bloco econômico

Nova tentativa do Mercosul e UE para destravar acordo de livre comércio


O futuro do tratado de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE) se decidirá entre os dias 26 e 27 de junho, em Bruxelas, quando os funcionários e técnicos do Gabinete argentino, seus parceiros do Mercosul e da UE, discutirão as ofertas de ambos os blocos econômicos.

Divulgação / Câmara de Comércio Mercosul

Imagem: Divulgação / Câmara de Comércio do Mercosul

(mais…)

Anúncios

A União Europeia e o fim do Mercosul


Samuel Pinheiro Guimarães argumenta que um eventual acordo União Européia/Mercosul seria o início do fim do Mercosul e o fim da possibilidade de desenvolvimento autônomo e soberano brasileiro e do objetivo estratégico brasileiro de construir um bloco econômico e político na América do Sul, próspero, democrático e soberano.

Foto: Carta Maior.

Foto: Carta Maior.

(mais…)

Dilma defende ampliação do Mercosul


Foto: n.i.

Presidenta Dilma defende ampliação do Mercosul

Blog do Planalto – 20/12/2011

A presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (20) a ampliação do Mercosul e a adoção de medidas conjuntas entre os países do bloco para enfrentar os efeitos da crise econômica internacional. No discurso feito na 42a Cúpula do Mercosul, a presidenta declarou apoio ao ingresso da Venezuela no bloco, que já reúne, além do Brasil, o Paraguai, a Argentina e o Uruguai.

“Precisamos de mais Mercosul e mais parceiros no Mercosul. Somemos a força das nossas economias. Esse processo de ampliação só nos fortalece. Esse processo é inadiável e não deve ser obstacularizado por interesses menores. Devemos fazer o maior esforço para trazer a Venezuela para dentro do Mercosul”, disse a presidenta.

Segundo ela, a “lentidão e a debilidade das respostas políticas” podem agravar a crise internacional, levando à recessão global e à contração do crédito. Além disso, afirmou a presidenta, a redução da demanda da indústria de manufaturados pelos países desenvolvidos e asiáticos aliada à guerra cambial provoca uma “avalanche de importações” que compromete o crescimento e o emprego nos países da América do Sul.

Diante desse cenário, a presidenta Dilma defendeu a ampliação da lista de produtos incluídos na TEC (Tarifa Externa Comum), que permitirá, segundo ela, uma “gestão flexível, integrada e estratégica do comércio regional”.

Na 42a Cúpula do Mercosul, Dilma Rousseff também defendeu o fortalecimento da integração regional por meio do desenvolvimento de cadeias produtivas distribuídas entre os países do Mercosul, da adoção de mecanismos comuns de proteção e de ações simultâneas e articuladas antidumping, e do estreitamento dos laços de cooperação entre as economias da região.

TEC – Mais cedo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a cobrança de uma tarifa de importação de 35% poderia conter a “invasão” de produtos estrangeiros nos países da região, o que limitaria o impacto da crise econômica internacional. Segundo ele, os países da América Latina contam com situação fiscal sólida, reservas proporcionais ao PIB e mercado interno. Contudo, esta demanda interna está sendo “ocupada” por produtos importados.

“Devemos fazer uma união maior entre os países para defender o mercado latino-americano dessas invasões de produtos que vêm de fora”, disse o ministro.

Fonte: http://blog.planalto.gov.br/presidenta-dilma-defende-ampliacao-do-mercosul/

Contra crise, presidenta Dilma defende o fortalecimento do Mercosul


Foto por: Roberto Stuckert Filho/PR

Contra crise, presidenta Dilma defende o fortalecimento do Mercosul

Blog do Planalto – 02/12/2011

A presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (2) o fortalecimento do Mercosul e o estreitamento das relações econômicas do Brasil com a Argentina para enfrentar a crise internacional. Em entrevista coletiva concedida em Caracas, pouco antes da cerimônia de abertura da 3a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da América Latina e do Caribe (Calc), ela afirmou que os países da região devem expandir suas relações. Segundo Dilma Rousseff, esse foi principal assunto do encontro bilateral com a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner.

“Diante da crise, é necessário o fortalecimento do Mercosul. E também temos interesse em ampliar a integração produtiva Brasil – Argentina. Não queremos só ampliar relações comerciais, mas, sobretudo, construir cadeias que sejam complementares, que possam estreitar mais ainda essas relações econômicas nessa região e, com isso, eu não vou falar blindar, mas fortalecer Brasil e Argentina nesta próxima década, que tem indícios de ser de baixo crescimento”, disse a presidenta Dilma.

Ela definiu como “histórica” a 3a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da América Latina e do Caribe (Calc) que começa hoje em Caracas marcando, também, o início da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).

“Eu acho que é uma reunião histórica também pelo momento que o mundo passa. Em todo o mundo, não tem uma reunião tão grande de países numa região que hoje está crescendo acima da taxa de crescimento global.”

Fonte: http://blog.planalto.gov.br/contra-crise-presidenta-dilma-defende-o-fortalecimento-do-mercosul/