capacidades militares

Força Aérea dos EUA declara F-35 “pronto para combate”


Nesta terça-feira (02/08), a Força Aérea dos Estados Unidos declarou que seu esquadrão de caças F-35A estão “prontos para combate”. Isso significa que a Força já pode enviar os caças multifuncionais de quinta geração para missões de batalha em qualquer lugar do mundo. Os primeiros F-35 operacionais, 12 aeronaves, pertencem ao 34º Esquadrão de Caças, localizado no estado de Utah nos EUA. Críticos apontam que a declaração da Força Aérea é mais uma medida de marketing do que verdadeiramente operacional, uma vez que ainda existem vários problemas.

Foto: Paul Holcomb / Força Aérea dos EUA.

Anúncios

Rússia testa com sucesso míssil antissatélite


A Rússia realizou com sucesso no mês de novembro testes com o míssil antisatélite Nudol, tornando-se assim o segundo país — atrás apenas da China — a possuir armas de guerra espacial. Essa capacidade pode ser utilizada para inutilizar as comunicações, inteligência e navegações de outros países, notadamente os Estados Unidos.

1023092433

Foto: Flickr.

EUA aumenta capacidades marítimas de países da ASEAN


Na última semana (08/10), um oficial dos Estados Unidos informou que o progama “Southeast Asia Maritime Law Enforcement Initiative” (Iniciativa de Aplicação das Leis Marítimas Do Sudeste Asiático) atingiu US$ 100 milhões em fundos para quatro países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN):  Indonésia, Malásia, as Filipinas e Vietnã. A iniciativa inclui a construção de capacidade estatal, infraestrutura, aquisição de equipamentos (incluindo navios) e o suporte para a cooperação regional.

Foto: Flickr / US Navy Photo.

A polêmica das reformas securitárias japonesas na Ásia


A aprovação pela Câmara Baixa do Parlamento japonês de duas leis que podem permitir campanhas militares no exterior já desencadeou protestos de ativistas. Ações das forças armadas japonesas no exterior não ocorrem desde a Segunda Guerra Mundial, quando o país foi vítima dos únicos ataques nucleares da história, responsáveis por uma significante posição pacifista desde então. As reformas preocupam países invadidos e colonizados nos anos 30 e 40, como as Coreias e a China.

Foto: Getty Images.

Foto: Getty Images.

Coreia do Sul planeja aumentar gastos em defesa significativamente


O governo da Coreia do Sul anunciou esta semana que seu orçamento de defesa deve aumentar significativamente nos próximos cinco anos, alegadamente devido a uma percepção de maiores ameaças vindas de Pyongyang. Segundo a agência de notícias Yonhap News, os gastos militares devem subir aproximadamente 215 bilhões de dólares entre 2016 e 2020, o que representa uma taxa de crescimento de 7% ao ano. Cerca de metade do valor deve ser alocado em projetos de modernização das forças armadas, incluindo investimentos em projetos de pesquisa e desenvolvimento de capacidades de ataque preemptivo.

Foto: Wikimedia Commons.

Índia já não é mais o maior importador de armas do mundo


Um relatório da empresa de pesquisa IHS revelou que a Índia perdeu para a Arábia Saudita a posição de maior importador de armamentos do mundo em 2014. Somado com os Emirados Árabes Unidos, os dois países árabes importaram mais armamentos que toda a Europa Ocidental. Os gastos militares desses países refletem um aumento de tensões no Oriente Médio com a ascensão do “Estado Islâmico”.

Foto: Flickr / Cell105

Foto: Flickr / Cell105

China deve aumentar orçamento militar em 10%


A porta-voz do 12° Congresso Nacional do Povo da China, Fu Ying, indicou que o país deve aumentar em 10% seus gastos militares neste ano, uma diminuição da taxa verificada no ano passado, de 12,2%. Ela ainda afirmou que o dado definitivo será divulgado amanhã (05/03). A taxa de 10% seria a mais baixa em cinco anos, num momento que a China vem investindo pesado na ampliação de suas capacidades militares.

Foto: Wang Jing / China Daily

Foto: Wang Jing / China Daily

Rússia escolhe novos fuzis de assalto


O ministério da defesa russo selecionou dois fuzis de assalto produzidos pela Kalashnikov Concern para serem os novos modelos-padrão do exército russo. Considerados os de melhor custo-benefício, o AK-12 e o AK-103-4, compõem o programa de modernização Ratnik, que pretende melhorar a efetividade do soldado russo no campo de batalha. A escolha dos modelos surpreendeu analistas, que esperavam modelos mais caros e mais modernos. A decisão levou em conta o atual cenário de sanções do ocidente, já que a Kalashnikov Concern poderia produzir os rifles evitando as limitações impostas ao comércio de armas russo.

AK-12, um dos fuzis selecionados. Foto: Izhlife

AK-12, um dos fuzis selecionados.
Foto: Izhlife

Lançamento de F-35 é atrasado por falha em software


O Pentágono descobriu falhas no software do F-35, caça de quinta geração produzido pela estadunidense Lockheed Martin, atrasando seu voo inaugural como aeronave pronta para uso. O caça, que é a arma mais cara já produzida até então, teria problemas para liberar bombas, comunicar-se com outras aeronaves e detectar radares inimigos por uma falha em seu código de programação. O custo do projeto do F-35 está estimado em quase 400 bilhões de dólares.

Foto: Jonathan Newton / The Washington Post / Getty Images

Foto: Jonathan Newton / The Washington Post / Getty Images