prática neoliberal

França aprova reforma de direitos trabalhistas


Esta semana a França aprovou uma reforma nos seus direitos trabalhistas através da chamada Lei Khomri. Ela elimina inúmeros direitos trabalhistas já estabelecidos no país e permite estender a jornada de trabalho a 46 horas semanais. Desde que foi apresentada no início do ano, a lei foi alvo constante de protestos no país e cerca de 70% da população é desfavorável à sua adoção. A aprovação da mesma se deu sem maioria parlamentar e por iniciativa do Partido Socialista, de François Hollande.

Foto: Patrick Kovarik / AFP.

Anúncios

Economistas do FMI apontam malefícios da agenda econômica neoliberal


Recentemente economistas do Fundo Monetário Internacional realizaram duras críticas à agenda econômica neoliberal, especificamente às políticas de austeridade. Apesar da predominância dessa abordagem em estudos de economia internacional, ela tem se mostrado cada vez menos eficiente para levar ao crescimento econômico sustentável pois o aumento das desigualdades sociais não é compensado pelo suposto crescimento econômico. Ademais, as políticas de austeridade que buscam diminuir o nível da dívida externa exigem o aumento dos impostos, o corte de gastos sociais ou ambas as medidas — distorcendo a atividade econômica e minando a continuidade do crescimento.

Foto: Saul Loeb / AFP.

Foto: Saul Loeb / AFP.

A política externa do México de 1970 a 1994: entre o estado desenvolvimentista e o estado neoliberal


Confira aqui a monografia do pesquisador do ISAPE, Diogo Ives de Quadros, sobre a política externa mexicana entre 1970 e 1994. O trabalho usa os conceitos de paradigmas de Estado formulados por Amado Cervo para analisar a trajetória do México no período e explicar por que houve uma significativa alteração em sua política externa dos anos 70 para os 90. O Estado mexicano teria passado de desenvolvimentista para neoliberal, em grande medida, por constrangimentos econômicos criados pela reprodução do capitalismo na América Latina em combinação com decisões da elite política local. Porém, o quadro de análise proposto se mostra insuficiente para explicar as ações externas mexicanas no âmbito securitário.

Imagem: MexicoXport.

A desigualdade corrói o projeto europeu


Na União Europeia, a crise e as políticas econômicas dominantes corroem a coesão social ao aumentar os níveis de pobreza e ampliar a distância entre ricos e pobres.

Fonte: Avantar / Cinga.

Fonte: Avantar / Cinga.

(mais…)

O Mercosul e a China: Alternativas


O Mercosul e a China: Alternativas

20 de setembro de 2012 – Carta Maior/Samuel Pinheiro Guimarães

A crise da economia mundial, que durará pelo menos mais uma década, e a maior liberdade de políticas econômicas na área externa, decorrente do enfraquecimento do pensamento e da prática neoliberal que a provocou e das ações protecionistas dos países desenvolvidos, fazem com que os países do Mercosul possam aproveitar essa rara oportunidade na sua história para aproveitar a extraordinária demanda chinesa por produtos primários e torná-la um fator de seu desenvolvimento econômico, isto é do seu desenvolvimento industrial. O artigo é de Samuel Pinheiro Guimarães. (mais…)