Síria

Primeiro Boletim de Conjuntura do NERINT


Confira aqui o primeiro Boletim de Conjuntura do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais (NERINT), no qual constam quatro artigos escritos por pesquisadores e pesquisadoras do ISAPE. Entre os assuntos discutidos estão a transição política em Mianmar, as reformas internas na Coreia do Norte, a economia iraniana após o acordo nuclear e as negociações de paz da Síria.

capa boletim nerint

EUA propõe maior cooperação com a Rússia na Síria


Obama propôs um novo acordo de cooperação militar entre Estados Unidos e Rússia para a situação na Síria. Segundo essa proposta, Washington e Moscou operariam em bombardeios aéreos conjuntos contra a Frente al-Nusrah (o braço da al-Qaeda na Síria) em troca de pressões russas pelo cessar dos bombardeios do governo sírio sobre alguns grupos rebeldes. Contudo, funcionários do corpo diplomático estadunidense e o próprio Ministro da Defesa se mostraram contrários à iniciativa, alegando que os bombardeios não enfraqueceriam a al-Nusrah e ainda beneficiariam as forças de Assad na guerra civil.

Imagem: Fotolia / viperagp.

Imagem: Fotolia / viperagp.

Rússia envia porta-aviões para a Síria


A Rússia está enviando seu único porta-aviões para a Síria a fim de combater o “Estado Islâmico” naquele país. Chamado de “Almirante Kuznetsov”, o navio carregará ao menos 15 caças e dez helicópteros de ataque. O porta-aviões deve ficar estacionado no leste do mar Mediterrâneo pelo menos até fevereiro de 2017.

Foto: Arquivo / AP via Sputnik.

ONU estende missões de paz em Sudão, Mali e Colinas de Golan


Nesta quarta-feira (29/06), de forma unânime, o Conselho de Segurança da ONU estendeu os mandatos de três operações de paz lideradas pela organização no Mali, em Darfur (Sudão) e nas Colinas de Golan. A missão no Mali (MINUSMA) foi expandida por um ano e terá um maior número de tropas e policiais. Já a missão nas Colinas de Golan (UNDOF) foi estendida por apenas seis meses e houve forte condenação do conflito armado sírio nas proximidades. Por fim, a UNAMID, missão de paz em Darfur, no Sudão, foi mantida por mais um ano sem alterações.

Votação no Conselho de Segurança da ONU. Foto: UN Photo / JC McIlwaine. 

Atentados do EI deixam mais de 100 mortos na Síria


Nesta segunda-feira (23/05), mais de 100 pessoas morreram em uma série de atentados na Síria. O grupo “Estado Islâmico” assumiu a autoria dos ataques. Sete explosões atingiram duas cidades sírias -Jableh e Tartus- controladas pelo governo. Na primeira foram contabilizadas 53 vítimas, enquanto na segunda foram 48 mortos.

Foto: SANA / Reuters

O que restou da Força Aérea Síria?


Em artigo publicado no War is Boring (11/05), Tom Cooper analisa a Força Aérea Síria. Ao contrário do que muitos analistas afirmam, a Força continua operacional e mostra sinais da vitalidade, apesar do constante atrito nos últimos anos. Os aviões e helicópteros -em sua maioria, obsoletos- foram utilizados enormemente na Guerra Civil a partir de 2012. Apesar das grandes perdas iniciais, o governo conseguiu recuperar e restaurar diversas aeronaves, mantendo a capacidade operacional.

Foto: War is Boring / Wikipedia

Comandante do Hezbollah morre na Síria


O líder militar do Hezbollah, Mustafa Amine Badreddine, morreu em uma explosão em Damasco, na Síria. A informação foi confirmada pela organização nesta sexta-feira (13/05). Badreddine era o responsável por comandar as forças do Hezbollah na Síria, onde lutam em apoio ao governo de Bashar al-Assad. A causa da explosão não foi confirmada.

Foto: AP

Bélgica entra na coalizão para combater “Estado Islâmico” na Síria


Nesta sexta-feira (13/05), a Bélgica anunciou que vai participar da coalizão internacional para bombardear o grupo “Estado Islâmico” (EI) na Síria. O país enviará seis caças F-16 com previsão do início das operações em julho. Bruxelas se retirou das operações no Iraque de ataque ao EI na metade de 2015.

Foto: Getty Images.

EUA e Rússia monitorarão juntos o cessar-fogo na Síria


Nesta semana, o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, anunciou que EUA e Rússia monitorarão conjuntamente o acordo de cessar-fogo na Síria, ainda que à distância. Segundo Kerry, oficiais russos e estadunidenses, os quais estarão baseados em Genebra, utilizarão os mesmos recursos e infraestrutura para assegurar uma implementação clara da trégua no conflito sírio, incluindo a cidade de Aleppo, onde recentemente houve ataques de rebeldes a civis.

Hospital em Aleppo após bombardeio de rebeldes. Foto: SANA via AP.

Na Síria, rebeldes atacam Aleppo e atingem hospital


Esta semana rebeldes sírios realizaram um ataque a porções da cidade de Aleppo que estão sob controle de forças governamentais e atingiram um hospital, causando pelo menos 19 mortes. Os ataques de artilharia por parte dos rebeldes ocorrem durante tentativas internacionais de se chegar a um acordo de cessar-fogo na Síria. A ofensiva foi feita horas depois de o Conselho de Segurança da ONU passar unanimemente uma resolução pedindo proteção a funcionários da saúde e instalações hospitalares em todas as zonas de conflito ao redor do mundo.

Localização dos ataques rebeldes em Aleppo. Mapa: The Washington Post / Tim Meko / maps4news.com / (c)Here.

EUA vai enviar mais 250 militares para a Síria


Nesta segunda-feira (25/04), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou o envio de mais 250 militares para a Síria. As novas tropas, que incluem soldados das Forças Especiais, têm como objetivo auxiliar forças locais no combate ao grupo “Estado Islâmico” (EI). Atualmente os EUA possuem 50 soldados no país. Obama também pediu uma maior participação da Europa e de outros aliados no combate ao EI.

Foto: Carolyn Kaster / AP

Delegação da oposição se retira de negociações de paz da Síria


Nesta segunda-feira (18/04), o Alto Comitê de Negociações (HNC, em inglês), grupo que representa a oposição síria nas negociações de paz, anunciou a sua retirada temporária das conversas.  Segundo os líderes do HNC, o grupo não participará até o governo aceitar negociar um governo de transição. O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, afirmou porém que a delegação do HNC continuará em Genebra e participará de discussões técnicas e informais.

Staffan de Mistura Foto: Fabrice Coffrini / AFP / Getty Images

Segunda rodada de negociações de paz sobre a Síria tem início em Genebra


A segunda rodada de negociações para conseguir a paz na Síria teve início nesta quarta-feira (13/04), informou o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura. Primeiro encontro se deu com o Alto Comitê de Negociações (HNC, em inglês), que reúne os principais grupos da oposição síria. Segundo  de Mistura, a agenda das conversas será focada na transição política, na governança e na Constituição. A delegação do governo deve chegar em Genebra na sexta-feira.

Staffan de Mistura Foto: Xinhua / Xu Jinquan

Na Síria, rebeldes armados pela CIA estão lutando contra grupos apoiados pelo Pentágono


Segundo um artigo publicado no jornal Los Angeles Times (27/03), grupos armados pela CIA estão lutando contra os grupos apoiados pelo Pentágono no norte da Síria. Os primeiros seriam financiados para combater o governo de Bashar al-Assad, enquanto os segundos teriam como objetivo combater o Estado Islâmico. A falta de coordenação e controle das duas agências são exemplos das falhas da política dos Estados Unidos para a guerra civil no país.

Imagem: LA Times

 

Governo sírio recupera cidade histórica de Palmira


Nesta quarta-feira (23/03), o governo da Síria recuperou a cidade histórica de Palmira. Segundo um general sírio, o Exército atuou sem apoio aéreo. Cidade estava sob controle do grupo “Estado Islâmico” desde maio de 2015 e teve parte de seu patrimônio histórico destruído.

Foto: Wikipedia / Ulrich Waack

O legado russo na Síria


Segundo análise da Stratfor, a Rússia está de fato retirando suas forças da Síria, conforme anunciado pelo presidente Putin no dia 14/03. No entanto, imagens de satélite mostram que o legado russo no país é significativo: muita infraestrutura militar foi e segue sendo construída. Além disso, algumas forças russas permanecem na Síria, tais como caças de superioridade aérea, helicópteros e baterias antiaéreas.

Foto: ALEXEY DRUZHININ/AFP/Getty Images

Foto: Alexey Druzhinin / AFP / Getty Images.

(mais…)

Vladimir Putin anuncia início da retirada das tropas russas da Síria


O presidente da Rússia,  Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira (14/03) o início da retirada da maioria das forças russas da Síria. Segundo o líder russo, a intervenção, que iniciou em setembro de 2015, atingiu seu objetivo. O país não deu prazos para finalizar a retirada, mas afirmou que continuará operando suas instalações militares em território sírio. A medida coincide com o início das negociações de paz nesta terça-feira (15/03) em Genebra.

Foto: Mikhail Klimentyev / AP

Grupo de oposição síria confirma presença nas negociações de paz


Nesta sexta-feira (11/03), o Alto Comitê de Negociações (HNC, em inglês), que reúne os principais grupos da oposição síria, anunciou que participará das negociações de paz com início em 14 de março, em Genebra. As conversas anteriores não atingiram resultados notáveis. O HNC defende nas negociações um órgão transnacional para governar o país, rejeitando a ideia de um federalismo, proposto pela ONU.

Foto: picture-alliance/ dpa /

Pentágono planeja retomar treinamento de rebeldes sírios


O Pentágono pediu permissão ao governo dos Estados Unidos para retomar o treinamento de rebeldes sírios. Segundo o general Lloyd Austin, comandante do Comando Central dos Estados Unidos (CENTCOM), a preparação das novas tropas seriam mais curtas e levariam em conta os erros do projeto anterior. Este, que tinha um orçamento de US$ 500 milhões, foi interrompido em outubro de 2015 após a constatação que a maioria das forças treinadas foram capturadas ou desertaram.

Foto: Pablo Martinez Monsivais/ AP

Governo e rebeldes respeitam cessar-fogo na Síria


O cessar-fogo na Síria, que teve início no sábado (27/02), foi respeitado na maior parte do país até esta segunda-feira (29/02), segundo relatórios de diversas agências. A medida foi apoiada pelos Estados Unidos e pela Rússia e permitiu que cidades isoladas pelo conflito recebessem ajuda humanitária. Grupos considerados terroristas pela ONU, como o “Estado Islâmico” e a “Frente Al-Nusra”, não foram incluídos no acordo. Segundo oficiais da ONU, apesar de violações localizadas e limitadas, o sucesso do cessar-fogo desenvolve confiança entre as partes, aumentando as chances de sucesso das negociações de paz.

Foto: Yang Zhen/ Xinhua

EUA e Rússia anunciam cessar-fogo na Síria


Os Estados Unidos e a Rússia chegaram a um novo acordo de cessar-fogo para a Síria, anunciado na segunda-feira da semana passada (22/02) e que entrou em vigor no sábado (27/02). A decisão não inclui o fim dos ataques contra o grupo autodenominado “Estado Islâmico” (EI) e a Frente al-Nusra, filiada à Al Qaeda. Segundo um líder de um grupo de oposição síria, a trégua deve ter uma duração inicial de duas semanas, com a possibilidade de ser prolongada “indefinidamente”.

019060647_30300

Foto: picture-alliance / dpa / I. Pitalev.

Turquia continuará a atacar curdos sírios e planeja intervenção com Arábia Saudita


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta quarta-feira (17/02) que os ataques de artilharia contra posições curdas na Síria não serão interrompidos. Os Estados Unidos e outros países já pediram pelo fim das operações, que já duram vários dias. Ainda, Ancara considera uma intervenção em conjunto com a Arábia Saudita na Síria. Riade já anunciou o envio de caças para bases aéreas turcas.

bn-lw558_1228si_m_20151228174419

Erdogan. Foto: Yasin Bulbul / Associated Press.

Iniciam-se negociações de paz sobre a Síria em Genebra


Nesta sexta-feira (29/01), iniciaram-se em Genebra as negociações de paz com o objetivo de findar a guerra na Síria. Ao final do dia, o principal grupo de oposição concordou em participar, mas ressaltou que não conversará até que se resolvam as questões humanitárias no país. No primeiro momento, governo e oposição não se encontrarão diretamente — interlocutores mediadores da ONU se reunirão separadamente com seus representantes.

Foto: F. Coffrini / AFP / Getty Images.

Parte da oposição síria estabelece novas condições para negociações de paz


Nesta quarta-feira (27/01), a Coalizão Nacional Síria, um dos maiores blocos de oposição do país, anunciou que só estaria presente nas negociações de paz do dia 29 se, entre outras condições, os cercos ao redor do país fossem levantados pelo governo de Bashar Al Assad. Isso torna improvável sua participação nas conversas. Além disso, um porta-voz da ONU afirmou que apenas sírios foram convidados para participar, contradizendo a Turquia, que afirmou que “boicotaria” as negociações se os curdos sírios fossem convidados.

f-syriatalks-b-20160128-870x580

Foto: AFP / Jiji.

Negociações de paz sobre Síria são adiadas


As negociações de paz para a Síria, previstas para esta segunda-feira (25/01), foram adiadas para 29 de janeiro, afirmou o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura. Um dos principais impasses nas conversas é quais grupos devem participar das decisões sobre o cessar-fogo e o futuro governo.

135044289_14537599347381n

Foto: Xinhua / Xu Jinquan.

Governo da Síria retoma importante cidade de rebeldes antes de negociações de paz


O governo sírio anunciou a retomada da cidade de Rabiya, principal bastião rebelde na província costeira de Latakia, neste domingo (24/01). A reconquista se dá antes das negociações para encerrar a guerra civil no país, previstas para ocorrer esta semana. Segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos, o avanço foi apoiado por ataques aéreos russos e reforçados em solo por combatentes do Hezbollah libanês e forças iranianas.

Foto: picture-alliance / AP / A. Kots.

EUA e Rússia chegam a impasse sobre rebeldes sírios em negociações de paz


Após encontro entre o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o Ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, nesta quarta-feira (20/01), ambos os países concordaram em seguir as conversas para encerrar o conflito na Síria. Porém, ainda não há um acordo sobre quais grupos rebeldes devem ser incluídos e quais taxados de “terroristas”. A Rússia defende a inclusão de grupos que podem apoiar suas posições nas negociações, como os curdos sírios, enquanto EUA, Arábia Saudita e Turquia rejeitam a ideia.

U.S. Secretary of State John Kerry takes his seat across the table from Russian Foreign Minister Sergey Lavrov, for their meeting about Syria, in Zurich, Switzerland

Foto: Reuters / Jacquelyn Martin.

Sucesso da Rússia na Síria afeta negociações de paz


O ataques aéreos russos em apoio às forças do governo na Guerra Civil da Síria podem afetar as negociações de paz ao dificultar a posição de rebeldes e do Ocidente, segundo artigo de Liz Sly publicado no Washington Post (19/01). A intervenção da Rússia contra os rebeldes vem dando grandes vitórias para o regime de Bashar al-Assad, que agora possui vantagens nas negociações para finalizar o conflito. Esse fato muda a conjuntura em que os planos anteriores foram feitos, diminuindo a chance de concessões por parte do governo.

Foto: Khalil Ashawi / Reuters.

Curdos cometem crimes de guerra contra árabes, diz Anistia Internacional


Segundo a ONG Anistia Internacional, as forças curdas que lutam contra o grupo “Estado Islâmico” (EI) têm destruído deliberadamente diversas casas de árabes no Iraque, a fim de livrar a região de sua presença. Atos e outros crimes de guerra seriam cometidos como vingança ao apoio dessas comunidades ao EI. Segundo um porta-voz curdo, destruição é resultado direto dos conflitos contra o grupo extremista.

87790272_87790270

Foto: Reuters.

O enigma do “Estado Islâmico”


Em artigo publicado no jornal Zero Hora (09/01), o professor Paulo Fagundes Visentini questiona os reais motivos e apoiadores do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI). Para o autor, o grupo serve para desestabilizar e destruir Estados importantes como o Iraque e a Síria, aliados do Irã. Além do apoio das monarquias petrolíferas e da Turquia, o EI ainda conta com a aquiescência da Europa e dos Estados Unidos.

17869879

Foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP.