperação e coordenação bilateral sobre o tema na COP 21.

30112015-stuk8936-editar

Foto: Roberto Stuckert Filho / PR.

Obama faz pronunciamento sobre combate ao terrorismo e controle de armas


Em pronunciamento neste domingo (06/12), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu aos estadunidenses para não terem medo do terrorismo, prometendo seguir o combate ao “Estado Islâmico” — sem o envio de tropas terrestres — e pedindo ajuda aos muçulmanos do país na luta contra “ideologias extremistas”. Obama também pediu ao Congresso uma legislação mais rígida sobre o controle de armas.

018898485_30300

Foto: picture-alliance / dpa.

EUA estende presença militar no Afeganistão até 2017


O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou na quinta-feira (15/10) o prolongamento da presença militar do país no Afeganistão até 2017. Plano, em resposta à crescente presença do Talibã e do “Estado Islâmico” no país, ainda prevê a redução do número de pessoal de 9.800 para 5.500, que manterão funções de treinamento de forças locais e de operações de combate ao terrorismo. Medida é considerada uma reversão do discurso de Obama, que foi eleito prometendo encerrar a participação estadunidense no conflito.

Foto: Tech. Sgt. Joseph Swafford/Air Force

EUA deve ter primeiro homossexual assumido no comando do exército


Pela primeira vez, os Estados Unidos deverão ter um homossexual assumido comandando o seu Exército. Na sexta-feira (18/09), o Presidente Barack Obama nomeou Eric Fanning para o posto de secretário do Exército dos EUA. Nome ainda precisa ser aprovado pelo Senado. Se aprovado, ele será o primeiro gay que assumiu abertamente sua sexualidade a chefiar uma das Forças Armadas do país.

Foto: picture-aliance / D. Wood / U.S Air Force via AP.

Senado dos EUA ratifica acordo nuclear com Irã


Nesta quinta-feira (10/09), o Senado dos EUA ratificou o acordo sobre o programa nuclear iraniano ao vetar uma moção de repúdio ao tratado, proposta pelo Partido Republicano. Apesar de 58 votos contra e 42 a favor, eram necessários 60 para levar a medida ao plenário. A ratificação foi uma importante vitória para o presidente Barack Obama em direção à aprovação do acordo no Congresso.

Foto: dpa.

Obama consegue votos necessários no Senado para preservar acordo com Irã


Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, obteve uma importante vitória nesta quarta-feira (02/09) ao conseguir os votos necessários no Senado para preservar o acordo nuclear com o Irã, o qual vem sendo duramente criticados por representantes da oposição e de seu próprio partido. Oponentes do acordo pretendiam votar pelo seu fim já na semana que vem, mas, com o apoio recente da senadora Barbara Mikulski, Obama já tem os 34 votos necessários para bloquear tais iniciativas.

Foto: High Times.

As engrenagens da política externa de Obama


Ao assumir o cargo de Conselheira de Segurança Nacional há dois anos, Susan E. Rice deparou-se com uma equipe com em torno de 400 pessoas, número 4 vezes maior à sua equipe na primeira vez em que assumiu a função durante o governo de Bill Clinton. O aumento, que reflete em números o controle crescente da Casa Branca nos mínimos detalhes, aumentou o custo da tomada de decisão e o tempo necessário para as negociações do Conselho.

Foto: Pablo Martinez Monsivais, AP Press.

Foto: Pablo Martinez Monsivais, AP Press.

Irã e EUA negociam abertura de câmaras de comércio


Os governos do Irã e dos Estados Unidos iniciaram negociações para a abertura de câmaras de comércio dos dois países, de acordo com reportagem de uma agência de notícias iraniana nesta terça-feira (04/08). Os Estados Unidos já tomaram as medidas necessárias para a existência do mecanismo, enquanto Teerã também já oficializou a parceria em visita a Washington do presidente da Câmara de Comércio Iraniana, Mohsen Jalalpour. Espera-se que a câmara já esteja em pleno funcionamento dentro de dois meses.

Imagem: Penn Live.

Imagem: Penn Live.

EUA defenderá rebeldes sírios de ataques do governo de Assad


Neste domingo (02/08), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, autorizou a utilização da força aérea estadunidense na defesa dos rebeldes sírios, que têm sofrido ataques das forças do governo de Bashar al-Assad e de outros grupos aliados ao regime. A medida aumenta significativamente o risco de um conflito direto das forças armadas dos EUA com a Síria.

Foto: AFP, STR.

Foto: AFP / STR.

Obama investe na construção do supercomputador mais rápido do mundo até 2025


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, investirá na construção do primeiro supercomputador hexaflop, que deve superar em 20 vezes a velocidade do atual computador mais rápido do mundo, que se encontra na China, sendo capaz de realizar um quintilhão (1018)de operações por segundo. A máquina deve ser finalizada até 2025 em um projeto denominado pelo presidente de Estratégia Nacional de Iniciativa Computacional (NSCI, da sigla em inglês) e trabalhará em pesquisas científicas e projetos de segurança nacional. Objetivo é manter os Estados Unidos na liderança do campo de computação de alto desempenho.

Foto: Carol Gauthier / Shutterstock.

Obama lançará ambicioso programa para combater mudanças climáticas


Na próxima segunda-feira (03/08), Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, vai lançar um grande e ambicioso programa para combater mudanças climáticas — o maior já estabelecido no país até então. Novas regulamentações ambientais serão implementadas com o intuito de diminuir a emissão de gases de efeito estufa por usinas elétricas e, por fim, alterar drasticamente a matriz de energia elétrica nos Estados Unidos. Medida poderá fazer com que usinas termelétricas a carvão sejam fechadas e a construção de novas seja impedida ao passo que fontes renováveis deverão sofrer um boom. Obama já espera que alguns estados e o Partido Republicano questionem o programa na justiça.

Usina termelétrica em Kentucky, EUA. Foto: Luke Sharrett / The New York Times.

Obama discursa para a União Africana


Como o primeiro presidente estadunidense a visitar a sede da União Africana (UA) em Adis-Abeba, na Etiópia, Barack Obama discursou sobre a importância do estabelecimento de instituições democráticas nos processos de transição de poder nos países da África, fazendo referências específicas às eleições no Burundi, cujo teor já fora duramente criticado pelo governo do país. A importância do combate à corrupção e da promoção de transparência nas emergentes gestões democráticas no continente também foram temas abordados no seu discurso, além de condenar a repressão feminina, crítica feita já feita por Obama em Nairóbi.

Foto: AFP.

Foto: AFP.

Em visita à Etiópia, Obama foca combate ao terrorismo


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, encontrou-se nesta segunda-feira (27/07) com o primeiro-ministro da Etiópia, Hailemariam Desalegn, para discutir o combate ao terrorismo em reação às ameaças do Al Shabaab, grupo radical islâmico. A Etiópia, assim como a Somália e o Quênia, integra uma missão da União Africana apoiada pelo governo estadunidense para derrotar os extremistas islâmicos na região do chifre da África.

Foto: S. Loeb, Getty Images, AFP.

Foto: S. Loeb / Getty Images / AFP.

Buhari encontra-se com Obama e diz que nomeará ministros somente em setembro


Em visita de quatro dias a Washington na semana passada, o presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, declarou que deve indicar seu gabinete somente em setembro. De acordo com Buhari, o período é fundamental para a “eliminação da corrupção” no país. Sua campanha eleitoral teve como principais pautas o combate à corrupção e ao Boko Haram, organização terorista responsável pela morte de milhares de nigerianos nos últimos seis anos.

Foto: Reuters, Afolabi Sotunde.

Muhammadu Buhari. Foto: Reuters / Afolabi Sotunde.

Nos EUA, republicanos prometem bloquear acordo com Irã


Antes mesmo da revisão oficial do congresso, líderes do partido Republicano dos Estados Unidos votaram nesta terça-feira (14/07) o impedimento do acordo nuclear fechado por Barack Obama com o Irã, numa tentativa de invalidar a autoridade diplomática recentemente concedida ao presidente. O congresso terá 60 dias para a revisão, uma vez que todos os documentos já foram enviados para o Capitólio. Em caso de desaprovação, a medida seria invalidada caso 2/3 das cadeiras do congresso estadunidense se manifeste contra a decisão presidencial.

Foto: Pablo Martinez Monsivais, AP Press.

Foto: Pablo Martinez Monsivais / AP Press.

Acordo sobre programa nuclear iraniano é firmado


O Irã e o P5+1 (Estados Unidos, China, Rússia, Alemanha, França e Reino Unido) firmaram nesta terça-feira um acordo histórico sobre o programa nuclear iraniano e as sanções internacionais impostas a Teerã. O texto do acordo prevê uma severa limitação das capacidades nucleares do Irã em troca do levantamento de sanções financeiras e de petróleo. A assinatura do acordo acontece após 20 meses de negociações e é um marco histórico para as relações entre Estados Unidos e Irã. O presidente estadunidense, Barack Obama, afirmou que as medidas “não são baseadas em confiança, mas sim em verificação”. De fato, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) deverá inspecionar todas as instalações iranianas envolvidas em atividades nucleares. Já o presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que todos os objetivos de seu país foram alcançados nas negociações. O texto completo do acordo pode ser lido aqui.

Foto: Reuters.

Brasil e EUA assinam declaração conjunta sobre assuntos climáticos


Nesta terça-feira (30/06), em visita da Presidente Dilma Rousseff a Washington, foi anunciada a “Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima”. O Brasil comprometeu-se com o reflorestamento de 12 milhões de hectares até 2030, além da transição de 28% de toda sua matriz energética total (elétrica e combustíveis) para fontes renováveis. Ambos os países acordaram que 20% da energia elétrica gerada ainda neste ano também deverá ter origem em fontes renováveis, sem contar a gerada por hidrelétricas.

Foto: Getty Images, C. Somodevilla

Foto: Getty Images / C. Somodevilla.

Suprema Corte dos EUA legaliza casamento gay no país


Nesta sexta-feira (26/06), a Suprema Corte dos Estados Unidos determinou que o casamento homossexual é um direito em todos os estados do país. Dessa forma, a mais alta corte estadunidense exigiu que todos os estados reconheçam e formalizem o casamento entre pessoas do mesmo sexo com base na Constituição. A decisão foi bastante apertada, com cinco votos a favor e quatro contra. O presidente Barack Obama afirmou que a decisão é uma vitória para o país. Já a maioria dos candidatos republicanos à presidência em 2016 posicionaram-se contra a determinação da Suprema Corte e pretendem emendar a Constituição para revertê-la.

Foto: AP / The New York Times.

Senado dos EUA aprova autoridade especial a Barack Obama para firmar tratados


O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira (25/06) a concessão da autoridade especial fast-track ao presidente Barack Obama para se firmarem tratados comerciais sem que haja a necessidade de ratificação pelo Congresso estadunidense. O principal objetivo da medida é dinamizar as negociações para a Parceria Trans-Pacífico (TPP, sigla em inglês), a Parceria Transatlântica de Investimento e Comércio (TTIP) e o Acordo sobre Comércio e Serviços (TISA).

Fonte: L. Downing / Reuters.

Obama admite que EUA não tem estratégia para combater EI


Nesta segunda-feira (08/06), em encontro da cúpula do G7 na Alemanha que incluía o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi, o presidente estadunidense Barack Obama disse que seu país “ainda não tem uma estratégia completa” para a guerra contra o “Estado Islâmico” (EI). Declaração foi duramente criticada pelos candidatos do Partido Republicano à presidência dos EUA, os quais, em sua maioria, desejam ações militares mais incisivas contra o grupo terrorista.

Foto: Mohammed Sawaf, Getty Images, AFP.

Foto: Mohammed Sawaf, Getty Images, AFP.

Nos EUA, congresso aprova reforma do programa de monitoramento em massa


O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta semana uma reforma significativa do programa de monitoramento em massa da Agência de Segurança Nacional (NSA, sigla em inglês). A medida foi rapidamente assinada pelo presidente Barack Obama, seu defensor. Ela proíbe a coleta indiscriminada de dados dos cidadãos do país pela NSA; porém, as empresas de comunicação deverão manter bases de dados próprias que poderão ser consultadas pelas agências de inteligência do país mediante um mandato judicial especial.

Foto: Mark Wilson / Getty Images.

Republicanos tentam bloquear abertura de embaixada dos EUA em Cuba


Nos Estados Unidos, deputados republicanos apresentaram projeto de lei que proíbe o uso de fundos para abertura de uma embaixada ou qualquer tipo de representação dos Estados Unidos em Cuba. O projeto cria um dispositivo para impedir o uso de verbas com este fim que possam estar discriminados na lei orçamentária do Departamento de Estado para 2016. A proposta é considerada pelos democratas e pela Casa Branca uma manobra para tentar impedir que a retomada das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba seja consolidada. Os dois países têm mantido reuniões e dialogado para a reabertura das embaixadas, após quase 50 anos de rompimento.

Foto: Wikimedia Commons.

Confirmado: EUA retira Cuba da lista do terrorismo


O Departamento de Estado dos Estados Unidos confirmou oficialmente a retirada de Cuba da lista de países que financiam o terrorismo, na qual Havana figurava desde 1982. Confirmação se deu após o término do prazo, esta sexta-feira (29/05), para o Congresso estadunidense desafiar a decisão do presidente Barack Obama de retirar Cuba da lista. Como nenhum parlamentar faz objeção à proposta, como já se previa, ela passa a valer automaticamente. Medida abre as portas para o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países.

Foto: Joe Raedle / Getty Images.

Shinzo Abe defende TPP e estratégia dos EUA no Pacífico


Em artigo publicado no site de opinião Project Syndicate, o Primeiro Ministro japonês, Shinzo Abe, atualmente em visita aos Estados Unidos, defendeu o estreitamento das relações bilaterais dos países. Abe defendeu o que chama de valores liberais estadunidenses e o aprofundamento da Parceria Trans-Pacífico, afirmando que o setor agrário japonês precisa passar por reformas. O líder japonês defendeu um aprofundamento da cooperação militar com os EUA, afirmando que defende a estratégia estadunidense de rebalanceamento no Pacífico. Para tanto, Abe afirmou estar se aproximando da Austrália, Índia, dos países da Asean e da Coreia do Sul.

Foto: Shizuo Kambayashi / AP

Foto: Shizuo Kambayashi / AP

EUA e Japão firmam novo acordo militar


Nesta segunda-feira (27/04), os Estados Unidos e o Japão anunciaram que um novo acordo militar bilateral fora firmado. Este atualiza as relações militares de tal maneira que Tóquio possua um papel maior na segurança global e fortalce os laços entre ambos em questões de cibersegurança, segurança espacial e industrial. O Japão poderá defender países aliados em caso de hostilidades, i.e. os sistemas de defesa antimíssil poderão ser usados para interceptar lançamentos destinados a territórios dos EUA. Além disso, espera-se que o Japão passe a participar mais ativamente de operações de paz e intervenções humanitárias, bem como em ações de inteligência e monitoramento.

Barack Obama e Shinzo Abe. Foto: Toru Yamanaka / AFP / Getty Images.