reforma educacional

Redistribuição de vagas universitárias gera protestos na China


O Ministério da Educação da China anunciou uma iniciativa de redistribuição de vagas em universidades de alta qualidade para estudantes de províncias pouco desenvolvidas. Aproximadamente 140.000 vagas seriam reservadas para esses estudantes. A iniciativa faz parte da política mais ampla do “Sonho Chinês” de Xi Jinping, que aborda o desenvolvimento como resultado da diminuição de desigualdades sociais, para a qual o acesso à educação teria um papel essencial. No entanto, o projeto tem gerado insatisfação nas classes média e média-alta das províncias mais ricas do país, gerando inclusive protestos em grandes centros urbanos.

Foto: Financial Times.

Anúncios

Chile aprova ensino universitário gratuito


Nesta quarta-feira (23/12), uma lei estabelecendo o ensino universitário gratuito foi aprovada pelo Congresso do Chile. Medida prevê englobar universidades públicas e privadas — estas se aderirem ao sistema de receber incentivos fiscais e não buscarem lucros. A lei é um importante pilar da reforma educacional da presidente Michelle Bachelet e entra em vigor a partir de 2016.

chile-ecod

Foto: Eco Desenvolvimento.

Bachelet termina ano legislativo com reformas aprovadas, mas com popularidade em baixa


A presidenta do Chile, Michelle Bachelet, está terminando o ano legislativo com a popularidade em baixa, com aprovação de 40% frente a 58% em abril de 2014. Apesar disso, Bachelet conseguiu aprovar no último ano projetos importantes, como a reforma educacional e a lei de direito à herança para casais homossexuais. A presidenta ainda deseja realizar uma reforma constitucional e outra política.

Foto: Agência EFE

Foto: Agência EFE

Governo chileno vence na Câmara primeira votação por reforma educacional


O governo chileno da presidente socialista Michelle Bachelet venceu na Câmara primeira votação por reforma educacional. O projeto é um dos principais de seu governo e pretende reestrutura a educação básica no país. Uma emenda proposta por ex-líderes estudantis, porém, foi rejeitada.

Foto: Agência Efe

Foto: Agência Efe

(mais…)

No Chile, estudantes voltam às ruas por reforma educacional


A mudança de comando no Palácio de La Moneda não diminuiu o ímpeto dos estudantes chilenos. Michelle Bachelet voltou ao poder falando em promover uma reforma educacional baseada no fortalecimento da educação pública gratuita e, nesta quinta-feira (08/05), o movimento estudantil realiza a primeira grande marcha durante o seu segundo mandato, com o objetivo de cobrar a promessa. Líder estudantil disse que marcha “não é anti-Bachelet, como também não era anti-Piñera. Somos pró-educação pública”

Foto: Reuters.

Foto: Reuters.

(mais…)

Milhares de chilenos saem às ruas para pressionar Bachelet por reformas


Há menos de duas semanas como presidente, Michelle Bachelet enfrenta sua primeira manifestação, convocada por mais de 40 organizações sociais. Segundo a polícia, mais de 25 mil saíram às ruas de Santiago e Valparaíso que querem que a presidente cumpra o ambicioso programa de reformas econômicas e sociais anunciado durante a campanha eleitoral.

Foto: Reuters.

Foto: Reuters.

(mais…)

Milhares de professores saem às ruas para protestar contra reforma educacional no México


México

Milhares de professores saem às ruas para protestar contra reforma educacional no México

05 de abril de 2013 – Opera Mundi/Dodô Calixto

Milhares de professores mexicanos saíram às ruas nesta quinta-feira (04/04) para protestar contra as medidas adotadas pelo governo de Enrique Peña Nieto no âmbito da educação.

Nos estados de Guerrero e Oaxacal, alguns manifestantes ocuparam prédios de emissoras de rádio e prometem só sair quando o governo revogar mudanças feitas nas leis de ensino – promulgadas em fevereiro.

Os profissionais exigem que a reforma educativa “garanta a gratuidade do ensino mexicano”. Em nota oficial, o Sindicato dos Professores Mexicanos – um dos maiores do país com quase 1 milhão de associados – afirma que, desde a aprovação da lei, funcionários do governo têm permissão para “fazer negócios e comércio na Educação, favorecendo às elites do México”. (mais…)