Mauricio Macri

11ª Cúpula da Aliança do Pacífico ocorre no Chile


Na última terça-feira (29/06), teve início a 11ª Cúpula da Aliança do Pacífico, reunindo os Chefes de Estado dos quatro países membros (Chile, Peru, Colômbia e México) e de dois países observadores (Argentina e Costa Rica). Na ocasião, o chanceler chileno Heraldo Muñoz celebrou a visita dos recém-eleitos Maurício Macri, da Argentina, e Pedro Pablo Kuczynski, do Peru como atores importantes para promoção dessa iniciativa regional. Já o presidente argentino pretende criar mais vínculos do Mercosul com a Aliança, a qual também deve se tornar uma área de livre comércio na América Latina.

Presidentes da Aliança do Pacífico. Foto: Nodal.

Anúncios

Argentina entra em recessão técnica


Nesta quinta-feira (30/06), o Instituto Nacional de Estatística e Censos da Argentina divulgou que o país acumula três trimestres seguidos de queda no Produto Interno Bruto (PIB), caracterizando uma recessão técnica. A economia argentina caiu 0,7% no primeiro trimestre de 2016 em comparação com o último trimestre de 2015. Os setores que registraram maior declínio da atividade econômica foram a construção e a agricultura, com quedas de aproximadamente 5% cada um.

Imagem: n.i.

“Panama Papers” revelam contas offshore de diversos líderes mundiais


Neste domingo (03/04), foram divulgados diversos documentos que comprovam a existência de contas offshore de diversos líderes mundiais, celebridades e empresários. Os documentos, denominados de “Panama Papers”, foram investigados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês). Entre as personalidades envolvidas no escândalo por relacionamentos com contas no exterior estão o presidente argentino Mauricio Macri, o primeiro-ministro islandês, Sigmundur David Gunnlaugsson e o presidente ucraniano Petro Poroshenko.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko. Foto: Alex Wong / AFP

Macri planeja viagem para Cuba


O presidente da Argentina, Mauricio Macri está planejando uma visita à Cuba e e esta deve ocorrer em breve, segundo divulgado por jornais argentinos nesta terça-feira (15/03). A viagem serviria para retomar as relações com o presidente cubano, Raúl Castro, e também para apoiar as negociações de paz entre o governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que acontecem em Havana. A expectativa é de que Macri faça escala na ilha em abril após viagem aos Estados Unidos.

Foto: EFE

Governo da Argentina chega a acordo com “fundos abutres”


Nesta segunda-feira (29/02), o governo de Mauricio Macri na Argentina chegou a um acordo de mais de 4,6 bilhões de dólares com seus principais credores, os chamados de “fundos abutres”, para encerrar uma disputa que já dura 14 anos. Os credores aceitaram um abatimento de 25% sobre o valor total da dívida de Buenos Aires, que se comprometeu a arcar também com os custos dos processos judiciais em curso nos Estados Unidos. Acordo ainda precisa ser ratificado pelo Congresso do país, cuja maioria é da oposição kirchnerista e que também precisa alterar leis para que essas medidas acordadas ocorram.

mauriciomacridecreto

Foto: EFE

Macri propóe diálogo com Reino Unidos sobre Malvinas


Após encontro com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, nesta quinta-feira (21/01), o presidente argentino, Mauricio Macri, propôs o diálogo entre os dois países sobre diversas questões pendentes, incluindo sobre as Malvinas. No encontro, que ocorreu em Davos, na Suíça, também foram discutidos o narcotráfico, as mudanças climáticas, o crescimento econômico e o apoio para o desenvolvimento de infraestrutura.

Foto: Efe.

Na Argentina, Macri decreta estado de emergência em segurança pública


Na última terça-feira (19/01), o presidente da Argentina, Mauricio Macri, decretou estado de emergência em segurança pública por todo o país pelo prazo de um ano. Nesse contexto, nesta quinta-feira (21/01), Macri assinou um decreto que permite o abatimento de “aeronaves hostis” no espaço aéreo argentino, a fim de combater o narcotráfico e contrabando de armas. Medida foi criticada por setores de esquerda por ser realizada sem debate ou aprovação do Congresso.

mauriciomacridecreto

Foto: Efe.

Na Argentina, juízes anulam decretos de Macri e restauram Lei de Meios


Dois juízes federais da Argentina ordenaram, nesta segunda-feira (11/01), medidas cautelares interinas e deixaram sem efeito os decretos do presidente argentino, Mauricio Macri, sobre a Autoridade Federal de Serviços de Comunicação Audiovisual (Afsca) e sobre a Lei de Meios, que regula os meios de comunicação do país. Assim, todos funcionários demitidos da Afsca estão restaurados à seus cargos e anuladas medidas aplicadas pelo interventor indicado por Macri.

leydemedios1

Foto: Agência Efe.

Na Argentina, Macri derruba Lei de Meios


O presidente da Argentina, Mauricio Macri, derrubou no final de dezembro (30/12) a lei contra a concentração dos meios de comunicações, um dos símbolos do governo da Cristina Kirchner. Macri utilizou-se de um decreto para implementar a medida. A lei limitava a quantidade de veículos de comunicação por grupo. Além disso, impedia que as operadoras de televisão paga oferecessem serviços de telefonia e que as telefônicas operassem com os serviços de televisão.

1451499390_992482_1451499541_noticia_normal

Foto: EFE. 

Cúpula do Mercosul marcada por conflito entre Venezuela e Argentina, agenda de livre comércio e apoio a Dilma Rousseff


Durante a 49º Cúpula do Mercosul, nesta segunda-feira (21/12), ocorreu o primeiro confronto direto entre o novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o governo da Venezuela. Macri acusou esta de atitudes antidemocráticas e pediu a libertação de presos políticos. Caracas respondeu afirmando que Buenos Aires tem “padrões duplos”, já que recentemente liberou os torturadores da ditadura argentina. O encontro também foi marcado por queixas e pedidos do Paraguai, do Uruguai e da Argentina para avançar a agenda de livre comércio do bloco. Além disso, a presidente Dilma Rousseff recebeu a solidariedade dos líderes dos países do Mercosul contra o impeachment.

018933678_40100

Foto: Reuters / M. Valdez.

Novo governo argentino facilita importações do Brasil


O novo governo argentino anunciou nesta segunda-feira (14/12) duas medidas para incentivar as exportações de carne e grãos e destravar as importações de produtos de outros países, inclusive do Brasil. O recém empossado presidente Macri decretou a isenção de impostos sobre a exportação de uma série de produtos e redução nos sobre o trigo. O governo também anunciou o fim de antigo decreto que dificultava as importações do Brasil. Além disso, anunciou-se o fim do subsídio à energia.

1450152368_167921_1450219335_noticia_normal_recorte1

Foto: Victor R. Caivano / AP.

Na Argentina, Marci nomeará dois juízes para Suprema Corte por decreto


O presidente da Argentina, Mauricio Macri, anunciou que nomeará por decreto dois juízes para as duas vagas remanescentes da Suprema Corte do país. Medida causa polêmica, já que carece de antecedentes desde o retorno da democracia em 1983 e a possibilidade do chefe de Estado convocar sessões extraordinárias do Senado (que está em recesso) para aprovar imediatamente as indicações.

3036300

Foto: Reuters / Andres Stapff.

Macri é empossado presidente da Argentina


Nesta quinta-feira (10/12), Mauricio Macri foi empossado presidente da Argentina em cerimônia iniciada no Congresso e depois na Casa Rosada, onde recebeu a faixa e o bastão presidenciais, após o encerramento do mandato de Cristina Kirchner ter sido antecipado pela justiça. Em discurso, Macri ressaltou que o seu governo se baseará em três eixos: alcançar pobreza zero, derrotar o narcotráfico e unir os argentinos, transcendendo divisões partidárias. Kirchner e deputados seu partido não compareceram à cerimônia, que contou com a presença de diversos líderes latino-americanos, incluindo a presidente brasileira Dilma Rousseff.

Mauricio Macri. Foto: Efe.

Dilma rechaça suspensão da Venezuela do Mercosul


A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, rejeitou na terça-feira (01/12) a proposta do recém-eleito presidente da Argentina, Mauricio Macri, de suspender a Venezuela do Mercosul utilizando-se da claúsula democrática. Segundo Rousseff, a claúsula não pode ser invocada por acusações genéricas e não comprovadas. Uruguai e Equador também demonstraram desacordo com a proposta de Macri.

dilmaroussef_1718483346

Foto: AP.

Recém-eleito, Macri anuncia que Brasil será seu primeiro destino oficial


Mauricio Macri, recém-eleito presidente da Argentina, anunciou que o Brasil deverá ser o destino de sua primeira viagem internacional oficial. Macri manifestou essa sua intenção em telefonema com a presidente brasileira Dilma Rousseff na segunda-feira (23/11), que o telefonara para cumprimentá-lo pela vitória na eleição presidencial argentina. O novo presidente também disse a Dilma que pretende dar “nova vitalidade ao Mercosul” e ter uma relação “fluida e dinâmica” com o Brasília.

Foto: Reuters / M. Brindicci.

Mauricio Macri, da oposição, é eleito presidente da Argentina


Com 99% dos votos apurados, Mauricio Macri foi eleito novo presidente da Argentina em segundo turno neste domingo (22/11). Macri obteve aproximadamente 51,4% dos votos e o candidato governista, Daniel Scioli, 48,6%. Resultado marca a primeira derrota eleitoral de um governo progressista na América do Sul em uma década. Em um de seus primeiros pronunciamentos após o pleito, Macri anunciou que pedirá a suspensão da Venezuela do Mercosul com base na cláusula democrática.

Foto: Ansur.

Na Argentina, pesquisas de intenção de voto mostram vantagem para a oposição


Pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta quarta-feira (11/11) apontam vantagem do oposicionista Mauricio Macri para as eleições presidenciais da Argentina a serem realizadas no dia 22 de novembro. Macri, que foi o segundo colocado no primeiro turno, apresenta uma vantagem entre 8,5% e 3,8% sobre o governista Daniel Scioli, segundo diferentes agências. O próximo debate presidencial, previsto para domingo (15/11), pode ter grande efeito sobre a relação de votos.

Foto: Guido Chouela.

Scioli e Macri disputarão segundo turno pela presidência da Argentina


Daniel Scioli (Frente para a Vitória), candidato governista, e Mauricio Macri (Cambiemos), da oposição liberal, vão disputar um inédito segundo turno nas eleições presidenciais da Argentina, mostraram os resultados da eleição de domingo publicados nesta segunda-feira (26/10). Scioli obteve aproximadamente 37% dos votos e Macri 34%. O segundo turno está previsto para o dia 22 de novembro e será o primeiro desde a redemocratização argentina.

Scioli (E) e Macri. Imagem: Efe.