exportações chinesas

A China e sua Nova Rota da Seda


Confira aqui a matéria do The Economist sobre a China e sua iniciativa de estabelecer uma nova rota da seda na Eurásia. Oficialmente chamada de Cinturão e Rota (One Belt, One Road), a política visa à construção de infraestrutura na Eurásia de modo a torná-la um único espaço econômico centrado em Pequim com investimentos no valor de 4 trilhões de dólares. Podendo ser tida como um desafio ao domínio comercial dos Estados Unidos no mundo, a iniciativa do governo de Xi Jinping deve expandir os laços comerciais e físicos da China na Eurásia (e mesmo na África), bem como o seu poder brando (soft power). Embora haja inúmeros empecilhos à sua consecução, vários projetos já estão sendo feitos a alterando estruturas na economia mundial.

Mapa: The Economist.

Anúncios

China deve permitir exportação de refinarias de petróleo independentes


A China deve permitir no próximo ano que refinarias independente vendam combustíveis para o exterior pela primeira vez. Estas representam 20% da capacidade de refinamento do país. Atualmente somente empresas estatais podem exportar este tipo de produto.

Smoke rises from chimneys and cooling towers of a refinery in Ningbo

Foto: Reuters / China Daily.

China restringe exportação de drones e supercomputadores


A China restringirá futuras exportações de alguns modelos de drones e supercomputadores, requerindo documentos registrados que garantem que a venda não compromete a segurança nacional do país. A declaração, divulgada neste domingo (02/07), determina que as novas regras passarão a ser válidas a partir do dia 15 de agosto, período em que os fabricantes dos produtos atingidos pela nova legislação deverão entregar relatórios técnicos detalhados às autoridades chinesas para obter licença de importação.

Foto: Greg Baker, AFP.

Foto: Greg Baker / AFP.

Nova Rota da Seda impulsiona economia chinesa


A Nova Rota da Seda, proposta pelo governo chinês como novo trajeto de integração, apresentou mais um semestre de indicadores de sucesso. Entre janeiro e junho, o aumento nas exportações representou 6,57 trilhões yuans a mais com relação ao ano passado. As exportações para países da ASEAN e da África aumentaram 9,5% e 12,9% respectivamente em 2014 e 2015, com enfoque para as exportações relizadas para Bangladesh, Paquistão e Egito, que aumentaram em até 17% ano a ano. Destaque também fica para a ferrovia que liga a China à Alemanha que já começou a ser usada comercialmente.

Mapa: Xinhua.

Mapa: Xinhua.