direitos LGBT

Grécia aprova união civil homoafetiva


O parlamento da Grécia aprovou na última terça-feira (22/12) as uniões civis de casais do mesmo sexo. O partido governista, Syriza, dependeu da oposição para aprovar a medida, já que o seu parceiro na coalizão governamental, o partido Gregos Independentes, votou contra. As uniões civis homoafetivas terão direitos similares ao do casamento, como herança e acesso à previdência, mas a adoção ainda não será permitida.

22dez2015-ativistas-dos-direitos-gays-vestidos-como-sacerdotes-ortodoxos-se-beijam-ao-lado-da-igreja-metropolitan-em-atenas-na-grecia-durante-um-protesto-contra-a-homofobia-1450801197958_615x300

Foto: Louisa Gouliamaki / AFP.

Anúncios

Eslovênia rejeita legalizar casamento homoafetivo em referendo


Em referendo realizado neste domingo (20/12), a Eslovênia rejeitou a concessão de direitos iguais para casamentos homoafetivos. Cerca de 63% dos participantes votaram contra a proposta do governo para redefinir o casamento como uma união entre dois adultos. O parlamento do país tinha aprovado medida em março, mas um movimento da Igreja Católica denominado “As crianças estão em jogo” rapidamente reuniu 40 mil assinaturas necessárias para colocar a questão em votação por meio de um referendo. No entanto, a legislação existente que permite uniões civis registradas, mas não a adoção de crianças, permaneceria em vigor.

018931224_30300

Foto: Reuters / S. Zivulovic.

Vitórias e desafios do movimento LGBT na América Latina


Um artigo publicado na revista The Economist (10/10) analisa as recentes vitórias e os desafios do movimento LGBT na América Latina, que se tornou o mais bem-sucedido do mundo, ultrapassando a Europa. O movimento conseguiu direitos, como o casamento, nos últimos cinco anos, vencendo obstáculos religiosos e culturais. Apesar disso, ainda encontra resistência, principalmente em regiões mais pobres e/ou com maior força de igrejas.

Imagem: Lo Cole

Bachelet termina ano legislativo com reformas aprovadas, mas com popularidade em baixa


A presidenta do Chile, Michelle Bachelet, está terminando o ano legislativo com a popularidade em baixa, com aprovação de 40% frente a 58% em abril de 2014. Apesar disso, Bachelet conseguiu aprovar no último ano projetos importantes, como a reforma educacional e a lei de direito à herança para casais homossexuais. A presidenta ainda deseja realizar uma reforma constitucional e outra política.

Foto: Agência EFE

Foto: Agência EFE