Cooperação militar

Brasil e Tunísia aumentam cooperação militar para combater jihadismo


Nesta terça-feira (15/03), o ministro da Defesa da Tunísia, Farhat Horchani, revelou que o Brasil ofereceu ampliar a cooperação militar com o fim de combater o jihadismo no norte da África. A cooperação se daria tanto no campo de formação como na venda de material e equipamento. Além de questões econômicas, comerciais e políticas, os oficiais dos dois países também discutiram um programa de troca de estudantes entre escolas estatais e militares.

Foto: Zoubeir Souissi / Reuters

Anúncios

Conselho de Segurança da ONU aprova resolução para combater “Estado Islâmico”


Nesta sexta-feira (20/11), o Conselho de Segurança da ONU aprovou unanimemente uma resolução pedindo que todos os países façam o possível para combater o grupo terrorista “Estado Islâmico” (EI). O texto pede que sejam erradicados os locais de abrigo do EI na Síria e no Iraque e que os Estados-membros da ONU façam o possível para impedir que seus cidadãos se juntem às fileiras do EI. A proposta de resolução foi apresentada pela França segundo os moldes da resolução aprovada pelo organismo em 2001 pouco depois dos atentados de 11 de setembro. Ainda será votada a proposta russa.

Foto: ONU / Amanda Voisard.

Rússia propõe resolução de combate ao EI no Conselho de Segurança da ONU


Nesta quarta-feira (18/11), a Rússia apresentou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas um projeto de resolução sobre o combate ao grupo terrorista “Estado Islâmico” (EI) na Síria e no Iraque. O texto visa a coordernar os esforços internacionais contra o EI e contém uma disposição que exige o consentimento dos governos da região (Síria e Iraque) para a luta contra o grupo extremista em seu território. Há dois meses EUA, Reino Unido e França foram contra um projeto semelhante de resolução exatamente por causa desta disposição. Embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, avisou que o novo projeto foca mais no EI do que o anterior.

Churkin. Foto: Reuters.

Rússia e França cooperarão contra o EI na Síria


Poucas horas após ataques quase que simultâneos contra o “Estado Islâmico” na Síria, Rússia e França anunciaram que coordenarão suas operações contra o grupo extremista.  Ambos os países intensificaram os bombardeios após atentados terroristas praticados pelo EI, como a derrubada de um avião russo e os ataques em Paris. A cooperação deve ser estendida para outros países da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

018856023_30300

Foto: picture-alliance / epa / C. Karaba.

OTAN e países nórdicos fazem exercício militar aéreo no Ártico


Nesta terça-feira (26/05), seis países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), ao lado de Suécia, Finlândia e Suíça, participaram de um grande exercício militar aéreo no norte da Europa e no Ártico, chamado Exercício Desafio do Ártico 2015. Cerca de 100 aviões militares e 4 mil soldados da Alemanha, Noruega, Reino Unido, França, Holanda e EUA, além dos países já mencionados, devem participar dessas manobras na região até o dia 4 de junho, na qual há crescente tensão por causa da constante atividade militar da Rússia. O Exercício Desafio do Ártico 2015 era esperado desde o último dia 10 de abril, quando os ministérios da Defesa dos países nórdicos — Dinamarca, Suécia, Noruega e Finlândia — e o Ministério do Exterior da Islândia anunciaram a ampliação da cooperação militar entre as cinco nações, com o objetivo de reagir à ameaça russa.

Caças da força aérea alemã. Foto: picture alliance / dpa / B. Wüstneck.

Indonésia e EUA fortalecem cooperação em defesa


A Indonésia e os Estados Unidos concordaram em aprofundar seus laços estratégicos através de novos acordos de cooperação em defesa. Estes incluem o compartilhamento de inteligência, cibersegurança, combate ao terrorismo e intercâmbio de tecnologias militares industriais. Segundo Jacarta, a intensificação dos laços securitários entre os dois países se dá devido a uma evolução das ameaças na região Ásia-Pacífico.

Foto: Daily Indonesia.

EUA e Japão firmam novo acordo militar


Nesta segunda-feira (27/04), os Estados Unidos e o Japão anunciaram que um novo acordo militar bilateral fora firmado. Este atualiza as relações militares de tal maneira que Tóquio possua um papel maior na segurança global e fortalce os laços entre ambos em questões de cibersegurança, segurança espacial e industrial. O Japão poderá defender países aliados em caso de hostilidades, i.e. os sistemas de defesa antimíssil poderão ser usados para interceptar lançamentos destinados a territórios dos EUA. Além disso, espera-se que o Japão passe a participar mais ativamente de operações de paz e intervenções humanitárias, bem como em ações de inteligência e monitoramento.

Barack Obama e Shinzo Abe. Foto: Toru Yamanaka / AFP / Getty Images.

Argentina e Rússia anunciam acordo de cooperação nuclear, espacial e militar


Na semana passada, em comemoração dos 130 do estabelecimento de relações diplomáticas bilaterais, Argentina e Rússia anunciaram uma série de acordos de cooperação. A Rússia comprometeu-se com o financiamento da sexta central nuclear do país, fornecendo tecnologia de ponta, além de uma hidrelétrica. Firmou-se também um memorando de cooperação em Defesa e um acordo de cooperação espacial com fins pacíficos. O presidente russo ainda afirmou que apoiará as investidas argentinas por novas negociações com o Reino Unido sobre as Ilhas Malvinas.

Foto: Alexander Nemenov / Reuters.

Filipinas pedem ajuda aos EUA para lidar com disputas no Mar do Sul da China


O ministro das relações exteriores das Filipinas declarou na última quarta-feira (15/04) que seu país está procurando obter apoio expressivo dos Estados Unidos, seus aliados de longa data, para lidar com disputas territoriais no Mar do Sul da China, especialmente como contrabalançar a rápida expansão de Pequim na região. Na semana que vem, cerca de 12 mil soldados de ambos os países participarão por 10 dias de um dos maiores exercícios militares já realizados em território filipino. O Mar do Sul da China possui grandes fontes de hidrocarbonetos e é objeto de disputa entre vários países da região, incluindo China, Taiwan, Brunei, Malásia e Vietnã.

Imagem: Business Recorder.

Imagem: Business Recorder.

Países nórdicos anunciam cooperação militar para defender-se da Rússia


Os Ministros da Defesa dos países nórdicos, Dinamarca, Suécia, Noruega e Finlândia, e o ministro do Exterior da Islândia publicaram na última sexta-feira (10/04), no jornal norueguês Aftenposten, um artigo conjunto anunciando a ampliação da cooperação militar entre as cinco nações. O anúncio é uma reação à crescente atividade militar russa na região. Desde o ano passado, violações do espaço aéreo dos países nórdicos por aviões de guerra russos foram registradas em várias ocasiões, algumas delas com risco de acidentes. A nova estratégia inclui exercícios militares conjuntos, troca de informações de inteligência, cooperação industrial inclusive no setor de defesa e processamento conjunto de materiais cibernéticos. A cooperação não tem o objetivo de funcionar como uma aliança militar, isto é, não há comprometimento de nenhuma das nações de lutar pela outra em caso de conflito.

Foto: Ed G / Flickr.

EUA e Japão expandem suas relações militares


Durante visita do Secretário de Defesa dos EUA, Ash Carter, a Tóquio para encontrar-se com o Ministro da Defesa japonês, General Nakatani, os dois países reforçaram seus laços militares. EUA e Japão estão trabalhando na primeira revisão de suas diretrizes bilaterais de defesa desde 1997. A cooperação militar entre os países deverá ser reforçada nos setores de cibersegurança e segurança regional. Os dois ministros reforçaram o seu rechaço à utilização da força para resolver controvérsias no Mar do Leste e no Mar do Sul da China.

Foto: Erik Slavin / Stars and Stripes

Foto: Erik Slavin / Stars and Stripes

Indonésia e Japão fortalecem cooperação militar e marítima


Indonésia e Japão querem estabelecer um novo fórum de alto-nível sobre questões marítimas. Durante visita do presidente indonésio Joko Widodo a Tóquio, a iniciativa ficou acertada com Shinzo Abe, visando a aprofundar a cooperação estratégica entre os países, principalmente em questões de defesa. A cooperação marítima foi o tema principal do documento que resultou do encontro entre Abe e Widodo, reforçando sua preocupação comum pela paz e estabilidade nos mares de sua região. Os dois países marítimos creem que o novo fórum vai contribuir para que se atinja esses objetivos.

Foto: Ministério das Relações Exteriores do Japão

Foto: Ministério das Relações Exteriores do Japão

Índia e Quirguistão realizam primeiro exercício militar conjunto


Forças especiais da Índia e do Quirguistão realizaram exercícios militares conjuntos nas proximidades de Bisqueque, capital quirguiz. É a primeira vez que forças indianas participam de exercícios do tipo na região. Cerca de 100 soldados quirguizes e 30 indianos participaram de operações que simulavam o combate a grupos armados em zonas montanhosas. O evento é simbólico da crescente presença da Índia na Ásia Central.

Mapa: Enciclopédia Britannica.

Mapa: Enciclopédia Britannica.

Militares britânicos começam a treinar tropas da Ucrânia


Militares do Reino Unido deram início a programas de treinamento de soldados ucranianos, os quais deverão ser deslocados para o front de batalha após dois meses. Britânicos estão localizados na cidade de Mykolaiv no sul da Ucrânia. De acordo com as forças armadas britânicas, o treinamento deve incluir somente táticas defensivas e de apoio medicinal. Além disso, equipamento não letal deverá ser dado aos ucranianos.

Foto: Vasily Maximov / AFP / Getty Images

Foto: Vasily Maximov / AFP / Getty Images

China e Japão terão primeiro diálogo sobre defesa em quatro anos


Neste mês, China e Japão realizarão um encontro para debater questões de segurança em Tóquio, no dia 19 de março, primeiro diálogo do tipo entre os países em quatro anos. As relações dos países estiveram ameaçadas por disputas territoriais nos últimos anos, principalmentes sobre as ilhas Diaoyu/Senkaku. O encontro terá a presença dos ministros de relações exteriores e da defesa de ambos os países.

Foto: Reuters

Foto: Reuters

Ministro ucraniano é pessimista com cessar-fogo no país


O Ministro das Relações Exteriores ucraniano, Pavlo Klimkin, afirmou que apesar do cessar-fogo a situação no leste do país permanece tensa. Ele demonstrou pessimismo quanto à continuidade do acordo e hostilizou as relações com a Rússia, afirmando que não confia em nenhum acordo feito com os russos. Por outro lado, líderes de outras nações e organizações internacionais fizeram avaliação positiva pela implementação até agora dos acordos de paz assinado em Minsk, capital da Bielorrússia.

Foto: picture-alliance / epa / A. Vlasova

Foto: picture-alliance / epa / A. Vlasova

EUA termina oficialmente operações especiais nas Filipinas


Os Estados Unidos encerraram oficialmente suas operações especiais nas Filipinas, iniciadas há 13 anos. A missão visava a ajudar as forças armadas locais na luta contra militantes extremistas no sul do arquipélago, notavelmente o grupo Abu Sayyaf. A transição do comando para forças locais permanece até o início de maio; alguns conselheiros permanecerão no país asiático.

Foto: Marinha dos EUA

Foto: Marinha dos EUA

Índia e Israel construirão sistema de defesa antiaérea conjunto


A Índia fechou um acordo com Israel para o desenvolvimento conjunto de um novo sistema de defesa antiaérea para o Exército Indiano, que substituirá o atual sistema de origem russa. O total investido pela Índia será de 6 bilhões de dólares, num sistema que terá alcance de 70 km.

Sistema de defesa antiaérea indiano importado da Rússia deve ser substituído. Foto: Wikimedia Commons

Sistema de defesa antiaérea indiano importado da Rússia deve ser substituído.
Foto: Wikimedia Commons

Rússia e Chipre Grego assinam acordo militar sobre acesso a porto


Chipre Grego e Rússia assinaram acordo de cooperação militar que garante acesso de navios militares russos a portos na ilha no mediterrâneo, cuja economia depende de investimentos russos. O acordo causou desconforto na União Europeia, que impõe sanções ao país eurasiano. Para tentar driblá-las, a Rússia fortaleceu suas relações bilaterais com países da UE, como o Chipre, Grécia e Hungria. O presidente cipriota, Nicos Anastasiades, criticou as sanções impostas à Rússia pelo ocidente.

Foto: Yuri Kadobnov / Pool

Foto: Yuri Kadobnov / Pool

Ucrânia assina acordo militar com Emirados Árabes Unidos


O presidente ucraniano Petro Poroshenko assinou com os Emirados Árabes Unidos um acordo de cooperação militar e técnica. O acordo deve facilitar investimentos árabe-emiradenses na Ucrânia. Poroshenko espera assinar outros acordos do tipo com a Europa e com os Estados Unidos como parte de seus esforços na disputa militar no leste ucraniano.

Foto: Gleb Garanich / Reuters

Foto: Gleb Garanich / Reuters

Reino Unido enviará consultores militares para treinar infantaria ucraniana


O primeiro ministro britânico, David Cameron, revelou que o país enviará consultores militares para treinar a infantaria ucraniana, além de aconselhar Kiev quanto a logística, tratamento médico e inteligência tática. É a primeira vez que militares britânicos chegarão na Ucrânia desde que começou a guerra civil no país. A atitude do governo britânico foi criticada por confirmar a ideia de que a ação russa é uma legítima defesa dos avanços da OTAN sobre seu território estratégico.

Foto: Vasily Maximov / AFP / Getty Images

Foto: Vasily Maximov / AFP / Getty Images

Putin quer auxiliar Egito a construir primeira usina nuclear


Durante a visita de Vladimir Putin ao Egito, foi assinado um acordo de intenções com o chefe de Estado Abdel Fattah al-Sisi para a construção da primeira usinda nuclear egípcia. Os dois países já possuem um acordo de energia nuclear desde 2001, agora planejam as construção de uma usina ultramoderna no norte do Egito. Os dois países também devem aprofundar sua cooperação militar e o combate ao terrorismo.

Foto: Reuters / A. Waguih

Foto: Reuters / A. Waguih

Croácia e Macedônia assinam acordo de cooperação em defesa


A Croácia e a República da Macedônia assinaram um acordo de cooperação técnica militar na última terça-feira (10/02). Técnicos croatas deverão fazer inspeções e testes em helicópteros macedônios Mi-8/17/24. Em contrapartida, militares croatas terão 32 horas de treinamento para helicópteros Mi na Macedônia.

Imagem: n.i

Imagem: n.i

Suécia propõe política de defesa agressiva para Europa setentrional


Com as tensões geopolíticas entre Europa e Rússia decorrentes da crise da Ucrânia, a Suécia ganhou espaço para implantar uma estratégia mais agressiva de defesa através da cooperação entre os países nórdicos. O país assumiu a liderança da Cooperação de Defesa Nórdica (NORDEFCO, na sigla em inglês) e pretende aprofundar a cooperação militar com os outros países membros, Dinamarca, Finlândia, Islândia e Noruega.

A corveta sueca Visby. Foto: Frederik Sandberg / AFP / Getty Images

A corveta sueca Visby.
Foto: Frederik Sandberg / AFP / Getty Images

Tailândia avança cooperação militar com China


Numa tentativa de balancear suas relações com os Estados Unidos, a Tailândia concordou em ampliar a cooperação militar com a China nos próximos cinco anos. Os EUA reduziram o apoio ao país devido ao demorado retorno à democracia. A posição chinesa de não intervenção nos assuntos internos tailandeses agradou à junta militar que comanda o país, interessada em promover o compartilhamento de inteligência, a luta contra o crime transnacional e as transferências tecnológicas com Pequim.

Foto: World Bulletin

Foto: World Bulletin

EUA revela plano de compartilhamento de armas da OTAN


O Departamento de Estado dos EUA e o Pentágono revelaram na última quarta-feira (05/02) plano que permitirá pela primeira vez que os países-membros da OTAN usem equipamento estadunidense. O objetivo do programa de compartilhamento é reduzir custos, otimizar o uso de material das forças da aliança e permitir o desenvolvimento de novos armamentos. Washington mantém também, nesse política, o interesse de os Estados Unidos continuarem como líderes do mercado de armamentos europeu.

Militares estadunidense e lituano conversam durante exercício da OTAN. Foto: Petras Malukas / AFP

Militares estadunidense e lituano conversam durante exercício da OTAN.
Foto: Petras Malukas / AFP

Ministro da defesa grego foi convidado à Moscou para discutir cooperação militar


O ministro da defesa grego, Panos Kammenos, foi convidado por seu homólogo russo, Sergei Shoiku, para visitar Moscou para discutir cooperação militar bilateral. A eleição do partido de esquerda Syriza na Grécia abriu caminho para um aprofundamento das relações entre os países. Já nos seus primeiros dias, o novo governo de Alexis Tsipras sinalizou obstruir as sanções europeias à Rússia, ainda que posteriormente tenha voltado atrás.

O ministro da defesa da Grécia, Panos Kammenos. Foto: AP Photo / Kostas Tsironis

O ministro da defesa da Grécia, Panos Kammenos.
Foto: AP Photo / Kostas Tsironis

Rússia pode realizar exercícios militares com Brasil no futuro


Em entrevista na última segunda-feira (02/02), o ministro da defesa russo, Sergei Shoigu, afirmou que está aprimorando a comunicação com as cúpulas militares de Brasil, Coreia do Norte, Cuba e Vietnã. A iniciativa pode visar à realização de exercícios militares conjuntos entre os países. Um ex-embaixador dos Estados Unidos na Ucrânia vê como pouco provável que militares russos e norte-coreanos realizem exercícios militares.

Um membro da polícia de elite russa OMON durante exercício militar em Stavropol. Foto: Eduard Korniyenko / Reuters

Um membro da polícia de elite russa OMON durante exercício militar em Stavropol.
Foto: Eduard Korniyenko / Reuters

EUA pode enviar armas à Ucrânia


O comandante militar da OTAN, general Philip M. Breedlove, passou a apoiar o envio de armas e equipamentos à Ucrânia, devido a intensificação dos ataques da parte leste do país. A administração de Barack Obama evitou até a agora apoio à Kiev com envio de material militar, mas está reconsiderando sua posição devido a perdas que a Ucrânia vem sofrendo no conflito. Caso a potência ocidental passe a munir os ucranianos, o conflito pode sofrer uma escalada com o governo russo aumentando ainda mais a ajuda aos separatistas do leste. Um relatório independente elaborado por ex-oficiais do governo estadunidense pede o envio de 3 bilhões de dólares em armamentos, incluindo mísseis, drones de reconhecimento, veículos blindados e radares.

Foto: Manu Brabo / AFP / Getty Images

Foto: Manu Brabo / AFP / Getty Images

O pivô para a ASEAN da Coreia do Norte


Da mesma forma que China, Japão e Estados Unidos, a Coreia do Norte está construindo sua própria estratégia para os países do sudeste asiático, congregados na ASEAN. Há uma semana, uma delegação liderada pelo vice-ministro de relações exteriores norte-coreano iniciou uma viagem por sete países da região. Pyongyang deseja realizar cooperação militar e econômica com a ASEAN, tentando vencer seu isolamento diplomático. Diferentemente das potências que se aproximam do sudeste asiático, a Coreia do Norte o faz como um igual entre iguais.

Pyongyang Foto: Thomaz Napoleão.

Pyongyang
Foto: Thomaz Napoleão.