Extremo Oriente

China suspende relações com Taiwan


Em análise publicada no The Diplomat, Shannon Tiezzi aborda os recentes problemas nas relações China-Taiwan decorrentes da ascensão de Tsai Ing-Wen, do Partido PDP, à presidência da República da China (Taiwan). Segundo a autora, Pequim suspendeu as relações interestreito em função da não aceitação pela nova administração taiwanesa do chamado “Consenso de 1992”. O anúncio do afastamento causou desconforto em Taiwan, que acusa a República Popular da China de utilizar o acordo anterior como forma de chantagem. Em nível mais amplo, segundo Tiezzi, a suspensão representaria um verdadeiro retrocesso para as relações bilaterais que se encontravam em plena ascensão, com consequências potencialmente catastróficas. A falta de um mecanismo de diálogo entre os dois países poderia causar danos irreversíveis para a política externa de ambos, diz a autora.

Tsai Ing Wen. Foto: n.i.

Tsai Ing-Wen. Foto: n.i.

Anúncios

Shinzo Abe encontra-se com Putin para discutir disputa por ilhas e tratado de paz


O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, encontrou-se com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nesta sexta-feira (06/05) na cidade russa de Sochi para promover o diálogo bilateral e discutir sobre o tratado de paz entre os dois países para findar formalmente a Segunda Guerra Mundial e sobre a disputa pelas ilhas Kurilas. A Rússia recusa-se a tratar dos dois temas conjuntamente, mas o Japão espera conseguir flexibilizar essa posição prometendo altos investimentos na economia russa, especialmente no setor energético. Tóquio procura diminuir sua dependência de hidrocarbonetos oriundos do Oriente Médio.

Shinzo Abe (E) e Vladimir Putin. Foto: AFP / JIJI.

China, Japão e Coreia do Sul restauram suas relações após cúpula trilateral


China, Japão e Coreia do Sul anuciaram que “restauraram completamente” suas relações após a primeira cúpula trilateral em três anos, realizada no início do mês de novembro (01/11). No encontro do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, com o premiê japonês, Shinzo Abe, e a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, discutiram-se questões históricas, acordos comerciais e o progama nuclear norte-coreano. Além disso, o Japão planeja sediar a próxima reunião a ser realizada em maio de 2016.

Abe (E), Geun-hye (C) e Keqiang. Foto: Xinhua / Liu Weibing.

Eleições em Taiwan e a estabilidade do leste asiático


Confira aqui o artigo do pesquisador do ISAPE, Gustavo Henrique Feddersen, publicado no Boletim Mundorama sobre as eleições taiwaneses de 2016. Feddersen analisa as possíveis implicações desse evento, com o Kuomintang (KMT) em crise de representatividade e o Partido Democrático Progressista (PDP) — pró-independência — liderando as pesquisas. A possível eleição deste pode acirrar as relações interestreito e alterar a conjuntura regional.

Foto: Kate Xuehui Li.

(mais…)

China celebra 70 anos da recuperação de Taiwan da ocupação japonesa


Na última sexta-feira (23/10), a China celebrou os 70 anos da recuperação de Taiwan da ocupação japonesa, a qual durou 50 anos. O retorno de Taiwan à China foi alcançado depois da vitória na Segunda Guerra Mundial em 1945. Altos líderes chineses advertiram contra atuais movimentos independentistas em Taiwan e afirmaram que a China continental está pronta para manter a paz nas relações interestreito e alcançar o desenvolvimento soberano do país. Em Taipei, o presidente taiwanês afirmou ser importante também reconhecer os benefícios da colonização japonesa para a ilha.

Foto: China Daily / Reuters.

EUA, Coreia do Sul e China querem retorno da Coreia do Norte para negociações das seis partes


Os Estados Unidos e a Coreia do Sul declararam conjuntamente na semana passada que trabalharão junto com a China para trazer a Coreia do Norte de volta para as conversas das seis partes — encerradas em 2008 — sobre o programa nuclear norte-coreano. A China, por sua vez, já afirmou anteriormente que pretende trabalhar com Pyongyang para concluir o mais rapidamente e pacificamente os diálogo sobre o projeto atômico.

Foto: Xinhua / Yin Bogu.

Em Taiwan, KMT troca de candidato à presidência pouco antes do pleito


O Kuomintang (KMT), ou Partido Nacionalista, grupo no poder de Taiwan, oficializou a troca de candidato presidencial para as eleições a serem realizadas em janeiro de 2016. Hung Hsiu-chu foi substituída por Eric Chu após fraco desempenho nas pesquisas eleitorais. Hung é vista como pró-unificação com a China continental, já Chu promete uma posição mais centrista nas relações com esta. Por sua vez, a candidata de oposição, líder nas pesquisas, Tsai Ing-wen, já visitou o Japão e os Estados Unidos, delineando sua política externa.

Foto: Wikimedia Commons/ 邱鈺鋒.

Reações à aprovação da reforma securitária no Japão


As leis aprovadas pela Dieta japonesa no último sábado (19/09), que permitem a atuação das Forças de Autodefesa do Japão atuar fora de seu território mesmo que país não esteja sobre ataque direto, tiveram repercussão interna e regional. Pesquisa realizada horas após a votação mostraram uma queda considerável de mais de 4% (38,9%) na aprovação do governo do premiê Shinzo Abe, e também a o aumento da desaprovação para 50,2% da população. As leis também geraram protestos por parte de países vizinhos, principalmente da China. Pequim e a Coreia do Norte afirmaram que nova legislação ameaça a paz e estabilidade regional. Já a Coreia do Sul pediu para o governo nipônico maior transparência nas novas políticas securitária, assim como a continuação do espírito pacífico.

Shinzo Abe. Foto: n.i.

Coreia do Sul e Filipinas aprofundam cooperação em defesa


A Coreia do Sul e as Filipinas aprofundarão cooperação em defesa, conforme anunciado nesta segunda-feira (14/09). O acordo aumentará a troca de inteligência militar, intercâmbio de oficiais e a colaboração no combate à ameaças não-tradicionais e transnacionais. Manila também busca levar adiante seus planos de modernização militar e Seul pode ser uma importante fonte de tecnologia e material bélico.

Foto: Flickr / República da Coreia.

EUA, Coreia do Sul e China manifestam-se quanto a lançamento de satélite norte-coreano


Com o possível lançamento de um satélite por parte da Coreia do Norte, os Estados Unidos e a Coreia do Sul reagiram afirmando que isto violaria diversas resoluções do Conselho de Segurança da ONU, já que o teste seria um disfarce para teste de misseis balísticos. Seul anunciou que, apesar de não existir nenhum indício concreto do lançamento, responderá em conjunto com membros da ONU à provocação. Já a China pediu que as partes seguissem as resoluções existentes e que evitassem tensões na península coreana.

Foto: Wikimedia / Sungwon Baik / VOA

Foto: Wikimedia / Sungwon Baik / VOA.

Japão e Vietnã aumentarão cooperação em defesa


Em visita oficial a Tóquio nesta terça-feira (15/09), o Secretário Geral do Partido Comunista do Vietnã, Nguyen Phu Trong, encontrou-se com o premiê japonês Shinzo Abe. Ambos afirmaram a necessidade de maior cooperação na área econômica e de defesa. Também foi assinado um acordo de cooperação entre as guardas costeiras dos dois países. O Japão ainda comprometeu-se a prover mais navios a Hanói.

Foto: Xinhua / Ma Ping.

China e Taiwan aumentam cooperação no setor bancário


Durante o quinto encontro interestreito sobre supervisão bancária, nesta segunda-feira (14/09), representantes da China e de Taiwan anunciaram o aumento da cooperação na área financeira e bancária, como o aumento do número de filiais de bancos entre as partes. Até o fim de agosto, 14 bancos taiwaneses possuíam 52 filiais no continente. Já bancos continentais possuem três filiais na ilha, com a previsão de mais uma a ser aberta em breve.

Imagem: Hokongwei.

No Japão, novos protestos contra reformas securitárias de Shinzo Abe


Nesta segunda feira (14/09), dezenas de milhares de japoneses protestaram em frente ao Parlamento japonês em Tóquio contra as reformas securitárias defendidas pelo primeiro-ministro Shinzo Abe. As medidas já foram alvo de protesto no fim de agosto. Caso as leis sejam aprovadas, as Forças de Autodefesa do Japão poderiam atuar fora de seu território e em defesa de outros países.

Foto: Thomas Peter/Reuters

Foto: Thomas Peter/Reuters

Fundação Sukarno dará prêmio da paz a Kim Jong-un


De acordo com a Agência France-Presse, a Sukarno Education Foundation, mantida por familiares de Sukarno, o primeiro presidente da Indonésia, concederá a Kim Jong-un, presidente da Coreia do Norte, o prêmio da “paz, justiça e humanidade” em setembro deste ano. Após severas críticas de mídias ocidentais, a neta de Sukarno, Rachmawati Sukarnoputri, afirmou que o líder norte-coreano merece “ser honrado por sua luta contra o imperialismo neocolonialista” e que muitas das críticas recebidas são mera “propaganda ocidental”. Mahatma Gandhi e Aung San Suu Kyi já receberam a mesma honraria.

Foto: Rodong Sinmun.

Relatório de Defesa do Japão caracteriza China como ameaça regional


O Relatório de Defesa do Japão, aprovado na última terça-feira (21/07) com atraso de mais de uma semana, caracteriza a China como uma ameaça de tensão regional. O governo de Shinzo Abe vem trabalhando para convencer a população japonesa sobre a necessidade da aprovação de leis que aumentem o escopo de ação de suas Forças Armadas a despeito da forte oposição popular.

Mapa: UNCLOS.

Mapa: UNCLOS.

Rússia e China realizarão exercício militar anfíbio no Mar do Japão


Oficiais da Marinha chinesa e russa declararam na última segunda-feira (20/07) o planejamento de um exercício militar anfíbio conjunto entre as duas nações a ser realizado no final de agosto deste ano. O porta-voz russo Roman Martov declarou que o protocolo que regula o exercício foi assinado em Vladivostok no dia 17 deste mês, acordando que o evento militar deve acontecer no Mar do Japão e na costa da província russa de Primorsky, localizada aproximadamente a 250 milhas de distância de ilhas japonesas. Em torno de 20 navios de guerra e embarcações de apoio farão parte do exercício.

Foto: Wikimedia Commons.

Foto: Wikimedia Commons.

A polêmica das reformas securitárias japonesas na Ásia


A aprovação pela Câmara Baixa do Parlamento japonês de duas leis que podem permitir campanhas militares no exterior já desencadeou protestos de ativistas. Ações das forças armadas japonesas no exterior não ocorrem desde a Segunda Guerra Mundial, quando o país foi vítima dos únicos ataques nucleares da história, responsáveis por uma significante posição pacifista desde então. As reformas preocupam países invadidos e colonizados nos anos 30 e 40, como as Coreias e a China.

Foto: Getty Images.

Foto: Getty Images.

No Japão, Abe estende sessão da Dieta até setembro para aprovação de reformas securitárias


No Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe, sua legenda — o Partido Liberal Democrata (PLD) — e o partido Komeito decidiram estender a atual sessão da Dieta (parlamento japonês) para tentar fazer com que se aprove uma reforma securitária no país. A sessão foi estendida por 95 dias, até o mês de setembro. A reforma permitiria que o Japão pudesse usar do direito de legítima defesa coletiva de acordo com a Carta da ONU, isto é, pudesse intervir em outras regiões do globo. Pesquisas de opinião têm mostrado que a maioria da população não apoia a medida.

Shinzo Abe. Foto:  Issei Kato / Reuters.

Shinzo Abe. Foto: Issei Kato / Reuters.

No Japão, PLD cogita estender sessão parlamentar para aprovação de reformas securitárias


No Japão, está tornando-se cada vez mais improvável a aprovação, até o final de junho, de uma lei que permitiria ao país o exercício do direito de defesa coletiva, apoiada pelo Partido Liberal Democrata (PLD), legenda do primeiro-ministro Shinzo Abe. Dessa forma, o PLD está cogitando estender a sessão da Dieta (parlamento japonês) por no mínimo mais um mês para assegurar que se aprove a medida. O partido está na defensiva após importantes especialistas em direito constitucional japonês terem feito depoimento na Dieta afirmando que a legislação proposta é inconstitucional e após pesquisas de opinião terem mostrado que a maioria da população não apoia a medida.

Shinzo Abe. Foto:  Issei Kato / Reuters.

Shinzo Abe. Foto: Issei Kato / Reuters.

Coreia do Sul testa novo míssil balístico


Esta semana a Coreia do Sul testou um novo míssil balístico que pode atingir todo o território norte-coreano, segundo o escritório da presidência do país. O míssil foi desenvolvido com a permissão dos Estados Unidos para estender o seu alcance para até 800km. Seul e Washington têm um acordo que limita as capacidades balísticas sul-coreanas, mas que foi flexibilizado devido a uma suposta superioridade de Pyongyang na área.

Foto: Ministério da Defesa da Coreia do Sul / Yonhap / Reuters.

China e Coreia do Sul assinam acordo de livre comércio


Nesta segunda-feira (01/06), China e Coreia do Sul assinaram um acordo de livre comércio, em Seul, o qual vinha sendo negociado há três anos. Pelo acordo, os coreanos eliminarão tarifas de 92% dos produtos chineses e os chineses 91% dos coreanos dentro de 20 anos. Esse é o maior acordo de livre comércio já assinado por Pequim em termos de volume comercial; por sua vez, Seul tem na China seu maior parceiro em comércio. Os parlamentos dos respectivos países ainda precisam ratificar o tratado.

Foto: CFP

Foto: CFP

Coreia do Sul revela mais um submarino de ataque


A Coreia do Sul revelou ontem (07/05) o seu sexto submarino de ataque Tipo 214 na cidade costeira de Geoje. Este foi batizado Yu Gwan-sun, nome de uma combatente pró-independência — a primeira vez que uma belonave sul-coreana homenageia uma mulher. O submarino foi construído por empresas do país e usa sistemas de armamentos também nativos; ele pode ficar submerso por até duas semanas e seria capaz de ir da Coreia ao Havaí e voltar sem paradas. Em fevereiro deste ano, a Coreia do Sul inaugurou um comando independente de submarinos e tornou-se o sexto país no mundo a fazê-lo. Acredita-se que a Coreia do Norte tenha superiodade, ao menos numérica, em questão de submarinos.

Foto: Wikimedia Commons.

Coreia do Sul planeja aumentar gastos em defesa significativamente


O governo da Coreia do Sul anunciou esta semana que seu orçamento de defesa deve aumentar significativamente nos próximos cinco anos, alegadamente devido a uma percepção de maiores ameaças vindas de Pyongyang. Segundo a agência de notícias Yonhap News, os gastos militares devem subir aproximadamente 215 bilhões de dólares entre 2016 e 2020, o que representa uma taxa de crescimento de 7% ao ano. Cerca de metade do valor deve ser alocado em projetos de modernização das forças armadas, incluindo investimentos em projetos de pesquisa e desenvolvimento de capacidades de ataque preemptivo.

Foto: Wikimedia Commons.

O programa de modernização de submarinos da Coreia do Sul


Em fevereiro deste ano, a Coreia do Sul inaugurou um comando independente de submarinos e tornou-se o sexto país no mundo a fazê-lo. Ao mesmo tempo, o país atravessa uma fase de modernização de sua frota submarina com novas aquisições, atualizações e mesmo desenvolvimento de um submarino de ataque próprio movido a diesel. A primeira belonave deste programa deve entrar em operação em 2022 a um custo estimado de 800 milhões de dólares por unidade. Entretanto, recentes escândalos de corrupção na marinha do país podem impôr severos obstáculos à conclusão da modernização de sua frota.

Foto: Wikimedia Commons.

China rejeita entrada de Taiwan no Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura


Nesta terça-feira (31/03), a China deu sinais de que não permitirá a adesão de Taiwan ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês), instituição capitaneada por Pequim. Segundo o ministério de relações exteriores chinês, o país quer evitar situações de “duas Chinas” ou “uma China e um Taiwan”. O governo taiwanês anunciou unilateralmente que participaria do AIIB nesta semana, causando protestos na capital Taipei.

Foto: Reuters / Jason Lee

Foto: Reuters / Jason Lee

Japão deve aderir ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura


Segundo o embaixador japonês em Pequim, Masato Kitera, o Japão deve se juntar ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês) dentro de poucos meses. Kitera acredita que a adesão à instituição, liderada pela China, ocorra em junho. O embaixador também afirmou que a comunidade de empresários japoneses têm feito grande campanha para que isso ocorra. Medida distanciaria Tóquio dos Estados Unidos, que vêm resistindo ao novo organismo financeiro asiático.

Foto: Bloomberg.

Milhares protestam em Tóquio contra realocação de base militar dos EUA


No domingo (25/01), milhares de manifestantes se reuniram na frente da Dieta, o parlamento japonês, em Tóquio para protestar contra a realocação de uma base aérea estadunidense em Okinawa. Inúmeros oradores também criticaram o uso de força excessiva para conter manifestantes, a ausência de respostas do governo e os danos ambientais que seriam causados pela construção de novas instalações.

Foto: Finbar O'Mallon.

Foto: Finbar O’Mallon.

Japão aprova maior orçamento militar de sua história


O governo japonês aprovou um orçamento militar de aproximadamente 42 bilhões de dólares, o maior de sua história. Dessa forma, os gastos militares do país sobem 2,8% em comparação ao ano anterior, marcando o terceiro ano consecutivo de crescimento em contraste com uma década de cortes no orçamento militar japonês. O aumento de gastos deve ser alocado para aeronaves e navios de patrulha, além de seis caças furtivos.

Primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. Foto: AFP.

Primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. Foto: AFP.

Eleição de oposição em Okinawa atrapalha relações entre Japão e EUA


Analistas afirmam que a eleição de um governador contrário ao alinhamento aos Estados Unidos no Estado de Okinawa, onde estão localizado mais da metade do efetivo estadounidense no Japão, pode ser prejudicial às relações entre os dois países.

Fonte: AFP.

Fonte: AFP.

(mais…)