livro

Lançamento do livro “Estudos de caso em política externa brasileira (1930–1985)”


O ISAPE convida todos e todas para o evento de lançamento de seu novo livro, Estudos de caso em política externa brasileira (1930–1985), que ocorrerá nesta quinta-feira, 8 de setembro, às 17h no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (Av. João Pessoa, 52 – Porto Alegre, RS). Integrante da série Cadernos ISAPE, o livro é organizado pelos professores André Reis da Silva e José Miguel Martins, com artigos escritos por alunas e alunos na disciplina de Política Externa Brasileira II no curso de Relações Internacionais da UFRGS. A elaboração do livro foi feita por meio de debates de revisão entre os professores, autores e autoras e o público participante da atividade de extensão Oficina de Política Externa Brasileira. No lançamento, o livro será vendido pelo valor de custo (R$ 15,00). Não perca!

livro PEB ISAPE

Anúncios

2003-2013 – Uma Nova Política Externa: Debate e Lançamento do Livro


IMG_20141010_115049788_HDR

Da esquerda para direita: Gustavo Feddersen, Consultor do ISAPE; Marcelo Kanter, Diretor-Geral do ISAPE; Profª Maria Regina Soares de Lima, da UERJ; Marco Aurélio Garcia, Assessor Especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais; Pedro Brites, Consultor do ISAPE; Gonzalo Berrón, Diretor da Friedrich Ebert Stiftung

Esta sexta-feira 10, ocorreu no Centro Universitário Ritter dos Reis o lançamento do livro “2003-2013: Uma Nova Política Externa”, juntamente com palestras dos principais debatedores da Conferência Nacional de Política Externa.

A integração da América do Sul, segundo os painelistas, é vista como um dos avanços importantes desse período que terá mais impacto na posição internacional e na segurança brasileira. Ficou explícito, durante as falas, que a continuidade dos esforços integracionistas são basilares para o desenvolvimento do continente. Os avanços nas esferas da UNASUL e do Mercosul foram avaliados como esforços premeditados pelos governos do período, no sentido de coadunar os interesses brasileiros com a cooperação com os países que compõem nosso entorno estratégico. Fica ainda a questão de como criar mecanismos para proteger tais progressos essenciais das vicissitudes postas pelos projetos políticos e econômicos concorrentes, propostos pelos defensores do alinhamento automático às potências externas ao continente.

O lançamento foi uma promoção do Governo do Rio Grande do Sul, junto ao Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais. A Conferência, realizada em julho de 2013, reuniu especialistas para a construção de ideias, tendo como objetivo principal contribuir para a análise e formulação das relações exteriores brasileiras e para a democratização do processo. O lançamento contou com a presença do assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia; o coordenador geral de Ações Internacionais de Combate à Fome do Ministério de Relações Exteriores, Milton Rondó Filho; a doutora em Ciência Política e professora da UERJ, Maria Regina Soares de Lima, e o diretor de Projetos de Política Internacional na Fundação Friedrich Ebert, Gonzalo Berrón. A moderação do encontro ficou a cargo do coordenador da Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais, Tarson Nuñez.

Evento – Lançamento do livro “As Relações diplomáticas da Ásia: Articulações regionais e afirmação mundial (uma perspectiva brasileira)”, de Paulo Fagundes Visentini


A Editora Fino Traço, o Centro de Estudos sobre o Pacífico e o Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília anunciam a publicação do livro ”As Relações diplomáticas da Ásia: Articulações regionais e afirmação mundial (uma perspectiva brasileira)”, de Paulo Fagundes Visentini (professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenador do Núcleo de Estratégia e Relações Internacionais – NERINT, da mesma universidade).

A Ásia Oriental e Meridional, do Japão ao Paquistão, abriga mais da metade da população mundial e várias das mais sólidas e antigas civilizações, com quatro Estados de grande porte: China, Índia, Japão e Indonésia. É a região de maior dinamismo econômico no mundo há quatro décadas. Após analisar elementos civilizacionais e a dominação europeia, que impactam o presente como forças profundas, a obra descreve o processo de descolonização e as relações internacionais contemporâneas dos Estados da região, a partir da própria perspectiva asiática.

Link para Apresentação e Introdução: http://pebrasil.files.wordpress.com/2012/02/as_relacoes_diplomaticas_asia_1-18.pdf

Fonte: http://mundorama.net/2012/02/04/evento-lancamento-do-livro-as-relacoes-diplomaticas-da-asia-articulacoes-regionais-e-afirmacao-mundial-uma-perspectiva-brasileira-de-paulo-fagundes-visentini/

Sobre a ascensão e a decadência das superpotências


Foto por: Eric Draper

Sobre a ascensão e a decadência das superpotências

Opera Mundi – 17/12/2011

Qualquer pessoa que ousasse, ao fim do governo do democrata Bill Clinton, em janeiro de 2001, fazer uma previsão pessimista sobre o papel dos Estados Unidos no mundo, seria rebatido com uma sonora gargalhada. Na época, o país ainda colhia os frutos políticos e militares da vitória da Guerra Fria e do desmantelamento da União Soviética; conseguia impor a agenda neoliberal no Terceiro Mundo como uma condição obrigatória para o desenvolvimento; e contava com uma imagem positiva perante a opinião pública, que o moldava como a única superpotência existente e pronta para liderar a humanidade frente a um caminho sem retorno de progresso e prosperidade.

Os ataques terroristas do 11 de Setembro mostraram as primeiras fissuras desse cenário utópico. Dez anos já passaram, o que seria tempo suficiente para que a pujança norte-americana voltasse a se restabelecer sem maiores dificuldades. Mas a crise de 2008 eclodiu e nem o grande surto de esperança causado pela chegada de Barack Obama ao poder conseguiu desfazer um cenário de pessimismo, desemprego, aumento da pobreza, endividamento, conservadorismo exacerbado, instabilidade política e radicalização ideológica. Além de ver o modelo neoliberal questionado por todos os lados e observar o crescimento exponencial da China para tornar-se, em médio prazo, uma potência econômica, política e militar de mesmo ou maior porte. (mais…)