Governo

Governo do Burundi não participará de negociações de paz


O governo do Burundi não participará das negociações de paz planejadas para esta quarta-feira (06/12), informou um oficial do país na segunda-feira (05/12). Segundo o governo, alguns participantes da conversa são responsáveis diretos pela onda de violência no país. Assim, não se tem previsão de novas conversas para estabilizar o Burundi.

19878614_770x433_acf_cropped

Foto: Dai Kurokawa / EPA.

Anúncios

Milhares protestam contra governo na Coreia do Sul


Neste sábado (14/11), dezenas de milhares de pessoas foram às ruas de Seul, capital da Coreia do Sul, para protestar contra o governo do país na maior manifestação em sete anos. Estima-se que 70 mil manifestantes estiveram presentes no ato, o qual teve confrontos com forças policiais, incluindo o uso de canhões de água e gás lacrimogênio. Protesto era contra as recentes medidas de flexibilização da legislação trabalhista e a decisão de que escolas só poderão usar livros de história editados pelo governo.

Foto: AP / VOA.

Crescem as chances de eleições antecipadas na Grécia


Na Grécia, a realização de eleições antecipadas parece ser cada vez mais provável. Racha no Syriza, partido do premiê Alexis Tsipras, intensificou-se diante das medidas de austeridade exigidas por credores em troca de ajuda financeira. No parlamento grego, o líder da ala de esquerda do partido convocou, nesta terça-feira (04/08), todos os deputados da legenda a recusarem mais um programa de reformas. Porta-voz do governo classifica a nova eleição como “provável”.

Foto: picture-alliance / NurPhoto.

Tsipras ameaça realização de eleições antecipadas


Depois das últimas duas votações sobre as reformas exigidas pelos credores da Grécia, Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, afirmou na quarta-feira (29/07) que seu governo será forçado à convocação de eleições antecipadas caso não consiga recuperar a maioria parlamentar. Mais de 30 deputados da coalizão governista decidiram discordar das propostas do executivo e votar contra os projetos do plano de austeridade acordado com o eurogrupo, que acabou sendo aprovado graças a votos de partidos da oposição.

Foto: AFP, Louisa  Gouliamaki, Getty Images.

Foto: AFP / Louisa Gouliamaki / Getty Images. 

Primeiro ministro da Tanzânia sob pressão para renunciar


Mizengo Pinda, primeiro ministro da Tanzânia, está sob pressão para renunciar devido a denúncias de pagamentos fraudulentos. Pinda é acusado de autorizar pagamentos ilegais no exterior disfarçados de contratos de energia meses após doações de ajuda ao desenvolvimento terem sido suspensas sob suspeita de corrupção no país.

Foto: Daniel Hayduk / AFP / Getty Images

Foto: Daniel Hayduk / AFP / Getty Images

(mais…)

Bachelet anulará Lei de Anistia instituída pela ditadura Pinochet


Decisão foi anunciada no dia 11 de setembro, aniversário de 41 anos do golpe de Estado de 1973, e é um marco do governo da socialista em matéria de direitos humanos. Com a mudança, a Lei de Anistia, promulgada pela ditadura de Augusto Pinochet em 1978 e que permitiu que os crimes cometidos entre 1973 e essa data ficassem impunes, será extinta.

Foto: Sebastian Silva/Efe

Foto: Sebastian Silva/Efe

(mais…)

Governo chileno invocará lei antiterrorista após explosão em metrô de Santiago


Explosão ocorreu na segunda (8) e deixou cerca de 14 feridos, colocando governo chileno em alerta e a falar de aplicação da lei antiterrorista. O objetivo é garantir sentenças mais severas a pessoas que perpetuem o terror por meio de atos de violência.

Foto: picture-alliance/dpa

Foto: picture-alliance/dpa

(mais…)

Forças governamentais e separatistas se acusam de violação da trégua na Ucrânia


Cessar-fogo entre Exército e rebeldes iniciou na sexta (5) e foi pacífico durante a maior parte do tempo, mas ambos os lados reclamaram de violações por parte dos rivais. Rússia anunciou que reagirá, caso a UE lance novas sanções contra Moscou.

Foto: Reuters

Foto: Reuters

(mais…)

Exército Brasileiro anuncia criação de Centro Tecnológico


Polo de Ciência e Tecnologia deverá ser implantado para integrar interesses de setores como indústria de defesa, instituições acadêmicas e governos estaduais. Anúncio do projeto de criação do centro foi na terça (12).

Polo de Ciência e Tecnologia. (Foto: Jorge Cardoso e Tereza Sobreira)

Polo de Ciência e Tecnologia. (Foto: Jorge Cardoso e Tereza Sobreira)


(mais…)

Washington recebe 50 chefes de Estado e de governo para Cúpula EUA-África


Encontro inédito foi planejado há mais de um ano pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e deverá abordar temas como comércio e investimentos. Questões relativas aos Direitos Humanos também integrarão a pauta, além do surto de ebola.

Foto: Jim Watson/AFP/Getty Images

Foto: Jim Watson/AFP/Getty Images


(mais…)

Imagens captadas por satélites evidenciam ataques à Ucrânia a partir da Rússia, diz governo dos EUA


Imagens divulgadas pelos Estados Unidos no domingo (27) indicariam que a Rússia disparou mísseis contra tropas ucranianas. As fotos foram realizadas por meio de satélites na semana passada e, de acordo com o governo norte-americano, mostrariam também que a Rússia forneceu armamento para separatistas no leste ucraniano.

Foto: AFP/Getty Images

Foto: AFP/Getty Images

(mais…)

A 12ª rodada de negociações do governo com a FARC tem como foco a institucionalização política da guerrilha


COLOMBIA Y FARC INSTALAN MESA DIÁLOGO QUE SEGUIRÁ EN CUBA EL 15 DE NOVIEMBRE

A 12ª rodada de negociações do governo com a FARC tem como foco a institucionalização política da guerrilha

29 de julho de 2013

O governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) iniciaram ontem (28) a 12ª rodada de negociações de paz. A rodada anterior, referente algumas reivindicações da guerrilha como a questão agrária, foi considerada de muitos avanços.

A nova rodada teria como eixo de discussão a participação política dos integrantes da guerrilha. À princípio, o Conselho do Estado teria legalizado a União Patriótica (UP), partido criado em outras negociações em 1980 que não vingou em função do assassinato de 3.000 de seus militantes. As Farc apresentaram uma proposta para o exercício de direito de oposição política e social e aguarda a manifestação da “atual institucionalidade”.

Os delegados do governo, liderados pelo ex-vice-presidente Humberto De la Calle, partiram no dia 27 de Bogotá para Havana, onde os representantes das Farc permanecem desde o início das negociações, em novembro do ano passado. A retomada das conversações estava prevista inicialmente para o dia 22, mas atrasou-se por causa de assuntos pessoais de Humberto De la Calle. Além disso, na quinta-feira (25), o alto-comissário para a Paz, Sergio Jaramillo, um dos negociadores do governo cubano, teve de comparecer a uma audiência sobre o quadro jurídico para a paz no Tribunal Constitucional.

Apesar do otimismo com que foi dado a rodada anterior, a interrupção do processo durante cerca de três semanas não ficou isenta de polêmicas por causa de várias ações da guerrilha. Uma delas foi no último dia 20, Dia da Independência, quando as Farc mataram durante confrontos 19 soldados em vários pontos do país. Além disso, a guerrilha mantém refém, desde 20 de junho, um ex-soldado norte-americano que, conforme versões oficiais, fazia turismo em uma zona remota quando caiu no poder das Farc.

Por meio de um comunicado, André París, membro das Farc, denunciou o “tratamento infame” do governo da Colômbia para as manifestações que bloqueiam as vias em Catatubo e das greves dos mineradores contra o Decreto 2235.

Fontes:

Agência Brasil (http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-07-28/governo-colombiano-e-farc-iniciam-em-cuba-nova-rodada-de-negociacoes)

TelesurTv (http://www.telesurtv.net/articulos/2013/07/29/continuan-los-dialogos-de-paz-entre-gobierno-y-las-farc-en-cuba-7119.html)

RTP (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=669827&tm=7&layout=121&visual=49)

“A reunião terminou em fracasso”, afirmou Morales sobre a negociação do Governo com a Central Obrera Boliviana (COB)


Bolivia

“A reunião terminou em fracasso”, afirmou Morales sobre a negociação do Governo com a Central Obrera Boliviana (COB)

16 de maio de 2013

O governo da Bolívia e a direção da COB não chegaram num acordo acerca do confltio em torno da Lei de Pensões para os mineradores bolivianos. Dessa forma, a organização mantém as paralisações que completam 11 dias.

As vias de acesso a quatro departamentos da Bolívia encontram-se bloqueadas, seriam La Paz, Cochabamba (centro), Potosí (Sul) e Oruro (Oeste). A rodoviária de La Paz já não vende mais passagens para estas cidades. A COB demanda um aumento salarial e de pensões que o Ministro da Economia diz não poder atender.

Fonte:

Telesur (http://www.telesurtv.net/articulos/2013/05/16/gobierno-boliviano-y-cob-siguen-sin-encontrar-un-acuerdo-6344.html)

COB mantém, contrariando o governo boliviano, o piquete de greve


Bolivian workers march, 17 May 2005

COB mantém, contrariando o governo boliviano, o piquete de greve

13 de maio de 2013

A “Central Obrera Boliviana” (COB), mantém uma semana de paralisações de atividades. Segundo o Ministro de Economia e Finanças da Bolívia, o governo havia firmado um acordo com a COB que, se realizariam os diálogos assim que retomassem as atividades. Dentre as pautas do sindicato, está o sistema de aposentadoria que, segundo o ministro, atende 82% dos contribuintes. O sindicato demanda 100% de aumento da aposentadoria.

Fonte

Telesur (http://www.telesurtv.net/articulos/2013/05/13/huelga-sindicalista-en-bolivia-cumple-una-semana-sin-solucion-a-la-vista-1478.html)

(http://www.telesurtv.net/articulos/2013/05/13/gobierno-de-bolivia-lamenta-intransigencia-de-la-cob-9626.html)

Equipe da ONU não encontrou provas “incontestáveis” de uso de armas químicas na Síria, mas há forte suspeita


siria

Foto: n.i.

Equipe da ONU não encontrou provas “incontestáveis” de uso de armas químicas na Síria, mas há forte suspeita

06 de maio de 2013

Baseado em relato de vítimas e profissionais da Saúde, Carla del Ponte, integrante da Comissão de Investigação da Síria disse que havia forte suspeita de que insurgentes estivessem utilizando gás sarin e não forças do governo. Salim Idris, integrante da liderança do Free Syrian Army (FSA) negou que as forças de oposição tenham utilizado armas químicas. Alegando que somente o governo teria a capacidade de aquirir esse tipo de armamento. Ban Ki-moon ainda negocia a atuação da equipe para melhor investigar as acusações com o governo sírio.

Fontes:

Al Jazeera (http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2013/05/201356135529534687.html)

Agência Brasil (http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-05-06/onu-nega-certeza-sobre-uso-de-armas-quimicas-na-siria-pelos-rebeldes)

BBC (http://www.bbc.co.uk/portuguese/ultimas_noticias/2013/05/130506_onu_armas_quimicas_siria_jp_rn.shtml)

Oposição egípcia mantém protesto devido ao referendo


Egito

Rival protests held as Egypt referendum due

14 de dezembro de 2012 – Al Jazeera

Rival sides in Egypt’s political crisis are staging rallies in Cairo a day before the first round of voting begins on a contentious draft constitution.

The National Salvation Front of opposition groups has organised demonstrations at the presidential palace and in Cairo’s Tahrir Square on Friday, after deciding to call on followers to vote “no” in the referendum scheduled for December 15 and 22.

Al Jazeera’s Rory Challands, reporting from Cairo, said the opposition fears the constitution “gives too much emphasis on Islamic law … They would like to see more emphasis given on rights and freedoms”. In particular, those planning to vote against the draft constitution want additional rights for workers and women. (mais…)

Após quinze anos do fim da guerra civil no Tajiquistão a estabilidade permanece frágil


Tajik regime challenged by rogue province

Ásia Times /  By Roman Muzalevsky – 28/08/2012

Fifteen years has passed since the end of the civil war in Tajikistan, but stability remains tenuous despite efforts by President Emomalii Rahmon to consolidate power, co-opt remnants of opposition, and impose control over Gorno-Badakhshan Autonomous Province (GBAP).

Recent turbulent events in the province, which served as a rebel stronghold during the civil war, reveal the challenges facing the central government in preserving the regime, asserting control,
nd building a national identity in the country that borders war-torn Afghanistan and serves as a transit point for narco-traffickers and militants throughout the broader region. (mais…)

Egito se junta ao clube da China


Egypt joins China club

Ásia Times /  By Brendan O’Reilly – 30/08/2012

President Mohammed Morsi’s historic trip to Beijing signifies a new direction for Egyptian foreign policy. The Muslim Brotherhood leader has sent a clear message by selecting China for his first state visit outside the Middle East. By forging closer ties with China, Morsi is warning the US government not to take Egyptian acquiescence for granted.

He has furthermore offered an important opportunity for China to expand its regional influence. It is essential at this juncture to forecast what China expects from the New Egypt in particular, and the greater Middle East in general. Regional and international powers should take note: China’s influence and clout will increasingly become a decisive factor in all Middle Eastern struggles. (mais…)

A vida no Irã fora da capital


A vida longe de Teerã. Em Gorgan, um mergulho no Irã

Le Monde Diplomatique – 03/07/2012 – por Shervin Ahmadi

Artigo – As negociações sobre a questão nuclear entre o Irã e o grupo dos 5+1 (os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha) não foram bem-sucedidas. Novas sanções, decididas pela União Europeia e pelos EUA, foram impostas. Longe dessa agitação, os habitantes de Gorgan têm outras preocupações… (mais…)

Impasse marca última tentativa de Grécia formar um governo de coalizão


Impasse marca última tentativa de Grécia formar um governo de coalizão

Correio do Brasil – 13/05/2012

O presidente da Grécia se reuniu neste domingo com líderes de partidos em uma última tentativa de formar uma coalizão e evitar a repetição das eleições, mas as negociações imediatamente chegaram a um impasse e não devem dar resultados, devido às grandes diferenças sobre o plano de ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao país.

Líderes dos três maiores partidos da Grécia, que falharam ao tentar formar um governo na semana passada, reuniram-se na mansão presidencial, onde o presidente Karolos Papoulias tinha uma última oportunidade de implorá-los a formar uma coalizão antes de precisar convocar novas eleições, provavelmente para o meio de junho.

O encontro ruiu depois de menos de duas horas de negociações, e os líderes disseram que as discussões deram um nó, embora tenham expressado esperança de que as dificuldades serão superadas.

– Até mesmo agora, apesar do impasse no encontro que tivemos com o presidente, eu tenho algum limitado otimismo de que um governo possa ser formado – afirmou o líder socialista Evangelos Venizelos, cujo partido PASOK finalizou em terceiro na eleição do último domingo. Mas ele alertou de que o tempo está se esgotando.

– A hora da verdade chegou. Ou formamos um governo, ou vamos para novas eleições.  (mais…)

Chegam primeiros relatos de violência após prazo para cessar-fogo na Síria


Foto por: Reuters / Handout

First reports of violence after Syria ceasefire deadline arrives

Russia Today – 12/04/2012

The UN-brokered ceasefire aimed at curtailing the conflict has already been marred with reports of violence. This comes amid doubts on the international stage whether the regime and the rebels can keep to the truce.

Syrian state media have reported a roadside bomb, which killed one army officer and wounded at least 24 other cadets and officers in Syria’s largest city Aleppo.

Syrian authorities accused “terrorists” of being behind the attack.

“At eight in the morning a terrorist group targeted a bus carrying a number of officers driving to work in Aleppo,” Reuters cites Syrian state media as saying.

A member of President Bashar al-Assad’s Baath party was also reportedly killed in a drive-by shooting in the city of Deraa following the ceasefire, the Syrian news agency SANA reported.  (mais…)

Kofi Annan afirma que governo da Síria concorda com prazo para paz marcado para 10 de abril


Foto por: REUTERS/Raad Al Fares/Shaam News Network/Handout

Annan says Syria agrees to April 10 peace deadline

Reuters / Louis Charbonneau, Erika Solomon – 02/04/2012

Syria has pledged to withdraw all military units from towns by April 10 to pave the way for a ceasefire with rebels two days later, though Western envoys were skeptical on Monday about Damascus’ intent to halt its year-long assault on opponents.

The U.N.-Arab League peace envoy briefed the U.N. Security Council on the deadline behind closed doors, telling them there had been no reduction in violence so far, but urging them to consider an observer mission nevertheless, diplomats said.

Washington’s U.N. Ambassador Susan Rice, president of the 15-nation Security Council in April, said some council members “expressed concern that the government of Syria not use the next days to intensify the violence and expressed some skepticism about the bona fides of the government in this regard.”

Syrian President Bashar al-Assad has repeatedly promised to end his campaign against anti-government activists that has brought the country to the brink of civil war but has not kept his word. Annan told the council that Syrian Foreign Minister sent him a letter on Sunday saying they accepted the deadline.

“The Syrians have told us they have put a plan in place for withdrawing their army units from populated zones and surrounding areas. This plan … will be completed by April 10,” Annan’s spokesman Ahmad Fawzi said in Geneva. (mais…)

Amigos da Síria querem mais prazo para governo adotar plano de paz na região


Foto por: Reuters

Amigos da Síria querem mais prazo para governo adotar plano de paz na região

Correio do Brasil – 02/04/2012

Na declaração final do grupo Amigos do Povo Sírio, os representantes dos países que tentam negociar o fim do impasse na região apelaram para que as Nações Unidas e a Liga Árabe fixem novo prazo para que o governo do presidente sírio, Bashar Al Assad, adote o plano de paz. No momento em que se negociava a paz, pelo menos 40 pessoas foram assassinadas no país, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Em mais de um ano, cerca de 10 mil pessoas morreram em decorrência dos embates entre manifestantes e forças leais a Assad. “O grupo dos Amigos saudou os esforços do enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, e expressou apoio à aplicação integral do seu mandato”, diz a declaração final do grupo, formado por representantes de 83 países reunidos em Istambul, na Turquia.

– Fazemos um apelo ao enviado especial para que determine um prazo para as próximas etapas, incluindo um regresso ao Conselho de Segurança da ONU se as mortes continuarem – acrescentaram os Amigos do Povo Sírio no texto.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, lembrou que há mais de uma semana Assad prometeu executar o plano de paz e até agora não houve mudanças. Manifestando impaciência, o chanceler da França, Alain Juppé, disse que deve ser fixado um limite para Assad executar o plano. (mais…)

Governo da Síria afirma que não retirará tropas das cidades até a paz e segurança prevalecerem


Foto por: Reuters / Sana Sana

Peace first, then troop withdrawal – Syrian govt

Russia Today – 31/03/2012

The Syrian government has said that it will not withdraw its troops from towns and cities across the conflict-torn country until “peace and security prevail.” Officials maintain that security forces are there to uphold security and protect civilians.

­Foreign ministry spokesperson Jihad Makdessi told Syrian State television on Friday that the troops were stationed in a capacity of “self-defense and protecting civilians.” He emphasized that security was a Syrian matter and that the UN must recognize the sovereignty of the Syrian government.

Furthermore, Makdessi said that the Syrian government was willing to cooperate with Koffi Annan’s peace plan to “remove all excuses” for possible international intervention.

“The battle to topple the state is over. Our goal now is to ensure stability and create a perspective for reform and development in Syria while preventing others from sabotaging the path of reform,” he stressed.

The announcement came just hours after Annan’s spokesperson Ahmad Fawzi called for the government to be the first to cease the fighting as “a gesture of good faith.” (mais…)

Por que a negociação da dívida estadunidense falhou?


Imagem por: The New York Times

Obama vs. Boehner: Who Killed the Debt Deal?

The New York Times – 28/03/2012 – por Matt Bai

Almost immediately after the so-called grand bargain between President Obama and the Republican speaker of the house, John Boehner, unraveled last July, the two sides quickly settled into dueling, self-serving narratives of what transpired behind closed doors. In the months that followed, some of Washington’s most connected Democrats and Republicans told me in casual conversations that they didn’t know whose story to believe, or even what, exactly, had been on the table during the negotiations. A few mentioned, independently of one another, that the entire affair reminded them of “Rashomon,” the classic Kurosawa film in which four characters filter the same murder plot through their different perspectives. Over time, the whole debacle became the perfect metaphor for a city in which the two parties seem more and more to occupy not just opposing places on the political spectrum, but distinct realities altogether.

There is a practical reason for this. Both sides knew that if the most crucial and contested details of their deliberations became public, it would complicate relationships with some of their most important constituencies in Washington — or worse. It’s one thing for a Democratic president to embrace painful cuts in Medicare and Social Security benefits, or for a Republican speaker to contemplate raising taxes, if they can ultimately claim that they’ve joined together to make the hard decisions necessary for the country; it’s quite another thing to shatter the trust of your most ideological allies and come away with nothing to show for it. Obama and Boehner have clung to their separate realities not just because it’s useful to blame each other for the political dysfunction in Washington, but because neither wants to talk about just how far he was willing to go.

The Republican version of reality goes, briefly, like this: Boehner and Obama shook hands on a far-reaching deal to rewrite the tax code, roll back the cost of entitlements and slash deficits. But then Obama, reacting to pressure from Democrats in Congress, panicked at the last minute and suddenly demanded that Republicans accede to hundreds of billions of dollars in additional tax revenue. A frustrated Boehner no longer believed he could trust the president’s word, and he walked away. Obama moved the goal posts, is the Republican mantra.

In the White House’s telling of the story, Obama and Boehner did indeed settle on a rough framework for a deal, but it was all part of a fluid negotiation, and additional revenue was just one of the options on the table — not a last-minute demand. And while the president stood resolute against pressure from his own party, Boehner crumpled when challenged by the more radical members in his caucus. According to this version, Boehner made up the story about a late-breaking demand as a way of extricating himself from the negotiations, because he realized he couldn’t bring recalcitrant Republicans along. Boehner couldn’t deliver, is what Democrats have repeatedly said. (mais…)

Em reunião em Istambul, oposição síria se divide


Foto por: REUTERS/Murad Sezer

Standing disunited? Syrian opposition held up by differences

Russia Today – 28/03/2012

Syrian opposition activists have met in Istanbul to join forces and conjure up a common declaration on Syria’s future. But the meeting was marred with walkouts, proving it was difficult for the groups to overcome their differences.

Although several hundred Syrian opponents of the Assad government attended the event, it was largely dominated by the Syrian National Council.

As SNC Chairman Burhan Ghalioun read out an action plan calling for greater unity, Haitham al-Maleh, an 80-year old veteran of the Syrian opposition walked out of the gathering. Maleh argued that the SNC had assumed too much dominance and failed to allow other dissidents to have their say.

In the meantime, Ghalioun went on with his action plan, which called for raising international backing, supporting peaceful protests and helping to organize and arm the Syrian Free Army.

Ghalioun’s speech ended with a pledge for a “national oath” on the future of Syria. The declaration included the main pillars of the new Syrian state the SNC hopes to create after the overthrow of the Assad government. (mais…)

Chefe do golpe em Mali pede que Tuareg pare avanço no norte


Foto por: AFP

Mali coup chief for talks with Tuareg

Al Jazeera – 27/03/2012

Captain Amadou Sanogo, head of Mali’s ruling military junta, has called on Tuareg fighters advancing in the north of the country to halt their campaign and hold talks.

“We call on them already to cease hostilities and to come to the negotiating table as soon as possible,” said a statement on Monday. “Everything is negotiable except national territorial integrity and the unity of our country.”

Sanogo had already said that he wanted  to negotiate with the rebels, but he also has promised to give the army what it needs to halt the insurgency.

It was anger among rank-and-file troops at the government’s handling of the conflict that led to the coup. The junta has claimed its coup was sparked by the regime’s perceived weakness in the face of the Tuareg rebellion.

The fighters are being accused of taking advantage of the coup, and are negotiating with soldiers for a peaceful resolution in Mali’s strategic northern garrison town of Kidal, according to representatives of the Sahara’s nomadic Tuareg people.

Kidal would be a major prize for the rebels, who relaunched their decades-old fight in mid-January, led by battle hardened officers and troops who returned after fighting on the side of Libyan leader Muammar Gaddafi. (mais…)

Milhares participam de manifestação pró-Assad em Damasco no aniversário de 1 ano do começo da insurgência


Pro-Assad rally in Damascus decries ‘one-year conspiracy’

Russia Today – 15/03/2012

Thousands have taken to the streets of the Syrian capital Damascus to support the country’s embattled leader Bashar al-Assad. The demonstration comes on the year anniversary of the anti-Assad uprising that has left scores dead and injured.

The pro-Assad rally is taking place under the slogan of protesting a ‘one-year conspiracy’ to overthrow the regime. The opposition said that Assad has forced people to attend the Damascus demonstration in order to overshadow the opposition rallies marking the beginning of the popular uprising in Syria a year ago, AP reports.

Video footage, however, shows people of different ages, including children, dancing and waving Syrian flags. Others had the national flag painted on their faces.

With opposition rallies planned all over Syria and abroad, local activists report the increased presence of the Syrian army in opposition strongholds. (mais…)

Dilma muda líderes, mas mantém articulação política centralizada


Dilma muda líderes, mas mantém articulação política centralizada

Reuters / Jeferson Ribeiro – 14/03/2012

As mudanças nas lideranças do Congresso promovidas pela presidente Dilma Rousseff visam uma renovação dos canais de diálogo do Executivo com o Congresso, mas as trocas também trazem novos riscos e não modificam o modelo centralizador da articulação política do governo, segundo fontes ouvidas pela Reuters.

A derrota no Senado com a rejeição da recondução do diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e um manifesto peemedebista crítico ao governo, apoiado por mais de 50 dos 78 deputados do partido, apressaram as mudanças que estavam sendo gestadas, segundo uma fonte do governo, que pediu anonimato.

A decisão de substituir os líderes de governo na Câmara e no Senado ocorreu menos de uma semana após a presidente ver rejeitada pelos senadores a recondução de Bernardo Figueiredo, técnico de sua máxima confiança, à direção-geral da ANTT. O veto no Senado deu à Dilma a certeza de que a articulação política precisava de ajustes. E rápido.

No cronograma inicial da presidente, segundo essa fonte do governo, encontrar uma solução política para os Ministérios do Trabalho e dos Transportes era mais urgente do que a troca de lideranças no Congresso.

Mas, com as votações do Código Florestal e Lei Geral da Copa pautadas na Câmara e o projeto que cria o Fundo Complementar dos Servidores Públicos (Funpresp), no Senado, Dilma avaliou que seria melhor proceder as trocas logo, antes que colhesse uma nova derrota. (mais…)

Governo e oposição trocam acusações por novo massacre em Homs


Governo e oposição trocam acusações por novo massacre em Homs

Correio do Brasil, com Reuters – 12/03/2012

Dezenas de civis foram mortos a sangue frio na cidade síria de Homs, disseram ativistas de oposição e a imprensa estatal na segunda-feira. Os dois lados qualificaram o incidente como um massacre, mas divergiram quanto à responsabilidade.

A violência em Homs e uma ofensiva militar na cidade de Idlib (noroeste) ocorreram no fim de semana em que o enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, esteve na Síria para tentar mediar o fim do conflito iniciado há um ano.

Annan deixou Damasco no domingo sem acordo para uma trégua ou acesso humanitário aos civis. A agência estatal de notícias Sana disse em seu site que “grupos terroristas armados sequestraram vários civis na cidade de Homs, na Síria central, mataram e mutilaram seus corpos, e filmaram-nos para serem exibidos a meios de comunicação”.

Um vídeo divulgado por ativistas de oposição no YouTube mostrava homens, mulheres e crianças mortos em uma sala cheia de sangue. Os Comitês Locais de Coordenação da Síria, formados por grupos de oposição, dissera, que pelo menos 45 mulheres e crianças foram apunhaladas e queimadas no bairro de Karm al Zeitoun, em Homs. Outras sete pessoas teriam sido mortas no bairro de Jobar, vizinho ao antigo reduto rebelde de Baba Amr. (mais…)