Infraestrutura

A China e sua Nova Rota da Seda


Confira aqui a matéria do The Economist sobre a China e sua iniciativa de estabelecer uma nova rota da seda na Eurásia. Oficialmente chamada de Cinturão e Rota (One Belt, One Road), a política visa à construção de infraestrutura na Eurásia de modo a torná-la um único espaço econômico centrado em Pequim com investimentos no valor de 4 trilhões de dólares. Podendo ser tida como um desafio ao domínio comercial dos Estados Unidos no mundo, a iniciativa do governo de Xi Jinping deve expandir os laços comerciais e físicos da China na Eurásia (e mesmo na África), bem como o seu poder brando (soft power). Embora haja inúmeros empecilhos à sua consecução, vários projetos já estão sendo feitos a alterando estruturas na economia mundial.

Mapa: The Economist.

Rússia e China firmam novos acordos bilaterais


Em visita a Pequim, o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping firmaram mais de 30 novos acordos bilaterais. Entre as áreas temáticas, estão investimentos em infraestrutura, comércio, tecnologia e inovação, agricultura, finanças e internet. Embora tenha havido uma desaceleração da parceria entre Rússia e China, ambos os países notaram o seu sucesso estratégico. Xi Jinping afirmou ainda que os dois países “deveriam promover a ideia de serem amigos para sempre”.

Foto: Getty Images / G. Baker via DW.

Quem governa a governança da internet? Uma análise do papel da internet sobre os rumos do sistema-mundo


Confira aqui a dissertação do pesquisador do ISAPE, Alexandre Arns Gonzales, sobre como a expansão da Internet afeta as estruturas de poder nas relações internacionais. Utilizando a Teoria de Redes e uma análise de Sistema-Mundo, o trabalho mostra quais são os grupos de interesses que disputam e moldam as diferentes áreas de governanças da Internet e sua arquitetura e também como que as práticas reais da governança da Internet impactam as relações entre o centro e periferia das relações internacionais.

Imagem: DigitalMed. 

A integração de infraestrutura na América do Sul: uma análise da logística e dos desafios à defesa regional


Confira aqui o artigo da pesquisadora do ISAPE, Bruna Jaeger, em coautoria com as pesquisadoras Isadora Coutinho, Naiane Cossul e Namisi de Oliveira, publicado na Revista de Estudos Internacionais sobre a integração de infraestrutura na América do Sul e seus impactos para a defesa e logística regionais. O trabalho nota que historicamente a integração infraestrutural sul-americana preocupa-se somente com efeitos comerciais e pouco com defesa e questões geopolíticas. As autoras mostram que a construção de grandes obras de energia, transportes e comunicações constitui-se em um fator significativo para aumentar as capacidades logísticas da região, formar cadeias produtivas e reduzir as assimetrias existentes, especialmente no interior da América do Sul.

Mapa: Guia Geográfico – Globo Terrestre. 

Infraestrutura e desenvolvimento: estudo de caso sobre IIRSA e COSIPLAN


Confira aqui a tese do pesquisador do ISAPE, Fernando Dall’Onder Sebben, sobre a conexão entre infraestrutura e desenvolvimento na América do Sul. O trabalho analisa as políticas públicas de infraestrutura de energia, transporte e comunicações em ambientes institucionais marcados por diferentes níveis de cooperação entre os setores público e privado a partir de um estudo de caso dos projetos da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA) e do Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento (COSIPLAN) de 2000 a 2015. Verifica-se, na análise, que há quatro tipos ideais de vínculo entre infraestrutura e desenvolvimento: Estado Neo-utilitário, Estado Autônomo, Estado Facilitador e Estado Desenvolvimentista. Concluiu-se também que há um predomínio do modelo do Estado Facilitador na América do Sul e que isso significa que as políticas de infraestrutura predominantemente favorecem e ampliam as vantagens comparativas produtivas existentes, sobretudo na comercialização de produtos primários. Consequentemente, reforça-se o padrão de especialização regressiva e condicionam-se as opções e a trajetória de desenvolvimento do Brasil e da América do Sul.

Foto: Datacenter Dynamics.

Dilma inaugura usina de Belo Monte


Nesta quinta-feira (05/05), a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, inaugurou a usina hidrelétrica de Belo Monte, localizada no município de Altamira, sudoeste do Pará. Construída no rio Xingu, a usina é a maior hidrelétrica 100% nacional e a terceira maior do mundo. Com capacidade instalada de 11.233,1 MW, terá carga suficiente para atender 60 milhões de pessoas em 17 estados, o que representa cerca de 40% do consumo residencial de todo o país, quando entrar em operação plena em 2019. Desde abril a usina já produz eletricidade.

Foto: Osvaldo de Lima / Norte Energia S.A.

(mais…)

Irã e Coreia do Sul aprofundam relações bilaterais


Nesta segunda-feira (02/05), o presidente do Irã, Hassan Rouhani, e a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, encontraram-se em Teerã para aprofundar as relações entre os dois países. 19 acordos foram assinados, entre eles termos de cooperação em transporte marítimo e infraestrutura relacionada, energia e setor petroquímico. Paralelamente também se firmou um contrato que prevê a exportação de gás natural liquefeito do Irã para a Coreia do Sul. Ao todo, espera-se elevar o comércio bilateral de 6 para 18 bilhões de dólares.

Park Geun-hye e Hassan Rouhani. Foto: AP / Ebrahim Noroozi.

Usina de Belo Monte inicia distribuição de energia para consumidores


A energia elétrica da Usina Hidrelétrica Belo Monte já está sendo distribuída para milhares de consumidores. Segundo a Norte Energia, concessionária do empreendimento, as operações iniciaram no último domingo (03/04). A fase de operação comercial, que vai incluir 27 empresas distribuidoras de 17 Estados, deve iniciar nos próximos dias.

Foto: Regina Santos / Norte Energia

O Novo Banco de Desenvolvimento promete promover energias limpas


Em artigo publicado no Post-Western World (27/02), Oliver Stuenkel discute a promessa do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, em inglês) de ser transparente e responsável com o meio ambiente. A instituição formada pelos BRICS ano passado tem um fundo inicial de US$ 50 bilhões e já anunciou que seu foco será projetos de infraestrutura e de geração de energia limpa. Stuenkel conclui que o banco teve um início promissor na questão de energias renováveis.

Foto: Flickr

China inicia operação de fundo para industrialização de países africanos


Nesta segunda-feira (11/01), a China começou a operar um fundo multibilionário para auxiliar os países africanos na construção de sua capacidade industrial. Este tem um capital inicial de US$ 10 bilhões e deve focar investimentos em capacidade manufatureira, desenvolvimento tecnológico e construção de infraestrutura. Fundo integra pacote anunciado em dezembro do ano passado para aprofundar a cooperação China-África.

cnbbeee005015_20160111_nbmfn0a001_11n

Foto: Xinhua / Zhai Jianlan.

Ponte entre Brasil e Guiana Francesa deve ser inaugurada em junho


O governo do Amapá espera inaugurar a ponte que liga o Brasil à Guina Francesa até o fim de junho. A Ponte Binacional está pronta há quatro anos e meio, mas, segundo o Estado, depende ainda de questões políticas — a aprovação de tratados pelo Parlamento francês — e estruturais — a construção de um pátio aduaneiro e fiscalizatório — para o início das operações.

divulgacao_ministerio_das_cidades_1

Foto: Ministério das Cidades.

AIIB é estabelecido formalmente e operações iniciam em janeiro


O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, em inglês) foi estabelecido formalmente nesta sexta-feira (25/12) em Pequim e deve entrar em operação em janeiro do próximo ano. O acordo, que estabelece a instituição, entrou em vigor após a ratificação pelos 17 membros que, combinados, possuem 50,1% das ações do banco. O AIIB será operacional depois da primeira reunião entre a diretoria e o conselho de executivos, prevista para 16 de janeiro.

1422785

Foto: Reuters / Wang Zhao.

Construtoras chinesas na África: não apenas por recursos naturais


Em artigo publicado na revista The Diplomat (18/12), Pierre-Olivier Bussieres analisa a presença de construtoras chinesas na África. Segundo o autor, a China não busca apenas recursos naturais no continente, mas também “manter seu setor de construção ocupado”, já que este é fundamental e está perdendo força na economia interna do país.

thediplomat_2015-12-18_09-43-36-386x257

Foto: Shutterstock.com.

Alemanha testa reator nuclear que pode revolucionar setor energético


Nesta quinta-feira (10/12), a Alemanha testou pela primeira vez o reator de fusão nuclear Wendelstein 7-X, que levou 19 anos para ser concluído. Os estudos são conduzidos pelo Instituto Max Planck de Física do Plasma (IPP), em Greifswald, cidade no nordeste do país. O Wendelstein 7-X, maior reator de seu tipo no mundo, custou 1 bilhão de euros para ser construído e demandou 1,1 milhão de horas de trabalho. A tecnologia de fusão nuclear utiliza átomos de hidrogênio para formar hélio e, conforme o IPP, um grama de hidrogênio poderia gerar 90 mil quilowatts-hora de energia — a mesma quantidade produzida pela combustão de 11 toneladas de carvão — com a produção de quantidades significativamente menores de lixo atômico.

Foto: S. Sauer / dpa / picture-alliance.

Estatal chinesa assume porto de Gwadar no Paquistão


Nesta quarta-feira (11/11), a empresa estatal chinesa Chinese Overseas Ports Holding Company Ltd (COPHCL) assumiu oficialmente o estratégico porto de Gwadar no Paquistão. A COPHCL assinou um contrato de aluguel de 40 anos, marcando um importante passo para a implementação do Corredor Econômico China–Paquistão, uma iniciativa-chave para a construção de infraestrutura em território paquistanês, conectando a China ao Oceano Índico.

Foto: J. Patrick Fisher / Wikimedia Commons.

Pesquisadores do ISAPE publicam na revista “Negócios e Talentos”


Confira aqui a nova edição da revista Negócios e Talentos em número especial sobre Relações Internacionais Contemporâneas organizado pelo pesquisador associado do ISAPE Pedro Vinícius Pereira Brites. Nela constam dois artigos dos pesquisadores do ISAPE Bruna Jaeger e Bruno Gomes Guimarães sobre projetos de integraçao de infraestrutura na América do Sul e sobre a política externa dos Estados Unidos para o continente sul-americano, respectivamente.

Imagem: Revista Negócios e Talentos.

Novo Banco de Desenvolvimento é inaugurado em Xangai


Nesta terça-feira (21/07), foi inaugurado em Xangai o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o Banco dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A instituição deverá financiar projetos de infraestrutura em países emergentes. A criação do NBD foi oficializada na sétima cúpula dos BRICS, em Ufá na Rússia em julho deste ano. Estiveram presentes na cerimônia de inaguração o ministro das Finanças da China, Lou Jiwei, o prefeito de Xangai, Yang Xiong, e o presidente do NBD, K. V. Kamath. Em mensagem, o economista Joseph Stiglitz congratulou a criação do banco e disse ter esperanças de que a instituição consiga lidar com problemas centrais da sociedade moderna, tais como distribuição de renda e meio-ambiente.

Foto: Shanghai Daily / Wang Rongjiang.

BRICS oficializam criação do Novo Banco de Desenvolvimento


Depois de dois dias de reuniões, a sétima cúpula dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) terminou nesta quinta-feira (09/07), na cidade russa de Ufá, com a oficialização da criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e de um compromisso para intensificar as indústrias nacionais dos cinco países. Espera-se que o banco, cuja sede será em Xangai, na China, comece a operar já em 2016. Inicialmente, o banco deve financiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento apenas nos países do bloco, podendo expandir sua atuação para outras regiões no futuro.

Foto: BRICS2015.

Protesto contra construção de canal na Nicarágua


Milhares de manifestantes reuniram-se neste domingo (14/06) na cidade de Juigalpa, na região central da Nicarágua, para protestar contra o projeto do Canal da Nicarágua, realizado com apoio da China. Conforme a organização, cerca de 15 mil opositores à construção da obra, na maioria agricultores, compareceram na manifestação. A empresa chinesa Hong Kong Nicaragua Canal Development (HKND) planeja investir 40 bilhões de dólares na obra de infraestrutura e empregar dezenas de milhares de pessoas. Obras devem iniciar em 2016.

Foto: Getty Images, AFP, STR

Foto: Getty Images / AFP / STR.

Ferrovia que liga Djibouti à Etiópia é inaugurada


A ferrovia que liga a capital Djibouti a Addis Ababa, capital da Etiópia, financiada pelo governo chinês, será inaugurada na próxima quinta-feira (11/06) pelo presidente do Djibouti Ismail Omar Guelleh e pelo primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn. A ferrovia, de 752km, deve facilitar as exportações da Etiópia, país sem saída para o mar, através de portos djiboutianos. Os primeiros trens comerciais devem passar em outubro deste ano. Espera-se que se prolongue a ferrovia para outros países do continente africano.

Foto: AFP

Foto: AFP

 

Encontro entre China e Angola fortalece relação bilateral


Em Pequim, o presidente chinês Xi Jinping encontrou-se nesta terça-feira (09/06) com o presidente angolano Jose Eduardo dos Santos com o intuito de fortalecer seus acordos de cooperação entre em prol do desenvolvimento mútuo dos países. O governo chinês pretende encorajar que suas empresas invistam na Angola, em especial na construção de parques industriais e infraestrutura.

china-angola

Xi Jinping e Jose Eduardo dos Santos. Foto: Xinhua/Zhang Duo.

Dilma lança programa de concessões em infraestrutura


Nesta terça-feira (09/06), o governo da presidente Dilma Rousseff lançou o seu programa de concessões em infraestrutura, chamado de Programa de Investimento em Logística (PIL), que é a maior aposta brasileira para contornar a crise e retomar o crescimento econômico. O PIL envolve investimentos de 198 bilhões de reais, a serem feitos pela iniciativa privada e por parcerias público-privadas e tem como principal foco as ferrovias, para as quais devem ser destinados 86,4 bilhões. Rodovias (66,1 bilhões de reais), portos (37,4 bilhões de reais) e aeroportos (8,5 bilhões de reais) também são contemplados no plano.

Dilma Rousseff, Michel Temer e Joaquim Levy. Foto: Lula Marques / Agência PP.

Japão e Filipinas fortalecem parceria estratégica


Em uma reunião de cúpula nesta quinta-feira (04/06), o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e o presidete das Filipinas, Benigno Aquino III, celebraram o fortalecimento da parceria estratégica entre os dois países com uma série de acordos securitários e econômicos. No campo econômico, a ênfase recaiu em infraestrutura e tecnologia. No securitário, o Japão comprometeu-se a transferir tecnologia e equipamentos militares e a expandir treinamentos e exercícios militares, particularmente no âmbito marítimo. Significativamente, Aquino declarou que está em discussão um tratado que permita que forças japonesas utilizem bases militares filipinas.

Foto: Ministério da Defesa do Japão.

China anuncia que Carta do AIIB está pronta


No último sábado (23/05) o Ministério das Finanças da China anunciou que os 57 membros fundadores do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês) já chegaram a um acordo sobre a carta da instituição. Esta deve ser assinada em uma cerimônia em Pequim ao final de junho deste ano. Países asiáticos devem reter 75% das ações do banco, o que significa que a Europa terá uma voz comparativamente reduzida. A China deve ser a maior acionista com até 30% das ações. A Índia deve ser a segunda maior com 10%. Ainda não está claro o status da Rússia como país asiático ou não, o que alteraria a distribuição das ações.

Países membros do AIIB. Mapa: The Diplomat.

Países fundadores do AIIB. Mapa: The Diplomat.

China e Colômbia aprofundam cooperação econômica bilateral


Após a visita oficial ao Brasil, o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, continuou sua viagem pela América do Sul indo à Colômbia, onde encontrou-se com o presidente Juan Manuel Santos. Em reunião, ambos os países concordaram em aprofundar a cooperação econômica bilateral, incluindo comércio e investimento. Construção de infraestrutura, capacidade de produção e manufatura de equipamentos estão entre as principais áreas focadas na visita. Tratou-se também de cooperação cultural, setor no qual Pequim e Bogotá pretendem aumentar intercâmbios.

Li Keqiang e Juan Manuel Santos. Foto: Xinhua / Liu Weibing.

Peru revela plano de investimentos em infraestrutura


O Peru revelou hoje (21/05) um ambicioso plano de investimentos em infraestrutura no país, o qual deve atingir a soma de 113 bilhões de dólares. Projetos são nos âmbitos federal, estadual e municipal peruanos e incluem tanto a iniciativa pública quanto a privada. A maioria dos mesmos não deve ser realizada na região da capital, Lima, favorecendo áreas menos desenvolvidas do país sul-americano. O governo advertiu, contudo, que apenas 10% do projetos para o desenvolvimento da infraestrutura peruana foram devidamente planejados e que ainda faltam estudos para o restante.

Foto: Ansur.

Integração infraestrutural sul-americana: impactos sobre a estratégia e a geopolítica regional


Confira aqui a monografia da pesquisadora do ISAPE, Bruna Jaeger, sobre a integração infraestrutural sul-americana. O trabalho trata dos efeitos dessa integração sobre a estratégia e a geopolítica regional e mostra que a promoção de infraestrutura integrada na América do Sul é um importante fator para garantir maior segurança e capacidades de defesa no continente, bem como para impulsionar o desenvolvimento socioeconômico e aumentar a presença do Estado em regiões isoladas.

 Estados Unidos, Venezuela e Paraguai na Geopolítica da América do Sul

Imagem: n.i.

Li Keqiang chega ao Brasil com pacote bilionário de investimentos


Em visita oficial de três dias ao Brasil, que começa nesta terça-feira (19/05), o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, firmará uma série de acordos econômicos que deverão ampliar a presença chinesa no país. Para esta terça-feira, em Brasília, está agendada a assinatura de mais de 30 acordos bilaterais, estimados em aproximadamente 53 bilhões de dólares, ao lado da presidente Dilma Rousseff. Eles abrangem diversas áreas, incluindo agricultura, energia, transporte e siderurgia. Destaque é o acordo para construção da Ferrovia Transcontinental, que ligará Santos ao litoral do Peru.

Li Keqiang. Foto: Imago.

Primeiro-ministro indiano visita a China


Na manhã de quinta-feira (15/05), o presidente chinês Xi Jinping viajou até a província de Shaanxi para receber a visita do primeiro-ministro indiano Narendra Modi. O encontro visa acelerar os acordos já existentes e fortalecer o papel de ambos os países no crescimento econômico da Ásia. Entre os assuntos discutidos estavam a junção dos projetos de desenvolvimento de ambos os países para a Ásia, i.e. a nova rota da seda proposta pela China e a política Act East da Índia. Nesse sentido, Modi e Jinping comprometeram-se a aumentar a cooperação bilateral em investimentos em infraestrutura, urbanização e parques industriais. O presidente chinês também ressaltou a necessidade de fortalecerem-se os laços bilaterais entre seus think tanks e agências de mídia.

Xi Jinping e Narendra Modi. Foto: Xinhua/Yao Dawei.

Xi Jinping e Narendra Modi. Foto: Xinhua/Yao Dawei.

Brasil e China devem fechar acordo de cooperação de US$53,3 bi


Brasil e China devem fechar nos próximos dias um grande acordo sobre investimentos e cooperação econômica no valor de US$53,3 bilhões. Os setores inclusos seriam os de energia, mineração, infraestrutura e manufatura. Acordo deve ser selado em visita do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que chega a Brasília na próxima terça-feira (19/05) acompanhado de 150 empresários para aprofundar as relações de cooperação econômica e comercial entre os dois países.

Foto: AP/Wang Zhao

Foto: AP/Wang Zhao