tibete

Paquistão declara apoio às reivindicações chinesas no Mar do Sul da China.


Na última quinta-feira (23/06), o presidente do Paquistão, Mamnoon Hussein, declarou o apoio de seu país à República Popular da China nas questões ligadas ao Mar do Sul da China, Taiwan e Tibete. A declaração foi feita durante uma reunião pouco antes da conferência da Organização de Cooperação de Xangai (OCX). Ambos os países reforçaram sua posição de amizade e a disposição para cooperar em âmbito econômico e securitário. Por um lado, Xi Jinping enfatizou a importância de integrar oficialmente o Paquistão na OCX e de focarem as suas relações bilaterais na construção do Corredor Econômico China-Paquistão. Por outro, Mamnoon Hussein declarou a sua vontade em participar ao lado de Pequim em organizações internacionais e em cooperar bilateralmente na construção de infraestrutura e no combate ao terrorismo.

Foto: Xinhua / Ma Zhancheng.

Índia anuncia 54 novas bases em fronteira disputada


O governo indiano anunciou que vai adicionar 54 novas bases no Arunachal Pradesh, estado localizado no extremo nordeste do país, na fronteira com a China. Há disputas nesta fronteira, e era esperado que o novo Primeiro Ministro Narendra Modi do partido nacionalista Bharatiya Janata tivesse uma postura mais ativa na questão. Além disso, o governo pretende criar 12 novos batalhões da polícia de fronteira indo-tibetana.

Foto: Wikimedia Commons

Foto: Wikimedia Commons

(mais…)

A política externa da China para a situação na Ucrânia


A China está dando sinais de uma flexibilização do princípio de integridade territorial quanto à situação na Ucrânia. Atitude seria uma mudança significativa na política externa chinesa, cujos argumentos usados no caso ucraniano podem vir a ser usados contra a própria China nas suas regiões separatistas.

Foto: Reuters.

Foto: Reuters.

(mais…)

China e Paquistão projetam novo “corredor econômico”


Em visita do presidente paquistanês Mamnoon Hussain a Pequim, China e Paquistão solidificam os planos de criar um novo corredor econômico entre os dois países. O projeto faz parte de uma estratégia chinesa mais ampla de desenvolver uma nova rota da seda na Ásia e de desenvolver suas regiões ocidentais.

Mapa: Indian Strategic Studies.

Mapa: Indian Strategic Studies.

(mais…)

Cinzas da guerra sino-indiana: postura agressiva chinesa no setor leste da Índia tem levado a crescente militarização da região


Ashes of Sino-Indian war stay warm
Ásia Times /By Namrata Goswami – 11/10/2012

Half a century has gone by since a border war between China and India broke out in the eastern Himalayas on October 20, 1962. Memories of that war linger not only at the Indian national policymaking level but also in local discourses in northeast India, given the Indian defeat at the hands of China in 1962. The border issue remains disputed.

Indian policy makers remain deeply concerned about the 1,080-kilometer disputed China-India border in the eastern Himalayas. Indian concern has grown in recent years as China has become more aggressive on its territorial claim on the Indian border state of Arunachal Pradesh. To be noted in this regard is the fact that China claims 90,000 square kilometers of territory in India’s eastern sector from the disputed McMahon boundary onwards, which includes the entire state of Arunachal Pradesh. (mais…)

China avisa Estados Unidos a não se intrometer na questão tibetana


Steer clear of Tibet, China warns US

The News International – 28/09/2011

BEIJING: China on Wednesday warned the United States against interfering in its affairs after two Buddhist monks set themselves on fire and the US called for Beijing to respect the rights of Tibetans.

The US State Department said Tuesday it was “seriously concerned” by attempts by two monks at the Kirti monastery in southwest China’s Sichuan province to burn themselves to death in an apparent call for religious freedom.

It urged Beijing to allow journalists and diplomats to observe the situation in Sichuan’s Aba county, home to the Kirti monastery, which has seen a string of protests and self-immolations by monks.

“We oppose any country or any person using Tibet-related issues to interfere in China’s internal affairs and impairing China’s social stability and ethnic unity,” foreign ministry spokesman Hong Lei told journalists. (mais…)