Israel

Israel aprova construção de novos assentamentos na Cisjordânia


O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o Ministro da Defesa, Avigdor Liebermann, aprovaram a construção de 560 novos assentamentos na Cisjordânia — movimento atualmente considerado ilegal pelo direito internacional. Além disso, o governo aprovou a construção de 600 unidades de habitação para palestinos na região de Jerusalém Oriental. Segundo oficiais do governo, os novos assentamentos fazem parte de um projeto estratégico para minimizar as tensões internas após o anúncio da construção das habitações palestinas, ao mesmo tempo em que serve como retaliação aos recentes atentados contra judeus na Cisjordânia.

Foto: Barcroft Media.

Foto: Barcroft Media.

ONU estende missões de paz em Sudão, Mali e Colinas de Golan


Nesta quarta-feira (29/06), de forma unânime, o Conselho de Segurança da ONU estendeu os mandatos de três operações de paz lideradas pela organização no Mali, em Darfur (Sudão) e nas Colinas de Golan. A missão no Mali (MINUSMA) foi expandida por um ano e terá um maior número de tropas e policiais. Já a missão nas Colinas de Golan (UNDOF) foi estendida por apenas seis meses e houve forte condenação do conflito armado sírio nas proximidades. Por fim, a UNAMID, missão de paz em Darfur, no Sudão, foi mantida por mais um ano sem alterações.

Votação no Conselho de Segurança da ONU. Foto: UN Photo / JC McIlwaine. 

Turquia e Israel normalizam relações diplomáticas


Este domingo (26/06), Turquia e Israel anunciaram a normalização das relações diplomáticas bilaterais. Reconciliação ocorre seis anos depois de Israel ter atacado uma flotilha humanitária turca no mar Mediterrâneo. O acordo prevê o retorno dos embaixadores às capitais e o pagamento de uma indenização no valor de 20 milhões de dólares às famílias dos cidadãos turcos mortos. A Turquia também poderá retomar a provisão de recursos humanitários para Gaza e a construção de infraestrutura. O acordo pode ter impactos na guerra síria e facilitar um acordo para provisão de gás.

Benjamin Netanyahu. Foto: Giuseppe Lami / AP.

Ministro da Defesa de Israel renuncia e alerta sobre “extremistas e elementos perigosos” no governo


Na última sexta-feira (20/05), o ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, renunciou, afirmando que “extremistas e elementos perigosos” estão tomando conta do país. Uma das razões da renúncia seria o fato do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ter oferecido o cargo de Yaalon para Avigdor Lieberman. Lieberman, sem experiência militar, é considerado de extrema-direita e tem um histórico de discursos contra a Palestina, o Egito e minorias árabes. A troca de ministros serviria para aumentar a coalizão do governo de Netanyahu.

Moshe Yaalon (E) Foto: Eden Moladavski/Ministry of Defense

A experiência militar israelense e a doutrina da Batalha Aeroterrestre


Confira aqui a monografia da pesquisadora do ISAPE, Laís Helena Andreis Trizotto, sobre as semelhanças entre a experiência militar israelense e o proposto na doutrina da Batalha Aeroterrestre (ALB, de Air-Land Battle). O trabalho é um estudo prospectivo de averiguação da experiência dos Estados Unidos com a ALB, no caso a Guerra do Golfo (1991), em comparação com experiências de Israel na Guerra do Yom Kippur, de 1973, e na Guerra do Líbano, de 1982. Mostra-se que a experiência militar de Israel em 1973 se aproximou dos marcos gerais do debate doutrinário acerca da ALB nos EUA.

Foto: picture-alliance / CPA Media via DW.

Pela primeira vez, novo sistema de lançamento dos EUA dispara míssil de outro país


Em teste realizado no dia 14 de abril, um míssil israelense disparado de um sistema de lançamento do Exército dos Estados Unidos interceptou com sucesso um drone. É a primeira vez que um míssil estrangeiro é testado no novo Lançador Multi-Missão (MML, em inglês) dos EUA, planejado para funcionar com diversos modelos de interceptadores. O MML foi desenvolvido inteiramente pelo Exército, custando cerca de US$ 119 milhões. A arma israelense do tipo Tamir foi projetada para integrar o sistema Iron Dome.

Foto: John A. Hamilton / US Army

Israel e Singapura prometem aumentar cooperação em cibersegurança


Em encontro do primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ambos prometeram aumentar a cooperação bilateral em cibersegurança. Anúncio se deu nesta terça-feira (19/04) em visita de Lee a Jerusalém. Os dois líderes também afirmaram que aumentarão o comércio bilateral de alta tecnologia. A cooperação no setor de Defesa entre os dois países teve uma média de US$ 500 milhões anuais na última década.

Foto: Israeli Government Press Office

Israel retira indicação Dani Dayan como embaixador no Brasil


Nesta segunda-feira (28/03), o governo de Israel designou Dani Dayan para um cargo nos Estados Unidos, assim encerrando um conflito diplomático com o Brasil. Dayan tinha sido indicado como embaixador israelense para o Brasil, mas sua indicação não foi aceita por Brasília por ele ser um líder dos colonos da Cisjordânia. O Brasil reconhece o Estado da Palestina, portanto considera ilegal a ocupação de seu território. 

Foto: Ronen Zvulun / Reuters

Manifesto de diplomatas brasileiros critica indicação de embaixador de Israel


Um manifesto assinado por 40 diplomatas brasileiros, publicado nesta quinta-feira (07/01), considera “inaceitável” a atitude do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de anunciar publicamente Dani Dayan como embaixador para o Brasil sem antes comunicar o governo deste. A nota também lembra que Dayan é um colono judeu na Cisjordânia — o que é condenado pela comunidade internacional — e é contrário à criação do Estado Palestino. A carta foi assinada por lideranças de diferentes espectros políticos e partidários, entre eles Samuel Pinheiro Guimarães e Luiz Felipe Lampreia.

3500

Foto: Ronen Zvulun / Reuters.

Israel usa artilharia contra cidade libanesa fronteiriça


Nesta segunda-feira (04/12), a cidade libanesa de Wazzani, próxima da fronteira com Israel, foi atingida pela artilharia israelense. Segundo as forças de Israel, ação foi em resposta a mísseis antitanque disparados contra uma patrulha perto da fronteira.

Foto: n.i.

Israel ameaça Brasil por recusa de embaixador


No fim do ano (28/12), o governo de Israel ameaçou rebaixar as relações com o Brasil para um nível secundário caso Brasília não aceite o embaixador indicado por Tel Aviv. A recusa brasileira da nomeação de Dani Dayan há quatro meses se deu por este ter um histórico com líder de assentamentos na Cisjordânia, território palestino.

99152a65f2db431e976e6826deeb1210_18

Foto: Bernat Armangue / AP.

Comandante do Hezbollah é morto na Síria


Um comandante do Hezbollah foi morto no sábado (19/12) na Síria após um ataque aéreo. Samir Kuntar — que foi prisioneiro em Israel por 30 anos e liberto em 2008 — estava em Damasco e participava da guerra civil do lado do governo sírio. O Hezbollah acusa Israel pelo ataque.

21kuntar-master675

Foto: Louai Beshara /AFP / Getty Images.

Turquia e Israel normalizam relações


Um oficial israelense afirmou nesta quinta-feira (18/12) que seu país e a Turquia firmaram um acordo para normalizar as relações diplomáticas. Isso inclui o retorno dos embaixadores dos dois países. O acordo também estabelece a criação por Israel de um fundo de compensação para as vítimas turcas de um ataque contra assistentes humanitários em Gaza em 2010.

Turkey's President Tayyip Erdogan addresses the audience during a meeting in Ankara

Foto: Reuters / Murat Cetinmuhurdar / Presidential Palace Press Office / Handout via Reuters.

Israel testa com sucesso sistema de defesa contra mísseis balísticos


Israel anunciou o sucesso do teste do sistema de defesa contra mísseis balísticos Arrow-3, desenvolvido em conjunto com os Estados Unidos. O sistema atingiu nesta quinta-feira (10/12) um alvo que simulava míssil de longo alcance acima da atmosfera terrestre. Outros testes ainda serão realizados antes da operalização completa do Arrow-3.

87136347_75dadc0c-a77b-4ba5-a028-787b1440c96c

Foto: Reuters. 

Netanyahu confirma encontro com Donald Trump


O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, confirmou na quarta-feira (09/12) que se encontrará com Donald Trump, pré-candidato a presidente dos Estados Unidos pelo Partido Republicano. Encontro se dará mesmo com declarações polêmicas de Trump sobre a imigração de muçulmanos para os EUA. O candidato republicano deve visitar Israel no final de dezembro.

3500

Foto: Ronen Zvulun / Reuters.

Pivô israelense para a Ásia Central?


Em artigo publicado na revista The Diplomat (02/12), Evan Gottesman analisa o pivô israelense para a Ásia Central. A presença russa na Síria e a aproximação dos países asiáticos do Irã levaram Israel a melhorar as relações com os países da União Econômica Eurasiática (UEE), principalmente com a Rússia e com o Cazaquistão, entrando em uma zona de livre comércio com o bloco em novembro deste ano.

Foto: n.i.

Juiz da Espanha emite mandado de prisão para Netanyahu


Um juiz da Espanha emitiu um mandado de prisão para o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e para outros antigos e atuais membros do governo. A justificativa é o ataque ocorrido em 2010 aos navios de ajuda humanitária, a Freedom Flotilla, que tentava furar o bloqueio israelense e atingir a Faixa de Gaza. 10 ativistas morreram na ocasião.

32-netanyahu-ap

Netanyahu. Foto: AP.

Ban Ki-moon discute com Conselho de Segurança sobre conflito Israel-Palestina


Após visita surpresa a Israel nesta terça-feira (20/10) a fim de tentar negociar uma paz entre palestinos e israelenses, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, realizou ontem (21/10) uma reunião de emergência com o Conselho de Segurança sobre a questão. A discussão se deu por videoconferência, já que Ban se encontra na Cisjordânia.

Foto: Marcello Casal Jr. / ABr.

Israel descobre petróleo nas Colinas de Golã


Israel anunciou que descobriu petróleo suficiente para toda a sua necessidade energética nas Colinas de Golã, território sírio ocupado por forças israelenses desde a Guerra dos Seis Dias em 1967. Porém, a extração do recurso ainda pode demorar muito tempo até ser efetivada e apresenta o risco de ser próximo dos conflitos entre o governo sírio e rebeldes, o que representaria altos custos de proteção das reservas. Também suspeita-se que o anúncio tem razões políticas, não correspondendo à realidade.

Imagem: BBC

Palestra: “Rússia na Síria e a guerra híbrida: implicações para o Brasil e Israel”


O ISAPE convida todos a participar da palestra “Rússia na Síria e a Guerra Híbrida: Implicações para o Brasil e Israel”, que acontecerá em Porto Alegre no Clube de Cultura (R. Ramiro Barcelos, 1853), nesta quinta-feira 15/10, às 19h. O pesquisador associado do ISAPE Prof. Dr. José Miguel Martins e o Prof. Dr. Nilo Piana de Castro serão o palestrante e o debatedor, respectivamente. O investimento é de R$ 10,00 para o público em geral e de R$ 5,00 para estudantes.
Cartaz Russia Siria

Novas tensões entre Israel e Palestina


Na última segunda-feira (05/10), um adolescente palestino morreu em ofensiva israelense na Cisjordânia. Outro jovem já havia morrido no domingo em situação similar. Além disso, Israel bombardeou posições do Hamas na Faixa de Gaza após o lançamento de dois misséis. Os palestinos acusam Israel de aumentar as tensões na região.

Foto: EFE.

Rússia e Israel anunciam coordenação de ações na Síria


Em encontro em Moscou, nesta segunda-feira (21/09), o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, chegou a um acordo com o presidente russo, Vladimir Putin, para estabelecer um mecanismo para evitar desentendimentos entre as Forças de Defesa de Israel e tropas russas. Israel teme que armas enviadas pela Rússia para ajudar o regime de Bashar al-Assad caiam nas mãos do Hezbollah. Já Moscou, afirmou entender a preocupação, mas afirma que envios são necessários para combater o “Estado Islâmico” e que não há o que temer do Hezbollah.

Benjamin Netanyahu e Vladimir Putin. Foto: Reuters / RIA Novosti/ M. Klimentyev.

Dilma rejeita colono como embaixador de Israel no Brasil


Neste domingo (20/09), a Presidente Dilma Rousseff recusou a indicação de Dani Dayan para embaixador israelense no Brasil. Dayan era um líder e defensor da colonização do território da Cisjordânia, considerada por muitos ilegal por ser parte da Palestina e, portanto, um entrave ao processo de paz na região.

Dani Dayan e Benjamin Netanyahu. Foto: Gideon Markowicz / Flash90.

EUA consegue apoio dos países do golfo para acordo com Irã


Em reunião do Conselho de Cooperação dos Países do Golfo, no Qatar, nesta segunda-feira (03/08), os países membros do bloco declararam que darão apoio ao acordo dos Estados Unidos com o Irã sobre seu programa nuclear. Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Kuwait, Omã e Bahrein assinaram o acordo. Dessa forma, Israel fica isolado no Oriente Médio ao ser o único país que continua se opondo à reaproximação dos EUA com o Irã. A conquista revela-se um sucesso da diplomacia estadunidense em garantir apoio ao plano, mostrando que seria a melhor opção para a região.

Foto: AFP, Brendan Smialowski, Getty Images.

Foto: AFP / Brendan Smialowski / Getty Images.

Israel aprova lei que condena arremessadores de pedras a até 20 anos de prisão


Com 69 votos a favor e 17 contra, o parlamento de Israel aprovou na semana passada uma lei que condena palestinos que arremessem pedras nas forças de ocupação israelenses a até 20 anos de prisão. Mesmo que não haja prova de dolo, os reús poderão pegar até 10 anos de prisão, de acordo com o jornal Yedioth Ahronoth. A ministra da Justiça, Ayelet Shaked, afirmou em declaração após o fim da votação que “a justiça foi feita”, já que “por anos, terroristas se esquivaram de punições e responsabilidades”, reforçando que a lei significa o “fim da tolerância contra terroristas”. Já a oposição a caracterizou como “injusta” e “hipócrita”.

Foto: Gali Tibbon, Reuters.

Foto: Gali Tibbon / Reuters.

Oficiais de Defesa dos EUA e Israel encontram-se após anúncio de acordo com Irã


O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, e o ministro da Defesa israelense, Moshe Ya’alon, encontraram-se pela primeira vez na última segunda-feira (20/07) após o anúncio do acordo sobre o programa nuclear iraniano. A visita, agendada antes do anúncio das reuniões que culminaram com o acordo, ocorreu mesmo apesar das tensões causadas pela posição do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu’s, que se declarou contrário ao acordo. O Pentágono descreveu a visita como uma continuação da parceria entre os países na busca por soluções aos desafios impostos para a prevenção de ataques terroristas.

Foto: AFP, Pool, Carolyn Kaster.

Foto: AFP / Carolyn Kaster.

Netanyahu lamenta acordo com o Irã


Após o fim das negociações que culminaram com o acordo nuclear com o Irã, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse nesta terça-feira (14/07) que lamenta as concessões feitas pelos P5+1 (EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China) a Teerã. Na sua visão, elas podem significar uma real ameaça à sobrevivência de Israel. A vice-ministra de Relações Exteriores, Tzipi Hotovely, e o ministro da Imigração, Zeev Elkin, ambos membros do partido governista Likud, também demonstraram abertamente suas preocupações com a reaproximação do ocidente com o Irã.

Foto: Barcroft Media

Foto: Barcroft Media.

Relatório da ONU indica sérias violações de direitos humanos no último conflito em Gaza


Um relatório divulgado nesta segunda-feira (22/06) pelas Nações Unidas aponta que tanto Israel quanto grupos armados palestinos cometeram sérias violações dos direitos humanos durante o último conflito na Faixa de Gaza, em 2014. As ações de ambos os lados podem configurar crimes de guerra. Mais de 2,1 mil palestinos morreram nos ataques, um terço deles crianças. Israel registrou 73 vítimas, a maioria soldados, durante as sete semanas de bombardeio. O documento mostra que Israel efetuou mais de 6 mil ataques aéreos e disparou 50 mil projéteis de artilharia enquanto os grupos armados palestinos, sobretudo o Hamas, soltaram quase 5 mil mísseis e mais de 1,7 mil morteiros.

Foto: Picture Alliance, I. Khader.

Foto: Picture Alliance / I. Khader.

Um balanço do Oriente Médio


O analista George Friedman faz um balanço da situação atual do Oriente Médio, buscando as raízes dos movimentos políticos atuais no impacto que a dissolução da União Soviética teve para a região. Segundo ele, movimentos seculares, geralmente apoiados pelos soviéticos, foram desacreditados, o que deu força para os islamistas. Hoje, está em aberto se as quatro potências da região podem (ou mesmo se querem) conter o “Estado Islâmico”, especialmente a Turquia.

Mapa: Stratfor.

(mais…)