Europa

Voto obrigatório e redução de desigualdades


Confira aqui a matéria de Aamna Mohdin que discute os problemas atuais das democracias ocidentais, principalmente a pouca participação em eleições de voto facultativo e o alto número de eleitores desinformados, e os méritos do voto obrigatório como ferramenta para combatê-los. Segundo pesquisas mostradas pela autora, o voto obrigatório aumenta o número de eleitores informados e, não só isso, reduz desigualdades de gênero e sociais.

Países com voto obrigatório. Mapa: CIA World Factbook via Quartz.

Anúncios

Alemanha e Polônia estabelecem centro de controle conjunto de submarinos


A Alemanha e a Polônia anunciaram um memorando de entendimento para estabelecer um centro de controle operacional conjunto de seus submarinos. Anúncio ocorreu no final de junho (28/06). As forças dos dois países, somadas, contam com 11 submersíveis, com seis submarinos classe 212A na frota alemã, e cinco embarcações na Marinha polonesa. O centro ficará instalado em Glucksberg, na Alemanha. Varsóvia também pretende conectar seus submarinos ao sistema de controle de transmissões militares alemãs.

Foto: Balazs Koranyi / Reuters

Turquia suspende tratado de direitos humanos


Nesta quinta-feira (21/07), a Turquia anunciou a suspensão da Convenção Europeia de Direitos Humanos durante o estado de emergência, decretado no dia anterior pelo presidente Recep Tayyip Erdogan e aprovado pelo Parlamento. Segundo o governo turco, a suspensão do tratado de 1953 será “como na França”, referindo-se a medidas relacionadas ao estado de emergência francês por causa de recentes atentados terroristas. Oposição política turca condena essas medidas e denuncia que o governo de Erdogan encaminha-se para uma autocracia.

Foto: C. McGrath / Getty Images.

França aprova reforma de direitos trabalhistas


Esta semana a França aprovou uma reforma nos seus direitos trabalhistas através da chamada Lei Khomri. Ela elimina inúmeros direitos trabalhistas já estabelecidos no país e permite estender a jornada de trabalho a 46 horas semanais. Desde que foi apresentada no início do ano, a lei foi alvo constante de protestos no país e cerca de 70% da população é desfavorável à sua adoção. A aprovação da mesma se deu sem maioria parlamentar e por iniciativa do Partido Socialista, de François Hollande.

Foto: Patrick Kovarik / AFP.

Reino Unido pode se tornar paraíso fiscal


Nesta segunda-feira (04/07), o ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, anunciou planos para reduzir significativamente os impostos para empresas no país como modo de reduzir os efeitos da saída britânica da União Europeia (UE). Segundo o político, a intenção é diminuir os atuais 20% de impostos corporativos para menos de 15%; na UE, apenas Irlanda e Chipre têm taxas mais baixas. Dessa forma, o Reino Unido teria uma das mais baixas taxas de impostos para empresas entre as grandes economias do mundo, o que a OCDE já disse que seria uma situação semelhante à de um “paraíso fiscal”.

Osborne. Foto: S. Rousseau / empics / picture-alliance via DW.

Rússia e Finlândia discutem medidas de distensão no Báltico


Os presidentes da Rússia e da Finlândia, Vladimir Putin e Sauli Niinisto respectivamente, encontraram-se nesta sexta-feira (01/07) para discutir medidas de distensão no Báltico. Niinisto e Putin concordaram em desenvolver medidas de segurança para controlar voos militares na região, na qual, nos últimos meses, têm ocorrido cada vez mais casos de provocação de caças da OTAN e da Rússia. Para evitar confrontos, a Finlândia sugeriu que não se desliguem os transponders das aeronaves; Putin concordou e vai levar a sugestão para a próxima reunião do país com a OTAN. Putin advertiu que tomará as medidas necessárias para responder a uma eventual entrada da Finlândia na OTAN.

Putin e Niinisto (D). Foto: Alexei Druzhinin / Sputnik via RT.

Tribunal Constitucional da Áustria anula eleições presidenciais


Nesta sexta-feira (01/07), o Tribunal Constitucional da Áustria anunciou a anulação do segundo turno das recentes eleições presidenciais e a realização de um novo pleito por ter detectado inúmeras irregularidades na contagem de votos pelo país. Em maio, o candidato apoiado pelo Partido Verde, Alexander van der Bellen, venceu o candidato da extrema-direita, Norbert Hofer — que vencera no primeiro turno –, com uma margem de menos de 1% dos votos. Portanto, Hofer, que entrou com o pedido de anulação do segundo turno junto ao Tribunal e que vem prometendo a realização de um referendo sobre continuidade da Áustria na União Europeia nos moldes do que ocorreu no Reino Unido, terá mais uma chance de concorrer à presidência austríaca. O cargo é tido como meramente simbólico no país.

Presidente do Tribunal Constitucional Austríaco (C). Foto: BBC.

O Reino Unido pode voltar atrás e não sair da UE?


Na semana passada, o Reino Unido, em referendo, escolheu sair da União Europeia (UE). Algumas pessoas começaram a se arrepender diante das consequências, inclusive de possibilidade de dissolução do país. Segundo Carla Bleiker, ainda há possibilidades de reversão: o parlamento britânico pode votar contra a saída da UE, um novo referendo pode ser chamado para confirmar a intenção de saída e o modo que ela se dará, a UE pode fazer concessões suficientes para aplacar as demandas dos britânicos que querem o “Brexit” e, por fim, a Escócia pode vir a vetar a saída do país do bloco europeu.

Foto: E. S. Lesser / dpa / picture-alliance.

Casos de xenofobia e racismo aumentam no Reino Unido após vitória do “Brexit”


Os casos de xenofobia e racismo no Reino Unido aumentaram cerca de 50% desde a vitória do “Brexit” no referendo sobre a saída do país da União Europeia, informaram autoridades britânicas. Comunidades estrangeiras, como a de poloneses e portugueses, têm sofrido agressões e são vítimas de discursos xenofóbicos e de ódio. O prefeito de Londres, Sadiq Khan, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, já anunciaram que não vão tolerar esses atos.

Foto: Reuters

Atentado terrorista deixa pelo menos 10 mortos no aeroporto de Instambul


Nesta terça-feira (28/06), duas explosões deixaram pelo menos 10 mortos e dezenas de feridos no aeroporto Internacional Atatürk de Istambul, na Turquia. Agências de notícias turcas afirmam que dois suspeitos tentaram entrar no terminal internacional, e após trocarem tiros com a polícia, ativaram as bombas.

Foto: Osman Orsal / Reuters

Impasse político na Espanha não é superado mesmo com novas eleições


Em eleições realizadas neste domingo (26/06) na Espanha, o Partido Popular (PP), do primeiro-ministro Mariano Rajoy, conseguiu 137 assentos no Parlamento. Esse número não dá a maioria ao partido, assim dando continuidade ao impasse político na Espanha. O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) obteve 85 assentos, enquanto o Unidos Podemos conseguiu 71, praticamente mantendo seus desempenhos eleitorais. Uma coalizão entre o PP e outro partido relevante é improvável, e assim, é previsto um governo fraco — caso não se realizem novas eleições gerais –.

Foto: J. Nurphoto / picture-alliance.

Saída da UE ameaça a coesão do Reino Unido


A reemergência de movimentos separatistas na Escócia e na Irlanda do Norte ameaçam a coesão do Reino Unido, após a votação pela saída do país da União Europeia (UE). Enquanto a maior parte dos ingleses optou pela saída do bloco regional, escoceses e norte-irlandeses escolheram a permanência na UE. A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, afirma que já está em andamento a organização de um novo referendo pela separação do país, aos moldes do realizado em 2014, e seu governo já está buscando negociações diretas com a UE para posteriormente voltar a fazer parte do bloco. De forma similar, o partido nacionalista da Irlanda do Norte, Sinn Féin, anunciou que irá apoiar a organização de uma consulta popular para separação do Reino Unido e integração à Irlanda — que permanece membro da União Europeia. Analistas já apontam que a saída do Reino Unido da UE põe em risco o processo de paz da Irlanda do Norte na forma do Acordo de Belfast de 1998. Ademais, a própria Espanha anunciou o seu interesse em obter soberania compartilhada do enclave de Gibraltar, cuja maior parte da população (96%) também votou pela permanência na UE.

Imagem: Derek Bacon / The Economist.

Rússia e China firmam novos acordos bilaterais


Em visita a Pequim, o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping firmaram mais de 30 novos acordos bilaterais. Entre as áreas temáticas, estão investimentos em infraestrutura, comércio, tecnologia e inovação, agricultura, finanças e internet. Embora tenha havido uma desaceleração da parceria entre Rússia e China, ambos os países notaram o seu sucesso estratégico. Xi Jinping afirmou ainda que os dois países “deveriam promover a ideia de serem amigos para sempre”.

Foto: Getty Images / G. Baker via DW.

Itália revela detalhes da renovação da marinha


Esta semana a Marinha da Itália revelou novos detalhes sobre a renovação de sua frota. Sete novas belonaves multifuncionais serão comissionadas ao valor de 5,4 bilhões de euros e devem ser entregues entre 2021 e 2026. Desenvolvidas nacionalmente, diversas inovações serão incorporadas para que os navios possam agir tanto para o resgate de migrantes no Mediterrâneo quanto para travar guerra naval, entre elas a tecnologia que quebra-ondas, radares AESA e mísseis antiaéreos Aster 15 e 30. Também estuda-se a incorporação de uma tecnologia semelhante ao Google Glass que permita ao navegador ter uma visão de 360º do navio.

Imagem: Ufficio Stampa – Marina Militare.

UE pede saída rápida do Reino Unido


Nesta sexta-feira (24/06), as principais autoridades da União Europeia (UE) pediram por rapidez no processo de saída do Reino Unido do bloco, conforme decidido em referendo. Os presidentes do Conselho, da Comissão e do Parlamento da UE advertiram que atrasos elevariam a incerteza. Países da UE já manifestaram que não desejam esperar até a renúncia de Cameron em outubro para começar as tratativas de desvinculação de Londres à organização. Enquanto isso, líderes de partidos nacionalistas de extrema-direita já estão pedindo a realização de referendos iguais aos do Reino Unido, na França, Holanda, Dinamarca, Alemanha, Itália e outros.

Imagem: n.i.

Em referendo, Reino Unido decide sair da União Europeia


Em referendo realizado na quinta-feira (23/06), a maioria dos cidadãos do Reino Unido decidiu-se pela saída da União Europeia (UE). O “Brexit” recebeu aproximadamente 52% dos votos, enquanto a permanência ficou com 48%. Escócia, Irlanda do Norte e a cidade de Londres votaram para permanecer na UE, enquanto o restante da Inglaterra e o País de Gales optaram pela saída do bloco. Eleitores mais jovens apoiaram a UE ao passo que os mais idosos foram contrários. Resultado afetou diversas bolsas de valores ao redor do mundo e a moeda do país teve queda histórica. A favor da continuação na UE, o primeiro-ministro David Cameron já anunciou sua renúncia, a qual deve ocorrer em outubro.

Mapa: El País.

Rússia deve instalar mísseis nucleares em Kaliningrado até 2019


Segundo matéria da Reuters, a Rússia deve instalar mísseis nucleares no enclave de Kaliningrado até 2019 como resposta à ativação do escudo antimísseis balísticos dos EUA na Europa. O posicionamento de mísseis armados com ogivas nucleares também pode ocorrer na Crimeia, território anexado pela Rússia em 2014.

Foto: Sergei Karpukhin / Reuters.

Croácia tem Parlamento dissolvido e convocará novas eleições


Nesta segunda-feira (20/06), o parlamentares da Croácia votaram pela dissolução do Parlamento. Este será dissolvido efetivamente no dia 15 de julho, com novas eleições previstas dentro de 60 dias. A medida veio uma semana após o Parlamento ter retirado o primeiro-ministro Tihomir Oreskovic do cargo com um voto de não confiança.

Foto: S. Strukic / Pixsell / picture-alliance

Roma elege a primeira prefeita de sua história


A advogada Virginia Raggi venceu as eleições municipais de Roma realizadas neste domingo (20/06), assim se tornando a primeira prefeita mulher na história da cidade. Raggi concorreu pelo Movimento 5 Estrelas (M5S) e derrotou no segundo turno Roberto Giachetti, o candidato do Partido Democrático (PD). A candidata obteve o dobro de votos que seu adversário. O PD, partido do primeiro-ministro Matteo Renzi, também sofreu uma grande derrota nas eleições para a prefeitura de Turim.

Foto: Remo Casilli / Reuters

Tribunal da UE julga que estrangeiros não podem ser presos por entrar ilegalmente em algum país


Nesta terça-feira (07/06), o Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) determinou que estrangeiros não podem ser presos por entraram ilegalmente em algum país do bloco. Segundo o Tribunal, as leis sobre deportação da UE (ou diretriz de retorno) impedem a prisão de migrantes não europeus sem o devido processo de deportação. A decisão vale tanto para quem atravessa as fronteiras internas do Espaço de Schengen como para os que são pegos tentando sair da zona. Podem ser presos os migrantes que forem suspeitos de algum crime ou desrespeitarem a ordem de deportação.

Foto: B. Wustneck / dpa/ picture-alliance

OTAN participa de grande exercício militar na Polônia, e Rússia condena o evento


Nesta segunda-feira (06/06), tiveram início na Polônia as manobras Anaconda, um exercício militar que conta com a participação de forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O exercício, com duração de dez dias, conta com a presença de 31 mil soldados de 24 países, incluindo 14 mil dos Estados Unidos, 12 mil da Polônia e mil do Reino Unido. Outros países do leste Europeu, como a Ucrânia, também participam. O evento, que seria para aumentar a confiança mútua e desestimular agressões externas contra a OTAN, foi condenado pela Rússia.

Foto: A. Keplicz / AP Photo / picture-alliance

A contradição das taxas de juros negativas


Em análise, Robert Skidelsky expõe o fenômeno monetário das chamadas taxas de juros negativas, política econômica recente em países desenvolvidos como forma de impulsionar o crescimento econômico ao desincentivar a poupança. Porém, segundo o autor, as taxas de juros negativas trazem consigo a falsa impressão de que políticas monetárias por si só são suficientes para recuperar economias em estado de depressão, enquanto que, na verdade, a única forma de garantir a circulação de “novo dinheiro” seria por meio de gastos governamentais. Portanto, em um contexto de crise e debilidade econômica, políticas monetárias não conseguiriam estimular a atividade econômica sem um envolvimento do Estado na economia.

Skidelsky. Foto: n.i.

Parlamento alemão reconhece massacre armênio como genocídio


Na última quinta-feira (02/06), o parlamento alemão — também conhecido como Bundestag — reconheceu o massacre turco às populações armênias ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial como um ato de genocídio. A resolução gerou um deterioramento das relações diplomáticas bilaterais entre Alemanha e Turquia, já abaladas pela atual crise de refugiados. Por um lado, o governo turco respondeu fortemente alegando que a atitude do Bundestag estaria manchando a imagem do país através de decisões irresponsáveis e solicitou o retorno de seu embaixador para a realização de consultas. Por outro, o governo alemão buscou amenizar a situação, declarando que as relações bilaterais de amizade são extremamente importantes para o país.

Foto: n.i.

Paris construirá primeiro campo de refugiados


Nesta terça-feira (31/05), a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou o plano para a criação do primeiro campo de refugiados. Muitos migrantes na cidade vivem em locais inapropriados, que serão fechados por questões sanitárias. A prefeita afirma que medida é necessária, principalmente devido ao grande número de refugiados que a capital recebeu- estimados em 8 mil refugiados-, com pouca ajuda do governo federal.

Foto: Bernd Riegert / DW

Maior túnel ferroviário do mundo é inaugurado na Suíça


Nesta quarta-feira (01/06), foi inaugurado na Suíça o maior túnel ferroviário do mundo. O Túnel de São Gotardo, de 57  quilômetros de comprimento, é localizado sob os Alpes, demorou 17 anos para ser concluído e custou cerca. A 11 bilhões de euros. A operação comercial de trens, que devem reduzir o número de caminhões circulando, está previsto para iniciar em meados de dezembro. Na inauguração, estiveram presentes, além do presidente suíço, líderes da Alemanha, Itália, Áustria e França.

Foto: herrenknecht.com

Rússia deve testar motor nuclear para espaçonaves até 2018


A Rússia planeja testar um motor nuclear para foguetes espaciais até 2018, afirmou Sergey Kiriyenko, presidente da companhia estatal de pesquisa nuclear Rosatom. Um sistema de propulsão nuclear poderia realizar viagens até Marte em cerca de 6 semanas – comparados com os 18 meses dos sistemas atuais-. Além disso, o motor nuclear aumentaria as capacidades de manobra e de aceleração. O projeto foi lançado em 2010 e tem um custo estimado de US$ 274 milhões.

Foto: Sputnik

Aumentam em 40% crimes violentos e de ódio cometidos pela extrema direita na Alemanha


Nesta segunda-feira (23/05), o governo da Alemanha anunciou que houve um aumento de 44% em 2015 de crimes motivados por posições de extrema direita. Em 2015, foram registrados 1.485 crimes dessa natureza, 456 a mais do que em 2014. O Ministério do Interior ainda afirmou que os “crimes de ódio” (como racismo e perseguição religiosa) aumentaram 77% no mesmo período, com mais de 10 mil casos registrados. Ataques contra abrigos de refugiados também aumentaram cinco vezes, sendo 90% deles motivados por posições de extrema direita.

Foto: Friebe / SDMG / dpa / picture-alliance

Alexander Van der Bellen vence eleições presidenciais na Áustria


Nesta segunda-feira, Alexander Van der Bellen venceu as eleições presidenciais da Áustria, informou o Ministério do Interior. Van der Bellen, candidato independente com apoio do Partido Verde, obteve 50,3% dos votos, vencendo o candidato de extrema direita Norbert Hofer, do Partido da Liberdade (FPÖ), por apenas 31 mil votos. O novo presidente é ambientalista e defende o papel que a Áustria tem desempenhado na União Europeia (UE), o que é criticado por Hofer.

Foto: R. Schlager / AFP/ Getty Images

Alemanha aprova subsídios para carros elétricos


Nesta quarta-feira (18/05), o governo da Alemanha aprovou o programa de “incentivo ambiental” para a compra de carros elétricos no país. A partir deste mês, compradores de carros puramente elétricos receberão um subsídio direto de até 4 mil euros e isenção de impostos. Carros híbridos também terão subsídios. Os custos do programa, que serão divididos entre o governo federal alemão e a indústria automobilística, somam 1,2 bilhão de euros. Segundo membros do governo, o programa é vital para a manutenção da liderança alemã na indústria automobilística no futuro.

Foto: S. Prautsch / dpa / picture-alliance

União Europeia incentiva utilização de energia nuclear, Alemanha questiona o plano


A Comissão Europeia pretende incentivar o uso de energia nuclear nos países europeus, divulgou nesta terça-feira (17/05) o jornal alemão Spiegel OnlineDiversos políticos da Alemanha -que prometeu abandonar a energia nuclear até 2022- criticaram o plano da União Europeia por ser tratar de uma “energia perigosa”. Entre as razões do órgão europeu para defender a medida estão a  manutenção da supremacia tecnológica no setor, reduzir a dependência do gás importado da Rússia e diminuir a emissão de gás CO2.

Foto: S. Puchner / dpa / picture-alliance