Caças

Força Aérea dos EUA declara F-35 “pronto para combate”


Nesta terça-feira (02/08), a Força Aérea dos Estados Unidos declarou que seu esquadrão de caças F-35A estão “prontos para combate”. Isso significa que a Força já pode enviar os caças multifuncionais de quinta geração para missões de batalha em qualquer lugar do mundo. Os primeiros F-35 operacionais, 12 aeronaves, pertencem ao 34º Esquadrão de Caças, localizado no estado de Utah nos EUA. Críticos apontam que a declaração da Força Aérea é mais uma medida de marketing do que verdadeiramente operacional, uma vez que ainda existem vários problemas.

Foto: Paul Holcomb / Força Aérea dos EUA.

Anúncios

Senado dos EUA discute programa dos caças F-35


Na semana passada, o Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA realizou uma audiência para discutir o programa de desenvolvimento e aquisição dos caças F-35. Os problemas e atrasos do mesmo foram frisados. O senador John McCain, do Partido Republicano, declarou que a história do F-35 tem sido um “escândalo” e uma “tragédia” com relação a prazos, custos e desempenho.

F-35. Foto: Força Aérea dos EUA / Alex Lloyd.

Qatar compra 24 caças da França por US$ 7,5 bilhões


Nesta terça-feira (29/03), o Qatar oficializou a compra de 24 caças Dassault Rafale da França. O acordo de US$ 7,5 bilhões prevê além dos aviões, mísseis Meteor, mísseis de longo alcance e o treinamento de mecânicos e pilotos do Qatar.

Foto: Pascal Pochard-Casabianca / AFP / Getty Images

Índia aposenta caças Sea Harrier de sua Marinha


A Marinha da Índia retirou de serviço seus aviões do modelo Sea Harrier, que operavam a partir do porta-aviões INS Viraat. O plano é substituir os caças pelos MiG- 29Ks comprados da Rússia. Nova Deli adquiriu 30 unidades do Sea Harrier do Reino Unido em 1983, mas apenas 11 continuavam ativos. O plano inicial considerava a substituição com aviões feitos nacionalmente, mas o projeto está atrasado mais de 15 anos, segundo oficiais indianos.

Foto: Indian Navy

França e Índia assinam acordo para venda de caças


Nesta segunda-feira (25/01), a Índia e a França assinaram um acordo intergovernamental para a venda de 36 caças franceses Rafale. Acordo final porém não foi finalizado devido a questões financeiras, que devem ser resolvidas em breve. Os dois países também firmaram diversos tratados em áreas como antiterrorismo, securitária, espacial e cultural.

rafale

Foto: Asia Times.

Indonésia e Coreia do Sul assinam contrato para desenvolvimento do caça KF-X


Após alguns meses de negociação, na quinta-feira (07/01) a Indonésia assinou com a Coreia do Sul um contrato para desenvolver em conjunto caças de última geração. O acordo, assinado com a Korea Aerospace Industries (KAI), estipula que o Ministério de Defesa indonésio investirá US$ 1,3 bilhão — cerca de 20% do custo do projeto — no caça experimental KF-X/IF-X.

kfx-103_kappa352

Foto: Ankara News.

Argélia encomenda 12 caças Su-34 da Rússia


A Argélia encomendou 12 caças Sukhoi (Su-34) da Rússia como parte do programa de modernização de suas Forças Armadas, afirmou um porta-voz russo semana passada (01/01). Novos aviões devem substituir os MiG-25 ainda em operação. País também está em negociações para adquirir uma versão modernizada do Su-24.

635876167040377263-gettyimages-472749082

Foto: RIA Novosti via Getty Images.

Eslováquia deve adquirir novos caças Gripen


A Eslováquia deve assinar, após a eleição em março deste ano, um contrato com a Saab para receber oito caças JAS-39 Gripen em sistema de “leasing”, afirmou um porta-voz do ministério da Defesa. O contrato deve emprestar oito caças para o país, com cada um com o limite de 1.200 horas de voo por ano. A República Tcheca já opera 14 aviões do mesmo modelo, pagando US$ 53 milhões anualmente.

Foto: Saab.

Japão realizará voo-teste de caça nativo de 5ª geração em fevereiro


O protótipo do primeiro caça de quinta geração construído e desenvolvido pelo Japão, o Mitsubishi ATD-X Shinshin, deve realizar seu primeiro voo em fevereiro deste ano, segundo um órgão de pesquisa do ministério da Defesa. O protótipo integra um projeto de desenvolvimento de um caça de superioridade aérea de quinta geração japonês — denominado F-3 —, que deve começar a ser produzido em 2027. Tóquio começou a desenvolver seu próprio avião após os Estados Unidos rejeitarem a venda de F-22s para o país.

thediplomat_2016-01-04_13-04-07-386x267

Foto: YouTube.

França aprova modernização de caças Mirage 2000D


A França aprovou a modernização de seus caças multifunção Mirage 2000D. Reformas são propostas desde 2008, mas foram adiadas devido aos corte de gastos na esteira de crise econômica do mesmo ano. Serão modernizadas 55 aeronaves, que devem se manter na ativa pelo menos até 2030 com novos radares, sistemas e mísseis. O primeiro avião reformado deve ser entregue em 2019.

1631309_-_main

Foto: Frederic Lert.

EUA aprova exportação de tecnologias do F-35 para a Coreia do Sul


O governo dos Estados Unidos aprovou a exportação de tecnologias avançadas do caça de 5ª geração F-35, ainda em desenvolvimento, para a Coreia do Sul, que as deve utilizar para desenvolver o caça nativo multifuncional de 4,5ª geração KF-X. Oficiais sul-coreanos afirmaram que os EUA concederam autorização para a exportação de 21 tecnologias sensíveis. Seul ainda deve comprar cerca de 40 caças F-35.

Modelo do KF-X. Foto: Patrick Allen / IHS.

Empresas de Coreia do Sul e Indonésia firmam acordo de defesa


Empresas da Indonésia e da Coreia do Sul firmaram um acordo de cooperação em defesa na última sexta-feira (04/12). A empresa sul-coreana Korea Aerospace Industries (KAI) e a estatal indonésia PT Dirgantara Indonesia (PTDI) concordaram em aprofundar suas relações, incluindo setores de veículos aéreos não tripulados e indústria aeronáutica civil e militar. Medida deve impulsionar o desenvolvimento conjunto do avião de caça multifunção de 4,5 geração KF-X.

Modelo do KF-X. Foto: Greg Waldron / Flightglobal.

Reino Unido duplicará gastos em defesa


O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou que aumentará orçamento da defesa em 12 bilhões de libras (US$ 18,2 bilhões) na revisão de estratégia para os próximos cinco anos de modo a atingir a meta da OTAN de 2% do PIB em gastos de defesa. O plano prevê £178 bilhões (US$ 268 bilhões) para a Defesa nos próximos 10 anos, o dobro das previsões anteriores. Oito aeronaves Boeing P8 de vigilância marítima devem ser adquiridas, além da criação de duas brigadas de envio rápido, com raio de ação de milhares de quilômetros. Cameron também reforçou seu compromisso com a compra de 138 caças F-35.

P-8 em ação. Foto: Marinha dos EUA.

China exibe caça furtivo de 5ª geração J-31


A China exibiu, pela primeira vez no exterior, seu o novo caça furtivo de 5ª geração, o J-31 “Gyrfalcon”. A aeronave está sendo desenvolvida exclusivamente por Beijing e foi mostrada internacionalmente na Dubai Air Show. A China está tentando competir com o caça estadunidense F-35, também ainda em desenvolvimento. Porém, apenas as Forças Armadas chinesas estão em negociações para adquirir a aeronave. Irã e Paquistão demonstraram interesse.

Foto: Wikimedia Commons / Russavia.

EUA e Coreia do Sul interceptam aviões russos


O governo dos Estados Unidos confirmou nesta quinta-feira (29/10) que seus caças, junto com aviões da Coreia do Sul, interceptaram bombardeiros da Rússia perto do porta-aviões USS Ronald Reagan. O incidente ocorreu no Mar do Japão, durante exercício conjunto entre forças norte-americanas e sul-coreanas. Após a saída dos aviões russos  da área, não houve maiores confrontos.

Foto: US Navy

EUA venderá 8 caças F-16 para o Paquistão


Oficiais estadunidenses afirmaram que oito caças F-16 serão vendidos para o Paquistão, porém, não foram feitos anúncios oficiais. Suposta venda depende ainda da aprovação do Congresso dos Estados Unidos. A Força Aérea do Paquistão atualmente opera cerca de 70 aviões F-16. De 2002 à 2014, os EUA venderam cerca de US$ 5,4 bilhões em equipamentos militares para Islamabade.

Foto: Força Aérea dos EUA.

Saída do Canadá deve tornar F-35 ainda mais caro


O Joint Program Office afirmou que, caso o Canadá se retire do programa de desenvolvimento do caça F-35 Joint Strike Fighter, o preço pago por cada aeronave deve se tornar ainda mais caro. Devido ao alto custo e a não necessidade deste tipo de avião, o novo governo do Canadá prometeu se retirar do desenvolvimento e não realizar a compra planejada de 65 F-35.

Foto: Lockheed Martin.

Síria começa a usar novos caças fornecidos pela Rússia


O governo sírio começou a bombardear posições do auto-proclamado Estado Islâmico com novos caças, fornecidos recentemente pela Rússia. Segundo oficiais dos EUA, além dos aviões, Moscou ainda forneceu helicópteros, artilharia e apoio terrestre ao regime sírio. Bombardeios da coalizão internacional, liderada por Washington, continuaram, mirando o mesmo inimigo.

Foto: RIA Novosti / Igor Zarembo.

Foto: RIA Novosti / Igor Zarembo.

No Canadá, oposição volta-se contra a compra de caças F-35


Em campanha política no Canadá, o líder de oposição Justin Trudeau, do Partido Liberal, anunciou que, caso vencedor nas eleições de outubro, não comprará caças “F-35 Lightning II Joint Strike Fighters” da Lockheed Martin. Embora tenham participação canadense no seu desenvolvimento, os caças têm um custo muito elevado e há falta de transparência no processo, segundo Trudeau, e não valeria a pena comprá-los para reforçar a força aérea do país. Atual governo adiou decisão da compra de novos aviões para depois da eleição.

Foto: Alex Lloyd / 75th Air Base Wing Public Affair.

Argélia e Rússia receberão caças Su-30


A empresa russa Irkut, que produz aviões, anunciou que proverá 14 caças Sukhoi Su-30MKI multifunção para a Argélia. Já a Rússia receberá oito aviões do mesmo tipo, que deverão ser incorporados à Marinha. O presidente da Irkut também informou que em razão das novas encomendas e negócios já realizados com a Rússia, a empresa deve ter a maior produção de aviões desde 1945.

Foto: V. K. Singh / AFP.

Kuwait comprará 28 caças Typhoon da Itália


O Kuwait anunciou que comprará 28 caças Typhoon em um negócio multibilionário com a Itália. O acordo ainda está em negociação, mas foi bem recebido pelo governo italiano, que foi derrotado na concorrência com caças franceses em outros mercados. Na região do Golfo, a Arábia Saudita e o Bahrein também demonstraram interesse pelo Typhoon. O Kuwait também está em negociação com os Estados Unidos para a compra de até 40 caças F/A-18.

Foto: Eurofighter

Foto: Eurofighter

Dilma autoriza compra dos Gripen após Suécia aceitar reduzir juros


Após meses de negociações, o governo da Suécia concordou hoje (29/07) com a redução das taxas de juros proposta pelo governo brasileiro como condição para a compra de 36 caças Gripen NG pela Força Aérea Brasileira. As negociações finais, conduzidas nos últimos três dias, foram lideradas pelo Ministro da Defesa, Jaques Wagner, e sancionadas pela presidente Dilma nesta manhã. Ficou acordada a utilização de uma taxa de juros anual equivalente a 2,19%.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação / Saab.

Egito recebe os primeiros caças Rafale da França


Egito recebeu, na última segunda-feira (20/07), os primeiros três caças Dassault Rafale, em uma cerimônia na base aérea de Istres, no sul da França. Os três caças do modelo DM, que contêm dois assentos, fazem parte de uma remessa de 24 aviões de combate vendidos ao país por US$ 5,6 bilhões no início de 2015. Estima-se que o equipamento será utilizado para combater em zonas de instabilidade na fronteira com a Líbia e na região leste do país, onde grupos leais ao “Estado Islâmico” estão organizados.

Foto: Dassault, A. Pecchi.

Foto: Dassault / A. Pecchi.

Futuro caça brasileiro terá capacidade única no Hemisfério Sul


O caça Gripen NG, a ser entregue ao Brasil em 2019 pela Suécia, será o único modelo em todo o Hemisfério Sul a ter a capacidade de realizar o chamado “voo supercruzeiro”. Isso significa poder manter a velocidade supersônica não apenas durante curtos combates aéreos, mas também durante voos de longa duração. As aeronaves poderão viajar para qualquer região do País a velocidades supersônicas. O alcance será de 4 mil quilômetros, podendo ainda ser reabastecido em voo.

Foto: Força Aérea Brasileira.

Maquete do Gripen NG em Brasília. Foto: Força Aérea Brasileira.

Geopolítica e o mercado global de caças


No mercado global de caças, fatores geopolíticos têm tido um peso cada vez maior para a decisão de compra. O caso francês é o mais claro: após o Brasil ter se decidido pelo Gripen NG, Paris procurou fortalecer laços geopolíticos para encontrar mercado, como, por exemplo, com o Qatar e com os Emirados Árabes Unidos. Essa iniciativa, porém, não foi replicada pelo Reino Unido para a venda do caça Eurofighter Typhoon, o qual está tendo dificuldades de ser vendido. Já a Suécia passou a ter maior demanda em países emergentes para o caça Gripen NG, após o Brasil ter viabilizado seu desenvolvimento.

Foto: divulgação.

Dassault Rafale. Foto: Divulgação.

Jatos da Saab adquiridos pelo Brasil mudam cenário da indústria militar


Griepen, jato da Saab que por anos foi considerado um coadjuvante entre a indústria militar, tem tido sua reputação melhorada depois de um acordo com a Força Aérea Brasileira, que comprou 36 exemplares, e com o governo suéco, que comprometeu-se com a aquisição de 60 JAS 39 Gripen Es e Fs. A escolha brasileira pela Nova Geração (NG) Gripen foi anunciada em dezembro de 2013, pondo fim a uma competição de anos entre a Saab, alguns modelos de Boeing e Dassault Rafaele.

Foto: Christopher P. Cavas

Foto: Christopher P. Cavas, Defense News

 

Angola receberá caças Su-30K da Rússia


Ainda este ano, a Rússia deverá fornecer 12 caças Sukhoi Su-30K ‘Flanker D’ para Angola, segundo o IHS Jane’s. Os caças estão atualmente sendo atualizados em fábrica, segundo acordo assinado entre os dois países em 2013. As aeronaves que serão recebidas por Luanda foram devolvidas pela Índia à Rússia.

Caças Su-30K. Foto: Bemil Chosun.

Caças e porta-aviões de última geração dos EUA apresentam incompatibilidade


Os caças mais avançados da Marinha dos Estados Unidos não podem decolar com do mais novo porta-aviões, o USS Gerald R. Ford, com tanques de combustível adicionais, informou um oficial da Marinha. A equipe de testes do Pentágono afirmou que o sistema de catapulta do porta-aviões provoca muito desgaste nos tanques, que são necessários para que os caças tenham o alcance de voo aumentado. O Pentágono acredita que essa é uma deficiência que pode tornar impossível para a Marinha a realização de operações normais.

Foto: AP Photo / Steve Helber

Foto: AP Photo / Steve Helber

Argentina e China poderão desenvolver caças conjuntamente


A cooperação entre Argentina e China pode dar origem ao desenvolvimento conjunto de um caça. O país platino deseja renovar sua frota, principalmente em virtude da disputa territorial das Ilhas Malvinas. A recente aproximação da China, que já comparou as Malvinas a suas disputas no Mar do Sul da China, pode agora permitir a aquisição de caças chineses que seriam produzidos conjuntamente pelos dois países. A Fabrica Argentina de Aviones produziria os caças em território argentino utilizando tecnologia transferida pelos chineses.

O caça paquistanês JF-17 Thunder, desenvolvido em cooperação com a China. Foto: Getty

O caça paquistanês JF-17 Thunder, desenvolvido em cooperação com a China.
Foto: Getty

Argentina e China formam grupo de trabalho para aquisição de caças chineses


Foi revelado no último dia 05/02 que a Argentina e a China estão formando um grupo de trabalho para introduzir caças chineses na Força Aérea Argentina. Pequim forneceria caças CAC FC-1/JF-17 ou CAC J-10 aos argentinos. A renovação da frota de caças argentinos também recebeu oferta russa de cessão de caças Sukhoi Su-24. A Argentina cogitou várias possibilidades, inclusive caças suecos Gripen E/F, cuja negociação foi vetada pelo Reino Unido devido a preocupações com as ilhas Malvinas.

O caça J-10 é uma das opções da Argentina. Foto: PA

O caça J-10 é uma das opções da Argentina.
Foto: PA