investimento em infraestrutura

A China e sua Nova Rota da Seda


Confira aqui a matéria do The Economist sobre a China e sua iniciativa de estabelecer uma nova rota da seda na Eurásia. Oficialmente chamada de Cinturão e Rota (One Belt, One Road), a política visa à construção de infraestrutura na Eurásia de modo a torná-la um único espaço econômico centrado em Pequim com investimentos no valor de 4 trilhões de dólares. Podendo ser tida como um desafio ao domínio comercial dos Estados Unidos no mundo, a iniciativa do governo de Xi Jinping deve expandir os laços comerciais e físicos da China na Eurásia (e mesmo na África), bem como o seu poder brando (soft power). Embora haja inúmeros empecilhos à sua consecução, vários projetos já estão sendo feitos a alterando estruturas na economia mundial.

Mapa: The Economist.

Anúncios

A integração de infraestrutura na América do Sul: uma análise da logística e dos desafios à defesa regional


Confira aqui o artigo da pesquisadora do ISAPE, Bruna Jaeger, em coautoria com as pesquisadoras Isadora Coutinho, Naiane Cossul e Namisi de Oliveira, publicado na Revista de Estudos Internacionais sobre a integração de infraestrutura na América do Sul e seus impactos para a defesa e logística regionais. O trabalho nota que historicamente a integração infraestrutural sul-americana preocupa-se somente com efeitos comerciais e pouco com defesa e questões geopolíticas. As autoras mostram que a construção de grandes obras de energia, transportes e comunicações constitui-se em um fator significativo para aumentar as capacidades logísticas da região, formar cadeias produtivas e reduzir as assimetrias existentes, especialmente no interior da América do Sul.

Mapa: Guia Geográfico – Globo Terrestre. 

Infraestrutura e desenvolvimento: estudo de caso sobre IIRSA e COSIPLAN


Confira aqui a tese do pesquisador do ISAPE, Fernando Dall’Onder Sebben, sobre a conexão entre infraestrutura e desenvolvimento na América do Sul. O trabalho analisa as políticas públicas de infraestrutura de energia, transporte e comunicações em ambientes institucionais marcados por diferentes níveis de cooperação entre os setores público e privado a partir de um estudo de caso dos projetos da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA) e do Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento (COSIPLAN) de 2000 a 2015. Verifica-se, na análise, que há quatro tipos ideais de vínculo entre infraestrutura e desenvolvimento: Estado Neo-utilitário, Estado Autônomo, Estado Facilitador e Estado Desenvolvimentista. Concluiu-se também que há um predomínio do modelo do Estado Facilitador na América do Sul e que isso significa que as políticas de infraestrutura predominantemente favorecem e ampliam as vantagens comparativas produtivas existentes, sobretudo na comercialização de produtos primários. Consequentemente, reforça-se o padrão de especialização regressiva e condicionam-se as opções e a trajetória de desenvolvimento do Brasil e da América do Sul.

Foto: Datacenter Dynamics.

China inicia operação de fundo para industrialização de países africanos


Nesta segunda-feira (11/01), a China começou a operar um fundo multibilionário para auxiliar os países africanos na construção de sua capacidade industrial. Este tem um capital inicial de US$ 10 bilhões e deve focar investimentos em capacidade manufatureira, desenvolvimento tecnológico e construção de infraestrutura. Fundo integra pacote anunciado em dezembro do ano passado para aprofundar a cooperação China-África.

cnbbeee005015_20160111_nbmfn0a001_11n

Foto: Xinhua / Zhai Jianlan.

APEC lança rede para facilitar acesso ao crédito


Na última quinta-feira (12/11), os países membros da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC, em inglês) lançaram uma iniciativa que tornará os serviços financeiros mais acessíveis para pequenas e médias empresas. A Rede Financeira de Desenvolvimento de Infraestrutura (FIDN, em inglês) deve melhorar as informações sobre sistemas de crédito e aumentar a segurança das transações, aumentando o acesso das empresas ao sistema financeiro.

Imagem: n.i.

China, América do Sul e a integração regional


Confira aqui o artigo dos pesquisadores do ISAPE Bruno Gomes Guimarães e Diogo Ives publicado na revista The Diplomat nessa segunda-feira (21/09). Os recentes investimentos chineses em infraestrutura na América do Sul, com o objetivo de facilitar a exportação de matéria-prima para a China e o acesso de manufaturas asiáticas, apresenta tanto um desafio quanto uma oportunidades para os países sul-americanos. O Brasil e seus vizinhos têm uma oportunidade de evitar uma possível desindustrialização e integrar a região.

Foto: Reuters / Ivan Alvarado.

Brasil planeja fortes investimentos em energias renováveis


O governo brasileiro anunciou que até 2018 pretende contratar 186 bilhões de reais em projetos de energia elétrica de fontes renováveis. Destacam-se as Usinas Hidrelétricas de São Luiz do Tapajós e a de Jatobá, no mesmo rio, além de diversos parques eólicos e solares. Os investimentos também abrem a oportunidade de o país replicar, no setor de energia solar, o modelo de sucesso da política de conteúdo nacional do setor eólico via BNDES, aumentando o domínio tecnológico, capacidade de produção e instalação de painéis fotovoltaicos.

Foto: Brasil / PAC.

América do Sul, China e os novos meios da integração (inter-)regional


Confira aqui o artigo escrito pelo pesquisador do ISAPE, Bruno Gomes Guimarães, e Diogo Ives, mestrando em ciência política na UFRGS, a respeito dos investimentos chineses em infraestrutura na América do Sul e os desafios para a integração regional do continente e do mesmo com a China.

Foto: Divulgação / Planalto.

Foto: Divulgação / Planalto.

(mais…)

Peru bate recorde em investimentos públicos


Governo do Peru divulgou nesta segunda-feira (27/08) um novo recorde em investimentos públicos, com 111,054 milhões de soles investidos nos últimos 47 meses, superando valores dos dez anos anteriores, que não ultrapassaram a marca dos 93,451 milhões. O desempenho atual supera em 148% o gasto público entre agosto de 2006 e julho de 2011, período em que apenas 74,847 milhões de soles foram utilizados em investimentos governamentais.

Foto: Divulgação, ANSUR.

Foto: Divulgação / ANSUR.

Novo Banco de Desenvolvimento é inaugurado em Xangai


Nesta terça-feira (21/07), foi inaugurado em Xangai o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o Banco dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A instituição deverá financiar projetos de infraestrutura em países emergentes. A criação do NBD foi oficializada na sétima cúpula dos BRICS, em Ufá na Rússia em julho deste ano. Estiveram presentes na cerimônia de inaguração o ministro das Finanças da China, Lou Jiwei, o prefeito de Xangai, Yang Xiong, e o presidente do NBD, K. V. Kamath. Em mensagem, o economista Joseph Stiglitz congratulou a criação do banco e disse ter esperanças de que a instituição consiga lidar com problemas centrais da sociedade moderna, tais como distribuição de renda e meio-ambiente.

Foto: Shanghai Daily / Wang Rongjiang.

BRICS oficializam criação do Novo Banco de Desenvolvimento


Depois de dois dias de reuniões, a sétima cúpula dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) terminou nesta quinta-feira (09/07), na cidade russa de Ufá, com a oficialização da criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e de um compromisso para intensificar as indústrias nacionais dos cinco países. Espera-se que o banco, cuja sede será em Xangai, na China, comece a operar já em 2016. Inicialmente, o banco deve financiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento apenas nos países do bloco, podendo expandir sua atuação para outras regiões no futuro.

Foto: BRICS2015.

Protesto contra construção de canal na Nicarágua


Milhares de manifestantes reuniram-se neste domingo (14/06) na cidade de Juigalpa, na região central da Nicarágua, para protestar contra o projeto do Canal da Nicarágua, realizado com apoio da China. Conforme a organização, cerca de 15 mil opositores à construção da obra, na maioria agricultores, compareceram na manifestação. A empresa chinesa Hong Kong Nicaragua Canal Development (HKND) planeja investir 40 bilhões de dólares na obra de infraestrutura e empregar dezenas de milhares de pessoas. Obras devem iniciar em 2016.

Foto: Getty Images, AFP, STR

Foto: Getty Images / AFP / STR.

Ferrovia que liga Djibouti à Etiópia é inaugurada


A ferrovia que liga a capital Djibouti a Addis Ababa, capital da Etiópia, financiada pelo governo chinês, será inaugurada na próxima quinta-feira (11/06) pelo presidente do Djibouti Ismail Omar Guelleh e pelo primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn. A ferrovia, de 752km, deve facilitar as exportações da Etiópia, país sem saída para o mar, através de portos djiboutianos. Os primeiros trens comerciais devem passar em outubro deste ano. Espera-se que se prolongue a ferrovia para outros países do continente africano.

Foto: AFP

Foto: AFP

 

Dilma lança programa de concessões em infraestrutura


Nesta terça-feira (09/06), o governo da presidente Dilma Rousseff lançou o seu programa de concessões em infraestrutura, chamado de Programa de Investimento em Logística (PIL), que é a maior aposta brasileira para contornar a crise e retomar o crescimento econômico. O PIL envolve investimentos de 198 bilhões de reais, a serem feitos pela iniciativa privada e por parcerias público-privadas e tem como principal foco as ferrovias, para as quais devem ser destinados 86,4 bilhões. Rodovias (66,1 bilhões de reais), portos (37,4 bilhões de reais) e aeroportos (8,5 bilhões de reais) também são contemplados no plano.

Dilma Rousseff, Michel Temer e Joaquim Levy. Foto: Lula Marques / Agência PP.

China anuncia que Carta do AIIB está pronta


No último sábado (23/05) o Ministério das Finanças da China anunciou que os 57 membros fundadores do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês) já chegaram a um acordo sobre a carta da instituição. Esta deve ser assinada em uma cerimônia em Pequim ao final de junho deste ano. Países asiáticos devem reter 75% das ações do banco, o que significa que a Europa terá uma voz comparativamente reduzida. A China deve ser a maior acionista com até 30% das ações. A Índia deve ser a segunda maior com 10%. Ainda não está claro o status da Rússia como país asiático ou não, o que alteraria a distribuição das ações.

Países membros do AIIB. Mapa: The Diplomat.

Países fundadores do AIIB. Mapa: The Diplomat.

Peru revela plano de investimentos em infraestrutura


O Peru revelou hoje (21/05) um ambicioso plano de investimentos em infraestrutura no país, o qual deve atingir a soma de 113 bilhões de dólares. Projetos são nos âmbitos federal, estadual e municipal peruanos e incluem tanto a iniciativa pública quanto a privada. A maioria dos mesmos não deve ser realizada na região da capital, Lima, favorecendo áreas menos desenvolvidas do país sul-americano. O governo advertiu, contudo, que apenas 10% do projetos para o desenvolvimento da infraestrutura peruana foram devidamente planejados e que ainda faltam estudos para o restante.

Foto: Ansur.

Li Keqiang chega ao Brasil com pacote bilionário de investimentos


Em visita oficial de três dias ao Brasil, que começa nesta terça-feira (19/05), o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, firmará uma série de acordos econômicos que deverão ampliar a presença chinesa no país. Para esta terça-feira, em Brasília, está agendada a assinatura de mais de 30 acordos bilaterais, estimados em aproximadamente 53 bilhões de dólares, ao lado da presidente Dilma Rousseff. Eles abrangem diversas áreas, incluindo agricultura, energia, transporte e siderurgia. Destaque é o acordo para construção da Ferrovia Transcontinental, que ligará Santos ao litoral do Peru.

Li Keqiang. Foto: Imago.

Fonplata deve financiar obras de infraestrutura entre Mercosul e Bolívia


O Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata) pretende financiar projetos que atendam as zonas de fronteira da região do Mercosul e Bolívia com meta de orçamento de em torno de US$ 800 milões até 2016. Deverão ser privilegiados projetos em infraestrutura de transporte, energia, logística e comunicações, em operações médias de aproximadamente US$ 50 milhões entre os países membros (Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai).

Foto: Red de Comunicadores del Mercosur

Foto: Red de Comunicadores del Mercosur.

 

Governo brasileiro deve apostar em ferrovia transcontinental


Segundo o jornal Folha de São Paulo, megaferrovia transcontinental que ligaria o Brasil ao Peru é um dos projetos do programa de concessões de infraestrutura a ser lançado pelo governo brasileiro, o qual deve ser divulgado na primeira semana de junho. A obra, estimada em R$ 30 bilhões, visa ao acesso a mercados asiáticos, especialmente a China, e deve ser um dos tópicos tratados na próxima visita do primeiro-ministro chinês Li Keqiang, que chega ao Brasil na terça-feira (19/05).

Mapa: Folha de São Paulo

Mapa: Folha de São Paulo.

Brasil e China devem fechar acordo de cooperação de US$53,3 bi


Brasil e China devem fechar nos próximos dias um grande acordo sobre investimentos e cooperação econômica no valor de US$53,3 bilhões. Os setores inclusos seriam os de energia, mineração, infraestrutura e manufatura. Acordo deve ser selado em visita do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que chega a Brasília na próxima terça-feira (19/05) acompanhado de 150 empresários para aprofundar as relações de cooperação econômica e comercial entre os dois países.

Foto: AP/Wang Zhao

Foto: AP/Wang Zhao

 

Líderes da África e da Ásia propõem novo banco de desenvolvimento


Na conferência de comemoração dos 60 anos da Conferência de Bandung (a conferência afro-asiática que estabeleceu o movimento dos países não alinhados), sediada em Jakarta, na Indonésia, líderes de países emergentes dos dois continentes propuseram a fundação de um banco de desenvolvimento sem nenhum vínculo com o Banco Mundial ou Fundo Monetário Internacional (FMI), já que ambos não atenderiam mais às demandas de projetos de infraestrutura dessas regiões. A iniciativa tem como exemplo a criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS, citado pelo presidente do Zimbábue, Robert Mugabe. Para ele, somente a cooperação Sul-Sul pode mudar o status quo, cuja manutenção é garantida por políticas ocidentais e pelas instituições financeiras citadas acima.

Foto: AFP

Joko Widodo e Robert Mugabe. Foto: AFP.

 

Japão se compromete em aumentar investimento na infraestrutura da Ásia


O ministro de finanças japonês, Taro Aso, declarou neste domingo na reunião do Banco de Desenvolvimento Asiático (ADB, sigla em inglês) que o governo de seu país vai aumentar seu investimento na infraestrutura da Ásia, de acordo com a agência de notícias Kyodo. Em um primeiro momento o valor do investimento não foi declarado. O movimento pode colocar o Japão de encontro às iniciativas chinesas, como o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês).

Foto: G8/Divulgação

 

No Brasil, concessões em infraestrutura devem somar R$ 150 bi


No Brasil, o líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), disse que o pacote de concessões na área de infraestrutura a ser lançado pela presidente Dilma Rousseff nas próximas semanas está inicialmente estimado em R$ 150 bilhões. Segundo Guimarães, o pacote inclui principalmente concessões de aeroportos, estradas e ferrovias. A medida é tida como fundamental para ampliar o crescimento econômico brasileiro e gerar empregos, preservando ainda as obras previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Foto: Ricardo Stuckert / Presidência da República.

Foto: Ricardo Stuckert / Presidência da República.

China libera investimentos estrangeiros em projetos de infraestrutura


Na quarta-feira (22/04), a China anunciou que abrirá 80 projetos de infraestrutura para investimento estrangeiro. Investimento privado deve ter um papel maior nos setores de energia, ferroviário e portuário. Medida foi tomada para conter a desaceleração do crescimento econômico. Valores e projetos específicos não foram especificados.

Foto: Rooney Chen / Reuters.

Foto: Rooney Chen / Reuters.

Brasil lançará programa de concessões em infraestrutura


Segundo o Ministro da Fazenda Joaquim Levy, o governo brasileiro lançará em maio deste ano um programa de concessões com o objetivo de aumentar investimentos em infraestrutura. Segundo Levy, o programa está sendo feito em conjunto com o Ministério do Planejamento. Ainda não se determinaram as áreas específicas disponíveis para concessões. Em Washington, Levy também falou que conversas estão sendo realizadas também com o Banco Mundial para debater mecanismos de financiamento.

Imagem: The Economist /  Jac Depczyk.

Imagem: The Economist / Jac Depczyk.

Banco dos Brics e parcerias com a China trarão benefícios à infraestrutura brasileira


José Augusto Valente avalia que a participação brasileira no Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), mais conhecido como Banco dos Brics, é uma contraposição à força neoliberal do Fundo Monetário Internacional (FMI). A expectativa é de que o NBD trará mais oportunidades de investimento em infraestrutura no país. A recente confirmação da presença do Brasil como membro-fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, de iniciativa chinesa, é o outro exemplo de cooperação financeira entre os países emergentes. Um exemplo de ganho recente do Brasil é o empréstimo que a Petrobras recentemente conseguiu com o Banco de Desenvolvimento da China.

Foto: Government ZA / Flickr

Foto: Government ZA / Flickr

China rejeita entrada de Taiwan no Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura


Nesta terça-feira (31/03), a China deu sinais de que não permitirá a adesão de Taiwan ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês), instituição capitaneada por Pequim. Segundo o ministério de relações exteriores chinês, o país quer evitar situações de “duas Chinas” ou “uma China e um Taiwan”. O governo taiwanês anunciou unilateralmente que participaria do AIIB nesta semana, causando protestos na capital Taipei.

Foto: Reuters / Jason Lee

Foto: Reuters / Jason Lee

Japão deve aderir ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura


Segundo o embaixador japonês em Pequim, Masato Kitera, o Japão deve se juntar ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês) dentro de poucos meses. Kitera acredita que a adesão à instituição, liderada pela China, ocorra em junho. O embaixador também afirmou que a comunidade de empresários japoneses têm feito grande campanha para que isso ocorra. Medida distanciaria Tóquio dos Estados Unidos, que vêm resistindo ao novo organismo financeiro asiático.

Foto: Bloomberg.

Brasil confirma que será membro-fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura


Nesta sexta-feira (27/03), o governo brasileiro confirmou ter aceitado o convite da China para participar como membro fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês). A presidente Dilma Rousseff garantiu que o Brasil tem todo o interesse de participar da instituição, capitaneada por Pequim, que deve garantir financiamento para projetos de infraestrutura na Ásia, continente cada vez mais estratégico para a inserção internacional brasileira. Ainda não foi divulgado de que forma se dará a participação brasileira no AIIB, o qual terá um capital autorizado de 100 bilhões de dólares e fundo inicial de US$ 50 bilhões.

Foto: Wilson Dias / Agência Brasil.

Foto: Wilson Dias / Agência Brasil.

China e Indonésia visam a maior cooperação em infraestrutura


Nesta sexta-feira (27/03), o primeiro ministro chinês, Li Keqiang, e o presidente indonésio, Joko Widodo, comprometeram-se com maior cooperação bilateral para a construção de infraestrutura e para investimentos. Keqiang enfatizou que a China encorajará empresas a investirem em ferrovias e parques industriais portuários na Indonésia. Já Widodo ressaltou a importância do fortalecimento da cooperação entre os dois países em energia e indústria marítima, entre outros. A Indonésia é membro fundador do recém-criado Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, capitaneado por Pequim.

Widodo (E) e Keqiang. Foto: Xinhua / Xie Huanchi.

Joko Widodo (E) e Li Keqiang em Pequim. Foto: Xinhua / Xie Huanchi.